'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: O “chiqueiro” iraquiano
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


EDITORIAL

O “chiqueiro” iraquiano

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

“Uma rebelião pode ser conduzida por 2% de ativistas e 98% de simpatizantes passivos.” (T. E. LAWRENCE)

Fruto de um erro de análise e de um sonho delirante dos ideólogos de Washington, a ocupação do Iraque tornou-se rapidamente um pesadelo para as forças norte-americanas e seus aliados, alvos de ataques crescentes da resistência iraquiana

Ignacio Ramonet - (01/12/2003)

O corpo expedicionário norte-americano tem agora um objetivo prioritário: defender-se dos golpes que lhe são desferidos por uma resistência cada vez mais audaciosa

Em seu livro Le Merdier (O chiqueiro)1, um dos melhores romances sobre a guerra do Vietnã, Gustav Hasford conta como, alistando-se nos marines (fuzileiros navais), jovens são transformados em temíveis guerreiros para, em seguida, serem jogados em meio ao caos de um conflito para o qual sua formação se revela inadequada. Em nada os ajudaria a enfrentar um inimigo invisível, sem vanguarda nem retaguarda, que se movimenta como um gás mortífero...

O Iraque não é o Vietnã. Porém, neste “Ramadã negro”, já ocorreu uma inversão dos papéis: os atacantes passaram à defensiva. E o corpo expedicionário norte-americano tem agora um objetivo prioritário: defender-se dos golpes que lhe são desferidos por uma resistência cada vez mais audaciosa. Os números são explícitos: 10 ataques contra os invasores no mês de julho, 35 até agora, e cerca de dez norte-americanos mortos por semana... Sem contar os sangrentos atentados contra reservistas britânicos, italianos, poloneses, espanhóis... A situação torna-se um pesadelo.

Arapuca iraquiana

Com uma potência de fogo apocalíptica, os estrategistas norte-americanos teimaram em adotar, para conquistar o Iraque, o axioma do marechal Foch, segundo o qual a guerra moderna consiste em buscar o núcleo central do exército inimigo, o centro de sua força, destruindo-o na batalha. Uma destruição bastante fácil, já que o exército iraquiano se volatilizou à entrada de Bagdá e, por assim dizer, não freou a cavalgada dos conquistadores – nem pontes demolidas, nem aeroportos arrasados.

Caberia questionar se não se trataria de um estratagema para deixar penetrar os invasores e, em seguida, cercá-los na arapuca de um conflito assimétrico de muito longa duração. Isto porque, a partir de agora, as tropas norte-americanas ficarão “fixas” na Mesopotâmia por bastante tempo. Uma retirada precipitada acarretaria, nos dias atuais, uma guerra civil e uma “libanização” do Iraque que transformariam o país, provavelmente por décadas, em “núcleo perturbador” do mundo.

Vingança desorientada

A espiral da violência está definitivamente engatada. E a repressão, que se multiplicará quando entrarem em ação as milícias paramilitares, lhe dará ainda mais fôlego

Os teóricos da resistência a definem da seguinte maneira: “O inimigo avança, nós recuamos; o inimigo pára, nós o atormentamos”. Sun Tzu, um dos mais antigos estudiosos da guerra, também aconselha a explorar as fraquezas dos poderosos: “Evite sua força”, diz ele. “Ataque sua inconsistência”. Com a preocupação de nunca propiciar aos invasores um alvo específico, o objetivo dos rebeldes iraquianos consiste em impor aos norte-americanos a linha de defesa passiva mais extensa possível, o que é a forma mais cara de travar uma guerra.

A espiral da violência está definitivamente engatada. E a repressão, que se multiplicará quando entrarem em ação as milícias paramilitares criadas pelas autoridades de ocupação, irá dar ainda mais fôlego à resistência. Alimentada pelo ódio do invasor, uma dinâmica de vingança engole as forças de ocupação que, desorientadas, têm dificuldade em distinguir seus adversários dos “amigos”. Repetem-se os “equívocos” contra cidadãos iraquianos que, considerados “delatores” em qualquer lugar, constituem o alvo prioritário da resistência.

“Eldorado” dos mercenários

Ao invés de dissuadir, a invasão do Iraque estimulou e relançou de maneira trágica o terrorismo internacional

Os 130 mil soldados norte-americanos2 – dos quais apenas 56 mil são verdadeiros combatentes3 – já se mostram insuficientes para garantir a “segurança” do país. O Iraque transformou-se no “Eldorado” das empresas de segurança privadas. As embaixadas estrangeiras, as empresas ocidentais que foram beneficiadas com contratos de reconstrução (essencialmente norte-americanas e com vínculos com o governo Bush4) e os ministérios, assim como outros locais públicos, são protegidos por milhares de mercenários recrutados por agências privadas, tais como a Erinys, que contratou 6.500 homens para vigiar as instalações petrolíferas, a Global Risk, encarregada da segurança dos membros do Conselho de Governo interino, a Vinnell, que deu treinamento ao novo exército iraquiano, a Dyncorp, encarregada de formar novos policiais, e a Olive, que dá segurança aos executivos das grandes empresas norte-americanas.

Por outro lado, ao invés de dissuadir, a invasão do Iraque estimulou e relançou de maneira trágica o terrorismo internacional. Prova disto são os odiosos atentados que se multiplicam de Casablanca a Riad, de Mombassa a Istambul. Enquanto isso, o projeto de instaurar uma democracia em Bagdá vai ficando cada dia mais longe...

Como está longe o tempo em que os “falcões” do Pentágono anunciavam que as forças de invasão seriam recebidas como libertadoras... Esse imenso erro de análise está na origem do atual caos. Embriagados pela força, os ideólogos de Washington (Cheney, Rumsfeld, Wolfowitz, Perle…) se apressaram a utilizar a temível máquina de guerra norte-americana para realizar seu sonho delirante de “redesenhar o Oriente Médio”. Agora, tudo se volta contra eles.

(Trad.: Jô Amado)

1 - The Short Timers, título original do livro, foi adaptado para o cinema por Stanley Kubrick, com o título Full Metal Jacket (1987).
2 - Sem mandato da ONU, as forças de ocupação contam com 155 mil homens, originários de 34 países (nenhum deles árabe, ou muçulmano).
3 - Vale uma comparação com os 39 mil homens que mantêm a ordem somente na cidade de Nova York...
4 - Cf. Thomas Catan e Stephen Fidler, “The military can’t provide security”, no site http://amsterdam.nettime.org/Lists-...




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Iraque
» Guerra contra o Iraque
» Limites e Contradições do Poder Imperial

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos