Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Pós-capitalismo na era do algoritmo (final)

» Contingenciamentos: a barbárie nos números

» O horror como mera constatação

» João Gilberto pra acabar com a apatia

» Boaventura: Descolonizar o saber e o poder

» Morte e gozo sobre rodas

» Tecnologia, Ignorância e Violência

» Universidades: a “nova” estratégia do governo

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (2)

» Por uma Reforma Tributária Solidária

Rede Social


Edição francesa


» L'évêque aux côtés des tueurs

» Quand les intellectuels s'enflammaient pour une cause…

» La France favorable à un système international de gérance

» Les savants, le public et la sonde Rosetta

» Les mondes perdus de l'anticipation française

» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran

» Les charniers de Franco

» Sabra et Chatila, retour sur un massacre

» La résistance de George Orwell


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


MEDICINA

Raízes do caos da saúde pública na África

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Com taxas de mortalidade nitidamente mais elevadas que no resto do mundo, a população do continente africano padece não só de epidemias como a Aids, mas também com o desprezo pelos doentes de grande parte dos funcionários da saúde

Jean-Pierre Olivier de Sardan - (01/02/2004)

Os dados epidemiológicos relativos ao continente africano (que são incompletos e estão longe da realidade) mostram taxas de mortalidade nitidamente mais elevadas que no resto do mundo. E não se trata somente de patologias específicas como a Aids ou o paludismo, que recebem sempre a total atenção da imprensa, mas muito mais a situação sanitária que é catastrófica, apesar de algum progresso alcançado nos últimos anos. O sarampo ou o parto, por exemplo, matam a cada ano centenas de milhares de crianças ou mães que, nos países do Norte teriam sobrevivido sem problemas. Em geral o fator econômico e o cultural são as bases da explicação dada para essas mortes.

Por um lado, a grande fragilidade da rede sanitária do mundo rural, a insuficiência dos meios humanos e financeiros, a penúria reinante , resumindo em uma palavra-subdesenvolvimento - compreendido como uma falta cruel de meios e de financiamento, são responsáveis por todos estas mortes tecnicamente evitáveis em outros contextos econômicos. Por outro lado, a cultura local é incriminada, por causa de seus costumes, hábitos ou representações e práticas populares e até mesmo a “ignorância” das populações. Estas referências dissuadiriam os doentes a comparecerem a tempo para tratar-se nas estruturas da saúde e os levariam a recorrer de forma excessiva aos tratamentos ditos “tradicionais” ou aos curandeiros.

O comportamento dos médicos

As fugas dos doentes, a não-observância das prescrições, são diretamente ligadas a esta medicina quase veterinária prestada no sistema de saúde oficial

A estes dois fatores incontestáveis se acrescenta um outro, do qual não se fala quase nunca publicamente e que tem, também, grande responsabilidade: o comportamento desapropriado de uma grande parte dos funcionários da saúde, sua falta de compromisso com a deontologia, seu desprezo pelos doentes 1 . Humilhação, extorsão, negligência, avidez, “o estou me lixando”, violência, absenteísmo, a falta de motivação, filosofia do “cada um por si”: todos estes males, ligados a um contexto econômico e social particularmente degradado, são denunciados pelos usuários(“Nem nos examinam” e “os funcionários da saúde só pensam em dinheiro”) e por alguns profissionais mais lúcidos. É certo que se encontra, também, nos dispensários ou nas maternidades funcionários da saúde competentes, honestos, conscientes, amáveis. Mas eles são marginalizados. Em tais condições a pouca freqüência às estruturas públicas de atendimento médico, as freqüentes fugas dos doentes, a não-observância das prescrições, são diretamente ligadas a esta medicina quase veterinária prestada no sistema de saúde oficial, tanto em Niamey quanto em Abidjan, em Dakar, Bamako ou em Conakry.

Entretanto, não é a medicina moderna que é rejeitada pelas populações. Prova disso é o sucesso das “farmácias por terra”, ou melhor dizendo, os remédios expostos à venda ou vendedores ambulantes de medicamentos modernos (mas vindo de contrabando, fraudes, ou falsificados) e a proliferação espetacular dos “consultórios médicos” particulares, informais, mantidos por um enfermeiro em atividade (fora das horas de serviço, mas muitas vezes durante), ou aposentado. Da mesma forma, são freqüentes nas cidades os partos a domicílio com o auxílio de uma parteira ou na “sala de trabalho” clandestina mantida por essas parteiras.

Busca pela proximidade

Não é a medicina moderna que é rejeitada pelas populações. Uma proximidade não somente física, mas também social, é procurada, entre quem trata e quem é tratado

Nestes casos, uma proximidade não somente física, mas também social, é procurada, instaurada, praticada, entre quem trata e quem é tratado. O vendedor ambulante vende na sua porta uma unidade de paracetamol ou do quinino sistematicamente prescritos nos dispensários durantes rápidas consultas conseguidas depois uma longa perda de tempo; e, além disso ele aconselha, numa linguagem familiar, cotidiana, sobre o que é preciso tomar em caso de diarréia, de dor de barriga ou de impotência...

É claro que este tipo de tratamento mais próximo, no meio urbano, para o qual há muita demanda, não é uma medicina de qualidade, longe disso. Os medicamentos adulterados ou com o prazo vencido dos vendedores ambulantes não são nem um pouco aconselháveis para quem pode pagar na farmácia os 10000 francos CFA(15 euros) de medicamentos contidos numa receita.As poucas prescrições e injeções estandardizadas que são dadas em um pequeno pátio, de um velho enfermeiro nostálgico das receitas coloniais certamente não valem a custosa consulta de um médico especialista de uma reputada clínica privada. Mas, pelo menos, por um custo mínimo, dão atenção a você , ouvem, falam e confortam, com suas palavras familiares e em sua linguagem dão um “remédio” barato que manterá suas esperanças e às vezes amenizará seus sintomas.

Elites desoneradas pelas ONGs

Este tipo de tratamento mais próximo, dado pelos vendedores ambulantes, no meio urbano, para o qual há muita demanda, não é uma medicina de qualidade

É evidente a necessidade de se buscar desenvolver uma medicina que seja, simultaneamente, de qualidade e de proximidade (tanto social como geográfica), focada no doente e curando a doença. Esse tipo de atendimento nem os funcionários para-médicos e menos ainda os prestadores de socorro e as parteiras estão em condições de assegurar de forma massiva. O futuro parece pender para um verdadeiro esquadrinhamento do país por médicos generalistas, associado a formas mutualistas que permitam o acesso financeiro ao maior número possível. Infelizmente, porém, estamos muito longe disto: os médicos que aceitam deixar a cidade ou até mesmo se instalar nos bairros populares ou periféricos, são raríssimos. Da mesma forma, a ausência quase generalizada de qualquer de seguridade social favorece sistematicamente o setor informal a baixo preço e de frágil qualidade diante do setor formal privado ou público. A generalização da cobertura de custos, impostos pelos arrendadores de fundos nas instituições sanitárias públicas levou estes centros a fornecer apenas tratamentos pagos: quem não tem dinheiro, não tem cuidados médico.

O problema é que, em nenhum país africano, apesar das grandes declarações, a saúde pública não está em condições de promover a reforma radical necessária, pois ela não é, de fato, uma prioridade nacional e se caracteriza, por toda parte, por uma incoerência e uma cacofonia espetacular. As elites locais (que se tratam nas clínicas privadas ou no estrangeiro) se desoneram amplamente através das organizações internacionais, as cooperações bi-laterais e as organizações não governamentais(ONG) ou as instituições de caridade ou confessionais do Norte.

Patologias da “moda”

Pelo menos, dão atenção a você , ouvem, falam e confortam, com suas palavras familiares e em sua linguagem dão um “remédio” barato que manterá suas esperanças

A saúde pública sofre particularmente com a deliqüescência dos Estados2 , cujos programas de ajustamento estrutural associados às políticas liberais são uma das causas principais de sua situação precária.

Os ministérios de cada país se contentam em seguir as sucessivas mudanças de orientação ditadas pelas instituições internacionais (que se multiplicaram há 40 anos) e a reorganização dos fluxos financeiros que as acompanham: cuidados primários com a saúde nos anos 70, financiamento dos custos nos anos 80, reorganização da pirâmide sanitária nos anos 90, reformas hospitalares hoje, sem contar as múltiplas operações verticais que os arrendadores de fundos impulsionam regularmente em torno de patologias “da moda” (as jornadas nacionais de vacinação da Unicef ou as diversas ações emblemáticas contra a Aids, sem falar dos inúmeros “lobbies” e ajudas ligadas a esta ou aquela patologia específica menos conhecidas: a esquistossomose aqui, drepanocitose acolá, lepra em outro lugar, noma nesta região, oncocercose nesta outra etc)...

É por isso que as verdadeiras reformas da qualidade dos atendimentos de proximidade, ou seja, na “linha de frente”, nas interações cotidianas entre doentes e pessoal da saúde, são a porção exata das políticas públicas de saúde. Além disso, esta falta de saúde pública lá onde ela seria indispensável, no encontro da proximidade e da qualidade, combina-se com um excesso de saúde pública fora dali, onde ela é pouco eficaz, nos seminários, nas administrações, nas burocracias, nos colóquios e os organogramas. Na verdade, a saúde pública torna-se para os médicos africanos a via real para deixar os atendimentos e serem recrutados pelos “projetos de desenvolvimento” ou pelas organizações internacionais (vendo, desta forma, seus salários e vantagens multiplicados por 5 ou 10) ou, no mínimo, pela administração da saúde (onde, tornando-se burocratas, estabelecerão relações e ganharão “pedágios”). Da mesma maneira, muitos médicos clínicos e muitas vezes entre os melhores, deixam continuamente a prática terapêutica , ou seja, onde eles seriam mais úteis, por uma especialização em saúde pública e depois da qual falarão, sem parar, de reformas para outros sem nunca terem praticado.

Razões históricas

As elites locais se desoneram amplamente através das organizações internacionais, as cooperações bi-laterais e as organizações não-governamentais(ONGs)

Neste dois domínios estratégicos que são a medicina de bairro (ou de vilarejo) e a mutualização dos riscos, as experiências ainda são muito raras e pontuais como a instalação de médicos rurais aqui, a criação de mutuais acolá, a cobertura de uma falta de obstetra em outro lugar3 , sem que, entretanto, um verdadeiro balanço destas experiências sobre o meio termo tenha sido efetuado (depois que o “projeto exterior” impulsionado tenha sido abandonado). Estamos, portanto, muito longe de uma possível generalização destas experiências ou de outras análogas, ou seja, de uma política nacional reformadora.

Várias razões históricas explicam esta ausência dramática de uma medicina ao mesmo tempo de proximidade (e, portanto, próxima tanto do ponto de vista humano quanto da distância geográfica) e de qualidade (garantindo outra coisa além das consultas rápidas e as receitas estandardizadas que hoje são o lote comum). A primeira é a herança colonial, com, no essencial, uma medicina militar centrada na luta contra as grandes endemias (e que foi eficaz neste domínio), só formando um pessoal auxiliar sub-qualificado agindo de maneira rápida4 .

Modelos importados

A saúde pública torna-se para os médicos africanos a via real para deixar os atendimentos e serem recrutados pelos “projetos de desenvolvimento”

A segunda nos remete ao início dos períodos de independência, onde o atendimento e o tratamento se concentraram nos hospitais das capitais, ou seja, estruturas burocráticas ao mesmo tempo pesadas e caras, mas desprovidas de meios técnicos e competência próprias às estruturas ocidentais correspondentes. A terceira remete à ausência de prioridade nacional dedicada à saúde, a formas de gestão incoerentes e não rigorosas do Estado em geral e da saúde em particular e às mudanças incessantes de direção dos arrendadores de fundos.

A medicina pós-colonial é construída na base de modelos importados do exterior, baseado localmente, por um lado, sobre os enfermeiros funcionários públicos exercendo por toda parte o papel de médicos (diagnóstico e prescrição) para o qual não tinham sido formados e sem ter os meios; e por outro lado, em torno de hospitais urbanos superlotados e disfuncionais com seus novos mandarins mais preocupados com seu status que com a eficácia de seus serviços. Toda ela, portanto, dentro de uma função pública cada vez mais degradada e desvalorizada, cada vez menos a serviço do usuário embora vivendo às suas custas. Neste sentido, a ausência mais ou menos total de uma medicina que seja ao mesmo tempo próxima, humana, acessível e de qualidade é um dos maiores escândalos de nossa época e um desafio urgente que deve ser, urgentemente, considerado.

(Trad.: Celeste Marcondes)

1 - Ver Jaffre e Olivier Sardan “Uma medicina inóspita. As difíceis relações entre trabalhadores da Saúde e doentes nas cinco capitais do oeste da África”, Paris, Editora Karthala, 2003.
2 - Ver Olivier Sardan “Dramatique déliquescence des Etats en Afrique”, Le Monde Diplomatique, fevereiro de 2000, pág.12-13.
3 - Ver respectivamente Brunet-Jailly (ed) Inovar nos sistemas de saúde. Experiências da África Oriental, Karthala, Paris, 1997; Bart Criel, A. Noumou Barry e F. von Roenne , Le projet Prima en Guinée-Conakry Une expérience d’ organization de mutuelles de santé en Afrique rurale, IMT, Anvers, 2002.
4 - Ver Jean-Paul Bado, Médicine coloniale et grandes endémies en Afrique, 1900-1960. Lèpre, trypanosomiase humaine et onchocercose, Karthala, Paris, 1996. [ Medicina da época da colônia e as grandes endemias na África, 1900-1960. Lepra, tripanomiase humana e oncocercose. Paris, Editora Karthala,1996]




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Saúde
» Recolonização da África
» África
» AIDS

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos