Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Obésité, mal planétaire

» Etats et entreprises à l'assaut de la vie privée

» Au Proche-Orient, des frontières sans nations

» Agriculture : traire plus pour gagner moins

» Petits secrets entre amis à Sciences Po

» Alexeï Navalny, prophète en son pays ?

» Dissoudre pour mieux régner

» La Commune prend les murs

» La gauche, histoire d'un label politique

» Peter Watkins filme la Commune


Edição em inglês


» Britain's outsourcing scandal

» In Iraq, breaking up is hard to do

» The UAE's seven emirates

» Sahel: shifting enemies, enduring conflict

» How much of a threat is Alexey Navalny?

» Myanmar's military coup

» France cosies up to the UAE

» Little Sparta: the growing power of the UAE

» Little Sparta: the growing power of the UAE

» France's unwinnable Sahel war


Edição portuguesa


» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas

» Um jornalismo de guerras culturais

» Pagamento com cartão de crédito / PayPal

» Edição de Fevereiro de 2021

» Combates pela igualdade

» "Calem-se!"

» Como reorganizar um país vulnerável?

» Edição de Janeiro de 2021


ALEMANHA

A moda e o mercado

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O fenômeno da ’ostalgia’ cria novas modas – e mercados – no dia-a-dia da população da Alemanha do Leste

Benjamin Wuttke - (01/08/2004)

A ostalgia aparece em vários campos da vida

Cinema O filme Adeus, Lênin, lançado em fevereiro de 2003, com a história de um filho que esconde da mãe (depois que ela sai de um coma) os fatos ocorridos depois da queda do muro, atraiu mais de 6 milhões de espectadores na Alemanha.

Televisão Quatro emissoras produziram em 2003 shows sobre a ostalgia, com antigos astros, produções e histórias da RDA. O da ZDF reuniu 4 milhões de telespectadores.

Programas noturnos Inúmeras discotecas organizam noitadas ostalgicas. Os dez primeiros participantes ganham uma banana. Os que vêm vestidos no estilo da RDA pagam meia entrada. E, em alguns casos, um sósia de Erich Honecker dança um balé masculino.

Posto de gasolina No início de abril foi aberto, em Berlim Oriental, um posto de gasolina Minol – a marca de gasolina da ex-RDA.

Vida cotidiana Sempre em Berlim Oriental, pode-se a partir de agora visitar o apartamento-museu de uma família da RDA dos anos 1980: um imóvel de três cômodos de 61 m2 com sala, banheiro, cozinha, quarto, quarto das crianças e mezanino, todos mobiliados como na época. Ele era alugado por 109 marcos orientais.

Viagem De agora em diante, é possível fazer um tour de três horas para Berlim Oriental, de Trabant, por 29 euros por pessoa: os veículos são equipados com um leitor de DVD que permite encontrar gravações históricas, como a de Walter Ulbricht declarando: "Ninguém tem intenção de construir um muro" (www.trabi-x.de).

Leituras O segundo livro das "melhores piadas da RDA" foi lançado em 2003 (9,90 euros). "Destinado aos leitores dos antigos Länder, que se interessam pelos segredos da Alemanha Oriental", segundo o material de propaganda do editor, Wewos (www.ddr-witze.de).

Gastronomia É possível fazer compras de supermercado como na RDA graças ao site www.ossiversand.de, que oferece um sortimento de produtos de marcas alemãs orientais – do schnaps aos preservativos. A onda da Ostalgia aumentou seu consumo em mais de 80%, dos quais quatro quintos nos antigos Länder.

(Trad.: Marcelo de Valécio)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Desigualdades Internacionais
» Privatizações
» Alemanha

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos