Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 24 de setembro de 2021

» Dissidência jovem no coração do sistema

» Ainda não acabou: o mal-estar na pandemia

» Para entender as três crises do Haiti

» Uma cineasta à altura dos desafios de nosso tempo

» 23 de setembro de 2021

» Evergrande: falência e oportunidade na China

» Tecnologia e política para reconstruir mundo em ruínas

» Cinema: Aranha e nossas raízes fascistas

» 22 de setembro de 2021

Rede Social


Edição francesa


» Le vieux monde et la mer

» Émergence de l'Asie sur la scène scientifique

» Singapour, Malaisie, Indonésie : triangle de croissance ou triangle des inégalités ?

» Les rêves déçus et la colère rentrée des harkis

» Conflits d'usages en mer Baltique

» Autocritiques cathodiques en Chine

» L'Australie séduite par la Chine

» Que faisons-nous en Irak ?

» De la mer en partage au partage de la mer

» La Russie à la conquête du Grand Nord


Edição em inglês


» China's post-communist Communist Party

» The Manet effect

» The race to be German chancellor

» September: the longer view

» Meandering through Paraguay

» Don't expect tech giants to build back better

» Long hot nights on the Paraguay river

» Can Pedro Castillo unite Peru?

» Tensions mount over Yemen's contested islands

» Hungary's Fidesz builds a parallel state


Edição portuguesa


» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais

» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena


EDITORIAL

Resistência

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

No mês em que o ’Le monde diplomatique’ faz 50 anos, esta edição é dedicada à todas as vozes da resistência que sonham que outro mundo é possível e contribuem para construí-lo

Ignacio Ramonet - (01/05/2004)

n em

Resistir é dizer não. Não à pobreza. Não esquecimento do Hemisfério Sul. Não à destruição do meio ambiente. Não à guerra preventiva. Não ao policiamento das idéias

Resistir é dizer não. Não ao desprezo. Não à arrogância. Não ao esmagamento econômico. Não aos novos senhores do mundo. Não ao poder financeiro. Não ao G-8. Não ao “Consenso de Washington”. Não ao mercado totalitário. Não ao livre-câmbio integral. Não ao domínio do “Pôquer do Mal” (Banco Mundial, FMI, OCDE e OMC). Não ao hiperprodutivismo. Não aos transgênicos. Não às constantes privatizações. Não à extensão irresistível do setor privado. Não à exclusão. Não à discriminação sexual. Não à regressão social. Não ao desmantelamento da previdência social. Não à pobreza. Não às desigualdades. Não ao esquecimento do Hemisfério Sul. Não à morte de 30 mil crianças pobres diariamente. Não à destruição do meio ambiente. Não à hegemonia militar de uma única hiperpotência. Não à guerra preventiva. Não às guerras de invasão. Não ao terrorismo. Não aos atentados contra a população civil. Não a todos os racismos. Não ao anti-semitismo. Não à islamofobia. Não à paranóia da segurança. Não à vigilância generalizada. Não ao policiamento das idéias. Não à degradação cultural. Não às novas formas de censura. Não aos meios de comunicação mentirosos. Não à mídia que nos manipula.

Resistir também é poder dizer sim. Sim à solidariedade entre os seis bilhões de habitantes de nosso planeta. Sim aos direitos da mulher. Sim a uma ONU renovada

Resistir também é poder dizer sim. Sim à solidariedade entre os seis bilhões de habitantes de nosso planeta. Sim aos direitos da mulher. Sim a uma ONU renovada. Sim a um novo Plano Marshall para ajudar a África. Sim à erradicação definitiva do analfabetismo. Sim a uma ofensiva internacional contra a desigualdade de acesso à informação digital. Sim a uma moratória internacional em favor da preservação da água potável. Sim aos medicamentos genéricos para todo mundo. Sim a uma ação decisiva na luta contra a Aids. Sim à preservação das culturas minoritárias. Sim aos direitos dos indígenas. Sim à justiça social e econômica. Sim a uma Europa mais social e menos mercantil. Sim ao consenso de Porto Alegre. Sim a uma Taxa Tobin para ajudar os cidadãos. Sim a um imposto sobre a venda de armas. Sim à suspensão da dívida externa dos países pobres. Sim à proibição de paraísos fiscais.

Resistir é sonhar que outro mundo é possível. E contribuir para construí-lo.

(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Imprensa Contra-hegemônica
» Resistências ao Neoliberalismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos