Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» E quando nos levantaremos contra os rentistas?

» “Quem tá na rua nunca tá perdido”

» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

Rede Social


Edição francesa


» Population, subsistance et révolution

» Une nouvelle classe de petits potentats domine les villages

» Vers une « révolution agricole »

» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


RACISMO

Uma regressão do mundo árabe

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A degradação da situação da Palestina torna-se terreno fértil para a até então marginal propaganda anti-semita no mundo árabe, suscitando inclusive o renascimento do panfleto czarista “Protocolos dos Sábios do Sião”

Dominique Vidal - (01/05/2004)

Durante muito tempo, a propaganda anti-semita pertencia, no mundo árabe, à esfera da marginalidade. Infelizmente, há três anos, ela ergueu a cabeça em vários países. Essa evolução preocupante não é, evidentemente, alheia à degradação da situação na Palestina: o fracasso da reunião de cúpula de Camp David, em julho de 2000, a eclosão da segunda Intifada e a escalada repressiva do exército israelense atingiram, é claro, a opinião pública.É nesse terreno fértil que apostam as correntes ultranacionalistas ou religiosas para destilar seu veneno, não sem cumplicidades no seio dos poderes vigentes.

Falara-se muito, em 2002, da novela egípcia Cavalier sans monture, esse cavaleiro virtual que, atacando duramente o dragão sionista, denunciava o “complô judeu contra a Palestina” em nome do “Protocolo dos Sábios de Sião”.

“Os que criticam Israel não têm necessidade de recorrer a propósitos anti-semitas para denunciar sua política”, escreveu Osama al-Baz, assessor do presidente egípcio

Esse falso czarista tem, realmente, uma vida dura. No final de 2003, o jornalista Robert Fisk, cujo engajamento é conhecido, indignava-se, no The Independent1, por haver encontrado uma nova edição dele num quiosque de Beirute. “Sou sempre cuidadoso”, escrevia ele, “antes de acusar os árabes de anti-semitismo. Eles próprios são semitas. Mas como esse pequeno panfleto imoral pode reaparecer num país tão sofisticado como o Líbano?” E Fisk critica “ a decisão da televisão do Hezbollah de transmitir, durante o mês sagrado do Ramadan, um seriado intitulado ‘Al-Shatat’ (Diáspora), que pretende ser uma história do sionismo de 1812 a 1948 e faz referência a um ‘complô judeu’ para dominar o mundo.” No programa se mostrava até um pseudo-assassinato ritual

Incitação ao ódio

Novamente os Protocolos, mas, dessa vez, em Túnis, onde o semanário Tunis hebdo afirmava ver, no recente Congresso Sionista Mundial, a prova de que eles “conservam seu ‘frescor’ e sua atualidade intactos. Nenhuma ruga. Nenhuma corrosão. Nenhuma marca de ferrugem2”. Quatro meses antes, o saudita Al-Watan caía no ridículo ao assegurar: “Os rabinos judeus emitiram, ultimamente, uma fatwa (sic) que estabelece que o ‘Iraque faz parte do Grande Israel’3.”

No Marrocos, a incitação ao ódio anti-semita, aliás denunciada por nossos colegas do Journal, foi acompanhada de agressões, algumas das quais acarretaram a morte de um homem. Além do mais, nove pessoas foram condenadas, no fim de 2003, a pesadas penas de prisão pelo assassinato de Albert Rebibo, um judeu de Casablanca4.

O Holocausto e os palestinos

Após a expulsão dos judeus da Espanha, a partir de 1492, o mundo árabe acolheu boa parte deles, com um estatuto claramente mais favorável do que na Europa

A Justiça não foi a única a reagir. No próprio Marrocos, uma petição foi lançada contra essas violências tão contrárias à tradição do país. Também em outros lugares, intelectuais se mobilizaram. Todo mundo se lembra da convocação contra a realização de uma conferência “negacionista” 5 em Beirute, em 20016. Lembremos o que Edward Said escrevia, então, em Le Monde diplomatique: “A tese segundo a qual o Holocausto seria apenas uma fabricação dos sionistas circula, em alguns lugares, de forma inaceitável. Por que esperamos que o mundo inteiro tome consciência de nossos sofrimentos enquanto árabes, se nós não estamos em condições de tomar consciência dos sofrimentos dos outros, ainda que se trate de nossos opressores, e se nós nos revelamos incapazes de lidar com os fatos a partir do momento em que incomodam a visão simplista de intelectuais ‘bem pensantes’ que se recusam a ver o elo que existe entre o Holocausto e Israel? [...] Reconhecer a história do Holocausto e a loucura do genocídio contra o povo judeu nos torna dignos de crédito para tudo o que diz respeito à nossa própria história; isso nos autoriza a pedir aos israelenses e aos judeus que estabeleçam um vínculo entre o Holocausto e as injustiças impostas aos palestinos7.” Fora o Iraque, somente após a II Guerra Mundial e o nascimento do Estado de Israel, é que ações violentas seriam cometidas contra comunidades judaicas em países árabes. A coragem do intelectual americano-palestino ganhou rivais. No Egito, a novela acima citada suscitou, em 2002, inúmeras críticas de jornalistas, mas também de associações e de personalidades, chegando a obrigar a televisão a modificar a apresentação do seriado para contestar a realidade dos Protocolos. Mas o mais significativo foi, sem dúvida, a publicação por Osama al-Baz, assessor do presidente Hosni Mubarak, de uma série de artigos no jornal Al-Ahram8: neles, retomava a realidade da História, dos Protocolos à natureza do combate no Oriente Médio, passando pelo genocídio hitlerista. “Cada um de nós”, escrevia ele, “deve compreender que, quando ataca os judeus enquanto raça ou povo - fazendo-se, desse modo, o advogado de uma abordagem desumana e racista -, atinge o interesse da nação.” E acrescentava: “Os que criticam Israel não têm necessidade de recorrer a propósitos anti-semitas para denunciar sua política.”

Retrocesso prejudicial

Após a expulsão dos judeus da Espanha, a partir de 1492, o mundo árabe acolheu boa parte deles. Se lhes deu - como aos cristãos - o estatuto de dhimmi, inferior ao dos muçulmanos, era claramente mais favorável que o de seus correligionários na Europa, ele os preservou das perseguições recorrentes que os outros sofreram na Europa. E Auschwitz, como se sabe, não é um nome árabe. Com exceção do Iraque, teatro de uma espécie de pogrom em 1941, sob o reinado de Ali Rachid, somente após a II Guerra Mundial e o nascimento do Estado de Israel (mas não do Estado palestino previsto pela Organização das Nações Unidas em sua divisão da Palestina) é que ações violentas, às vezes em massa, seriam cometidas contra comunidades judaicas das quais, por sua vez, as autoridades israelenses organizavam a emigração para o jovem Estados judeu. O mesmo iria acontecer por ocasião das independências no Magreb.

A atual propaganda anti-semita constitui, portanto, para o mundo árabe, um verdadeiro retrocesso que lhe será profundamente prejudicial.

(Trad.: Iraci D. Poleti)

1 - The Independent, Londres, 8 de novembro de 2003.
2 - Tunis hebdo, Tunis, 17 de novembro de 2003.
3 - Al-Watan, Ryad, 19 de julho de 2003.
4 - Le Monde, Paris, 25 de novembro de 2003.
5 - Adepto do “negacionismo”, isto é, da posição ideológica que nega a existência das câmaras de gás utilizadas pelos nazistas (N.T.).
6 - Le Monde, 16 de março de 2001.
7 - Edward Said, “Israël-Palestine: pour une troisième voie”, Le Monde diplomatique, agosto de 1998.
8 - Al-Ahram, Cairo, 23, 24 e 25 de dezembro de 2002.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Choque de Fundamentalismos
» Ocupação da Palestina
» Mundo Árabe

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos