Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Internet: liberdade é controle

» O capitalismo como imensa coleção de perguntas

» Assim os laboratórios torturam animais

» Bolsonaro, o anacronismo genial-idiota

» 10 mandamentos para as elites impenitentes

» As explosões que abalaram a Arábia Saudita

» O que são os “Laboratórios do Comum”

» Trump e Bolsonaro: em busca dos porquês

» Legalidade não faz jus a Brizola

» Como a Estônia concretizou o passe livre

Rede Social


Edição francesa


» Depuis 2010, la majorité de la population est urbaine

» Match démographique : Urugay-Paraguay

» Match démographique : Uruguay-Paraguay

» Chaos postsoviétique

» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques


Edição em inglês


» An end to Mediterranean standoffs?

» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


CRISE ENERGÉTICA

As origens da nova crise do petróleo

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

As tensões geopolíticas, ou seja a degradação da situação no Iraque e na Arábia Saudita, e as compras especulativas ampliaram a alta dos preços do barril, que fixa suas raízes na evolução da oferta e da demanda, onde os sinais, apesar de opacos, apontam para aumento de necessidades e perda de fôlego da oferta

Nicolas Sarkis - (01/07/2004)

Se a situação no Iraque não fosse o que é, e se a Arábia Saudita continuasse protegida dos atentados, evidentemente a explosão dos preços não teria sido tão rápida

Quais são as causas da atual e grande alta dos preços do petróleo? Trata-se de um fenômeno conjuntural e passageiro ou do início de um ciclo de crescimento duradouro dos preços da energia? Enfim, é como alguns temem o sinal precursor de um novo e grande choque petroleiro provocado pelo desequilíbrio nos ritmos de desenvolvimento da oferta e da demanda?

Essas perguntas e esses temores são ainda mais legítimos porque o mercado petrolífero entrou em ebulição dois meses depois da invasão do Iraque em março-abril de 2003, quando alguns esperavam um aumento rápido da produção iraquiana e uma baixa dos preços de cerca de 20 dólares por barril. O aumento completamente inesperado dos preços até se acelerou no início da primavera de 2004, ou seja, exatamente no período em que a demanda mundial registrou uma baixa sazonal de aproximadamente 2 milhões de barris por dia.

A redução constatada após a última reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP1 ), em 3 de junho de 2004, e a notícia de um aumento dos estoques nos Estados Unidos, no entanto, não dissiparam as inquietações. A demanda mundial deverá, de fato, aumentar no próximo mês, e os principais fatores que fizeram explodir os preços para mais de 40 dólares por barril não desapareceram. Esses fatores dizem respeito ao contexto geopolítico mundial e, ao mesmo tempo, ao jogo mecânico do mercado.

O peso do Iraque e da Arábia Saudita

Se a situação no Iraque não fosse o que é, e se a Arábia Saudita continuasse protegida dos atentados, evidentemente a explosão dos preços não teria sido tão rápida. No Iraque, a insegurança e as repetidas sabotagens nas instalações petrolíferas fizeram a produção cair para 1,33 mbpd (milhões de barris de petróleo por dia) em 2003, em comparação aos 2,12 milhões mbpd em 2002, ano que precedeu a última guerra. Apesar de uma alta para 2,3 mbpd em maio de 2004, a produção continua bem aquém dos níveis de 1999-2001.

Por outro lado, os contratos negociados ou assinados, pelo regime deposto, com várias empresas internacionais, com o objetivo de explorar novas jazidas, e dobrar a produção em um prazo de seis a oito anos, foram congelados. Quanto à Arábia Saudita, principal exportador de petróleo do mundo, os atentados que ali se sucederam – principalmente aqueles que visavam um complexo petroquímico e zonas petroleiras – provocaram um choque.

O aumento completamente inesperado dos preços até se acelerou no início da primavera de 2004, ou seja, exatamente no período em que a demanda mundial registrou uma baixa sazonal

A multiplicação desses atentados levou naturalmente ao temor de sua repetição na Arábia Saudita, no Iraque ou em outros lugares no Golfo que tivessem como conseqüências possíveis perturbações ou interrupções mais ou menos longas das exportações. A grande diferença em relação ao que se passou em 1973 ou em 1979 é que, atualmente, não se trata de um embargo decidido por governos estabelecidos ou de uma mudança de regime político (como no Irã após a revolução islâmica), mas de ações terroristas completamente invisíveis, cometidas por grupos sem cara. E o que é pior: as ameaças de desestabilização que o regime saudita enfrenta desde então colocam em questão a possibilidade desse país continuar a desempenhar seu papel preponderante na satisfação das necessidades mundiais de petróleo.

“Prêmio de risco”

De maneira geral, as tensões provocadas pela degradação da situação no Iraque e na Arábia Saudita são, em grande parte, responsáveis pela última alta dos preços, considerada “prêmio de risco”. Esse último, avaliado entre 6 e 10 dólares por barril conforme as circunstâncias, compreende tanto a alta dos custos do seguro quanto as quedas das compras especulativas nos mercados a prazo para as quais os bancos de investimento destinaram dezenas de bilhões de dólares.

As tensões geopolíticas e as compras especulativas, na realidade, ampliaram um movimento de alta que fixa suas raízes na evolução da oferta e da demanda. Em relação a isso, três principais fatores merecem ser enfatizados.

O primeiro, que se tem tendência a esquecer, diz respeito ao impacto dos conflitos étnicos e das greves na Nigéria na produção petrolífera daquele país, A greve que paralisou a indústria de petróleo na Venezuela em 2003 também levou a uma grande queda da produção petrolífera nesse país.

As ameaças de desestabilização que o regime saudita enfrenta colocam em questão a possibilidade desse país continuar a desempenhar seu papel na satisfação das necessidades mundiais de petróleo

O segundo reside nos gargalos de estrangulamento da refinaria nos grandes países consumidores. No âmbito mundial, e em resposta os sub-investimentos dos últimos anos, atualmente a capacidade não ultrapassa 83,6 mbpd, um pouco mais que o pico de 82,5 mbpd da demanda registrada em fevereiro de 2004. Além disso, a estrutura dessa capacidade não é mais adaptada à evolução das necessidades de produtos refinados. É sobretudo o caso dos Estados Unidos, que consomem nada menos que 9,6 milhões de barris por dia, e em que a falta de gasolina começou a se manifestar desde o início da driving season2 em maio, provocando ao mesmo tempo uma enorme elevação dos preços. O aumento dos preços dos produtos refinados naturalmente levou à alta dos preços do petróleo bruto.

O terceiro fator foi a decisão, anunciada em 10 de abril pela OPEP, de reduzir seu teto de produção para 23,5 mbpd e os vivos protestos que esta suscitou nos países industrializados, provocando um aumento das tensões e acentuando a alta dos preços. No entanto, os países da OPEP não reduziram sua produção efetiva, e a oferta global continuou então suficiente para cobrir a demanda.

Jogo de esconde-esconde

Eis o que ilustra a opacidade das estatísticas que circulam a propósito dos dados do mercado petroleiro. Por mais surpreendente que possa parecer, os países membros da OPEP não divulgam cifras sobre sua produção efetiva a não ser com muitos meses de atraso. O que leva à confusão entre suas cotas teóricas de produção e sua produção efetiva que, geralmente, ultrapassa as cotas. Operadores e observadores entram, então, em um curioso jogo de esconde-esconde através do exercício bem difícil, que consiste em acompanhar os movimentos dos navios petroleiros que saem dos portos de carregamento e em se dirigir a fontes secundárias a fim de avaliar, tanto quanto possível, o volume do petróleo produzido diariamente pelos países exportadores.

A falta de transparência não diz respeito apenas aos dados reais da produção. Ela dificulta também o problema da capacidade de produção e de evolução da capacidade não-utilizada nos diferentes países exportadores. Trata-se de uma questão que se torna particularmente crucial quando a capacidade não-utilizada é fraca, como acontece atualmente.

Segundo as estimativas mais confiáveis, a capacidade não-utilizada é da ordem de 2,5 a 3 mbpd no mundo, a maior parte dela na Arábia Saudita, enquanto os países que não são membros da OPEP, assim como a maior parte dos países membros, produzem em regime pleno. Bastaria, então, uma perturbação maior nas exportações sauditas ou iraquianas, uma greve ou um acidente em qualquer um dos principais países exportadores para provocar um déficit da oferta e um novo acesso de febre no mercado. Esse risco também contribuiu para a última alta dos preços, principalmente porque a retomada esperada da demanda mundial na segunda metade desse ano prejudicará a fraca capacidade ainda disponível.

Buraco negro nas estatísticas

Há suspeitas relativas aos dados publicados sobre as reservas comprovadas e a confiabilidade das projeções no médio e longo prazo, que baseiam-se na oferta e na demanda globais

Há um outro grande buraco negro nas estatísticas sobre o petróleo: as suspeitas relativas aos dados publicados sobre as reservas comprovadas e a confiabilidade das projeções no médio e longo prazo, que baseiam-se na oferta e na demanda globais. Quando uma empresa internacional, cotada na bolsa como a Shell, efetua no espaço de poucos meses revisões em baixa de cerca de um quarto de suas reservas, não é de espantar que se manifestem perguntas a propósito das cifras publicadas por outras empresas privadas.

Mais graves são as dúvidas que, há anos, suscitam as estatísticas oficiais sobre as reservas comprovadas da Rússia e dos principais países membros da OPEP. Pois as reservas consideradas comprovadas não são verificadas por órgãos independentes. O problema é muito grande: as das oito principais empresas nacionais dos países da OPEP são, em princípio, de 662 bilhões de barris, em comparação a somente 57 bilhões de barris detidos pelas oito maiores empresas internacionais. A recente controvérsia suscitada pelo relatório Simmons3 a propósito do estado das jazidas sauditas e das reais possibilidades de desenvolvimento das reservas da Saudi Aramco, que representam cerca de um quarto do total mundial, exacerbou as inquietações.

Diante de uma demanda mundial que deverá passar de 80,3 mbpd, em 2004, para cerca de 120 mbpd no horizonte de 2025, ou seja, mais do dobro do nível de trinta anos atrás, a oferta vai poder acompanhar? A maior parte dessa última pode ser garantida somente pelo Oriente Médio, cuja produção deveria então mais que dobrar nesse meio tempo para evitar a penúria. No médio prazo, os obstáculos são de natureza essencialmente política, isto é, a necessidade de um clima favorável a investimentos colossais avaliados em cerca de 27 bilhões de dólares por ano nessa região. Estamos bem longe disso. Em um prazo mais longo, a grande incógnita, no Oriente Médio e em outros lugares do mundo, diz respeito à data que marcará, em um país após outro, o pico da produção e o início de seu irreversível declínio.

Temporada de caça

Os debates que se deram na Conferência Internacional organizada no último mês de maio em Berlim pela Association for the Study of Peak Oil (ASPO) [Associação para o estudo do pico do petróleo] não são tranqüilizadores. Quaisquer que sejam os pontos de vista das duas escolas ditas “otimistas” e “pessimistas”, as descobertas são poucas e cada vez menos importantes: uma única jazida gigantesca (Kashagan, no Casaquistão) foi descoberta durante os últimos trinta anos, e as novas descobertas não compensam o petróleo extraído anualmente. Como disse tão bem um geólogo, a exploração petrolífera tornou-se igual às temporadas de caça em que os progressos tecnológicos permitiram ao caçador melhorar o desempenho de seus fuzis, mas a presa torna-se cada vez menor e mais rara.

Uma única jazida gigantesca (Kashagan, no Casaquistão) foi descoberta durante os últimos trinta anos, e as novas descobertas não compensam o petróleo extraído anualmente

Outra realidade a salientar: de 2001 a 2025, o grande aumento das necessidades mundiais e o declínio das reservas e da produção nos países industrializados farão a dependência dos Estados Unidos em relação ao ouro negro importado passar de 55,7% para 71%, a da Europa ocidental de 50,1% para 68,6% e a da China de 31,5% para 73,2%, sem esquecer os outros países consumidores. Essa dependência crescente, em uma área tão vital como a de energia, explica a “guerra pelo petróleo” em que entram as grandes potências e suas empresas petrolíferas para controlar as reservas do Oriente Médio, da África4 ou da Ásia Central, sem esquecer a última guerra do Iraque5.

Esgotamento lento e inexorável

Portanto, não é sem motivos que a interpretação da última alta dos preços é polêmica: não se trata do sinal precursor de um grande choque que poderia ser provocado, mais cedo ou mais tarde, devido à inadequação entre necessidades, que aumentam em um ritmo intenso, e a capacidade de produção que perde o fôlego?

O desenvolvimento dessa capacidade nos próximos anos depende tanto da estabilidade política, sobretudo no Oriente Médio, quanto do volume de reservas ainda disponíveis. Em um prazo mais longo, o esgotamento – lento, mas inexorável – de reservas torna cada vez mais inevitável a transição progressiva para fontes de energia diferentes do petróleo.

Além da estabilidade política, essa transição exige preços da energia suficientemente atraentes para tornar possíveis investimentos energéticos mundiais avaliados pela Agência Internacional de Energia em 16 480 bilhões (de dólares, em 2000) no período de 2001 a 2030, tanto nas indústrias petrolíferas e de gás de cozinha quanto para o desenvolvimento de outras fontes de energia. Nesse sentido, pode-se dizer que os temores suscitados pela última alta de preços do petróleo são salutares, uma vez que perturbam a anestesia quase geral resultante de uma oferta, até aqui, mais que suficiente e dos preços do petróleo que não ultrapassam atualmente, em dólar constante, seu recorde de 25 anos atrás.

(Trad.: Wanda Caldeira Brant)

n trm

1 - A OPEP comprende onze países: Arábia Saudita, Iraque, Irã, Kuwait, Catar, Emirados Árabes Unidos, Argélia, Líbia, Nigéria, Venezuela e Indonésia.
2 - Época do ano em que há um considerável aumento dos automóveis nas estradas, graças a uma estabilidade do clima com o final do inverno e a chegada da primavera em abril. (N.T.)
3 - Matthew Simmons, que preside o banco de investimentos Simmons& Cia, conselheiro do vice-presidente americano Richard Cheney e que inspirou a nova política energética dos Estados Unidos.
4 - Ler, de Jean-Christophe Servant, Offensive sur l’or noir africain, Le Monde diplomatique, janeiro de 2003.
5 - Ler, de Yahya Sadowski, Vérités et mensonges sur l’enjeu pétrolier, Le Monde diplomatique, abril de 2003.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Arábia Saudita
» Petróleo
» Aumento do Consumo das Matérias Primas
» Crise do Petróleo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos