'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: A democracia segundo Huntington
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

» No cinema, o ser fragmentado dos indígenas

» Seriam os neoliberais terraplanistas?

» Paulo Guedes sonha com seu 18 Brumário

» A hegemonia pentecostal no Brasil

Rede Social


Edição francesa


» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour

» L'offensive libérale contre le monde du travail

» « Donner confiance aux hommes »

» Naissance d'un charisme


Edição em inglês


» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


RECONSTRUÇÃO NACIONAL

A democracia segundo Huntington

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Ao privilegiar a estabilidade, a ordem e a autoridade, obra de 1968, tratada como clássico da ciência política nos Estados Unidos, deixa clara uma concepção de democracia bastante distante do modelo alardeado pelos norte-americanos

Serge Halimi - (01/12/2003)

A ordem política nas sociedades em transição: publicado em 1968, este livro de Samuel Huntington é adotado até hoje, nos Estados Unidos, como um clássico em matéria de ciências sociais1. No que se refere a nation building (reconstrução nacional), é rico em ensinamentos, inclusive para os assessores de George W. Bush. O autor detesta a ingenuidade dos “idealistas” que apostam na disposição dos povos do Hemisfério Sul em imitar o “modelo norte-americano”.

Ao contrário do que proclamam todos os presidentes dos Estados Unidos, “a experiência norte-americana pouco tem a oferecer aos países que se modernizam”, explica Huntington. “A revolução norte-americana não foi uma revolução social, como a francesa, a russa, a chinesa, a mexicana ou a cubana; foi uma guerra de independência. Aliás, não foi uma guerra de independência travada por nativos contra conquistadores estrangeiros, mas a guerra de colonos contra seu país de origem. Os paralelos concretos seriam os dos colonos franceses contra a República, ou os rodesianos contra a Grã-Bretanha”. Seria difícil ser mais cruel...

O problema é tentar ser rico

O autor detesta a ingenuidade dos “idealistas” que apostam na disposição dos povos do Hemisfério Sul em imitar o “modelo norte-americano”

Privilegiando o papel das instituições políticas, Huntington rejeita a idéia, sugerida por John Kennedy (e retomada, posteriormente, pelos presidentes Carter e Clinton), segundo a qual o comércio, o crescimento, a paz e a democracia se desenvolveriam de maneira harmoniosa. Para ele, ao contrário, a “modernidade política” não é uma variável de adaptação do “desenvolvimento econômico”. Ora, “nos países que se modernizam e em que o governo fica à mercê de intelectuais contestadores, de coronéis indóceis e de estudantes baderneiros”, faz falta a autoridade. E é principalmente disso que se aproveita o “comunismo”.

O trabalho de Huntington, bastante minucioso, se baseia numa cascata de exemplos e de cálculos estatísticos. Quem realmente se preocupa com “estabilidade” e ordem social, deverá concluir que os Estados Unidos não estão necessariamente interessados em incentivar a decolagem econômica dos países deserdados. Aliás, a idéia de que a pobreza alimenta a violência parece simplista a Huntington: “Se os países pobres parecem instáveis, não é por serem pobres, mas por tentarem ser ricos. Uma sociedade estritamente tradicional seria pobre, ignorante e estável.”

A “tranqüilidade” da miséria

Para Huntington, a “modernidade política” não é uma variável de adaptação do “desenvolvimento econômico”

E o autor apela para a classificação do Banco Mundial que, na época, defendia por completo as teorias que ele combate (que vinculavam, por exemplo, a luta pela “democracia” ao desenvolvimento) para provar que, na verdade, os países mais miseráveis são mais tranqüilos – isto é, menos ameaçados pelo “comunismo” – do que aqueles cujo crescimento é bem-sucedido. Em 1966, por exemplo, “a probabilidade de uma insurreição nos países latino-americanos que não eram pobres era o dobro daquela dos países pobres”.

É óbvio que quando Kennedy lançou seus “voluntários da paz” (peace corps) para inúmeros países do Terceiro-Mundo, explicando que “nas regiões subdesenvolvidas, nosso inimigo não é a ajuda ou o comércio soviéticos, mas a pobreza, o desespero e a estagnação2”, seu crítico de Harvard manifestou-se muito cético quanto aos efeitos que esse tipo de diagnóstico teria para os interesses geoestratégicos norte-americanos.

A apatia e o sistema democrático

“Se os países pobres parecem instáveis, não é por serem pobres, mas por tentarem ser ricos. Uma sociedade estritamente tradicional seria pobre, ignorante e estável.”

Aliás, a “democracia” não é sua principal preocupação. Freqüentemente é necessário optar: “Como ocorreu com os Estados da Europa no século XVII, os países não-ocidentais podem ter uma modernização política ou o pluralismo democrático, mas, de uma maneira geral, não os dois simultaneamente”. Richelieu, Mazarin, o fim das facções, dos levantes e dos duelos dificilmente podem ser concebidos sem o absolutismo da monarquia. Em 1975, num relatório que preparou para a Comissão Trilateral a respeito dos países ocidentais, Huntington se mostraria tão obcecado pela ordem que escreveu: “O funcionamento eficaz de um sistema democrático requer, em geral, um nível de apatia e de não-participação por parte de determinadas pessoas e grupos3.” Vale salientar que ele pensava em termos de Estados Unidos...

Para além de uma filosofia autoritária, Huntington defende sua influência nos meios universitários. Aceitar a idéia de que a democracia, tal como a norte-americana, resultaria do desenvolvimento econômico, equivaleria, na prática, a consentir que sua disciplina, as ciências políticas, tivesse um caráter subordinado. Ora, o professor de Harvard se recusava a que ela se tornasse um mero encaixe para a economia e as forças sociais que essa economia desenvolve.

Admirador de Lênin

“O funcionamento eficaz de um sistema democrático requer, em geral, um nível de apatia e de não-participação por parte de determinadas pessoas e grupos”, diz ele

E é justamente por priorizar as estruturas políticas que, ao mesmo tempo em que admira Lênin – teórico do poder e da tomada do poder, do partido e do Estado (que chega a comparar com Madison) –, ele despreza Marx, um “primitivo político”: “Se o Estado realmente é, como afirmam os marxistas, o ‘comitê central da burguesia’, então não tem grande valor enquanto instituição.”

As primeiras linhas do livro expõem sua obsessão: “A mais importante distinção política entre os países nada tem a ver com as formas de governo, mas com o nível de governo. [...] Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a União Soviética têm formas de governo diferentes, mas nesses três países o governo governa.”

Quem substituísse, nos dias de hoje, a palavra “comunismo” por “islamismo” nas análises de Huntington, seria tentado a concluir que os Estados Unidos já começaram mal, tanto no Afeganistão, quanto no Iraque. Não se preocupam com as instituições políticas, não procuram constituir uma autoridade nacional legítima – apelando para tribos ou facções –, acomodam-se ao caos e subordinam o futuro – e a paz civil – a uma bastante aleatória decolagem econômica dos países que ocuparam. Ora, em 1968, Huntington avaliava que “a função política do comunismo não é a de depor a autoridade e, sim, a de preencher o vazio deixado por sua ausência”.

(Trad.: Jô Amado)

n ten

1 - Ler, de Samuel Huntington, Political Order in Changing Societies, ed. Yale University Press, 1968. As citações que se seguem são tiradas deste livro.
2 - Citado em Kennedy ou les mille jours d’un président, de André Kaspi, ed. Armand Colin, Paris, 1993.
3 - Ler, de Samuel Huntington, The Crisis of Democracy, ed. New York University Press, Nova York, 1975, p. 114.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Choque de Fundamentalismos
» Crise da Democracia Representativa

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos