Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 29 de novembro de 2021

» Breve nota sobre a futilidade do sucesso

» Paulo Freire e a aposta na comunicação libertadora

» Pochmann: do colonialismo mental ao tecnológico

» 26 de novembro de 2021

» Mundo em desencanto: a alternativa do Comum

» Da tabelinha futebol e literatura sai gol de letra

» A potente imaginação política do Teatro Legislativo

» O tempo de tecer comunidade

» Somos todos cavalos

Rede Social


Edição francesa


» Harry Potter expliqué aux parents

» Revendications et occupations en mer de Chine méridionale

» Le Vietnam

» De la décolonisation à la troisième guerre du Vietnam

» Diaspora vietnamienne

» Vietnam, comparaisons régionales

» La libération inachevée des Afro-Américains

» L'apparition d'un nouveau type d'homme

» Une flammèche obstinée a embrasé la Guadeloupe

» Élection présidentielle américaine : des frontières, pour qui, pour quoi ?


Edição em inglês


» Iraq's great divides

» China is open for investment

» Colonial accountability in Niger

» In search of luxurious communism

» November: the longer view

» The carbon balance

» CO2 emissions around the world

» What's in a phone?

» If only Assange had been Navalny

» India's silent but deadly killer


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2021

» O tecto de vidro europeu

» E a Grécia volta a ser exemplar

» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul


AMÉRICA CENTRAL

Prisões da morte

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Sob a guarda do Estado e a vigilância da polícia, dezenas de jovens morrem em situações atrozes nos cárceres hondurenhos

Raphaëlle Bail - (01/08/2004)

Surgiu uma nova acusação contra o Estado hondurenho: os mortos em prisão. Dezenas de jovens suspeitos e encarcerados morreram em condições obscuras quando estavam sob a vigilância da polícia e dos guardas de prisão1 . Esse fenômeno que, no início, não comoveu muita gente, pareceu chegar a um beco sem saída em abril de 2003, no centro penal de El Porvenir, perto da cidade de La Ceiba, do lado do Atlântico. Nesse dia, 58 detentos, praticamente todos membros da Mara 18, foram mortos queimados vivos ou abatidos em condições que a justiça acaba de elucidar.

A culpa da polícia e dos militares aparece agora, claramente, no que se parece com um massacre coletivo

A despeito de uma versão oficial falando de confrontos entre pandilleros (armados até os dentes, quando estavam presos...) e um repentino começo de incêndio numa célula, a culpa da polícia e dos militares aparece agora, claramente, no que se parece com um massacre coletivo. As autoridades guardiãs dos locais teriam provocado uma batalha entre duas gangues rivais para poder liquidar esses jovens com total impunidade. Antes de deixar suas funções, em março de 2003, o procurador-geral Roy Medina denunciou cerca de cinqüenta pessoas, pertencentes majoritariamente às forças de manutenção da ordem. Nenhuma delas foi suspensa.

Depois da vigência da lei anti-Mara, aprovada pelo Congresso em julho de 2003 (leia, nesta edição, “Guerra contra os pobres”, de Raphaëlle Bail), a população dos centros penitenciários explodiu em virtude dos milhares de jovens presos por pertencerem a pandillas. A prisão de San Pedro Sula, segunda cidade do país, a 240 quilômetros ao norte da capital, tem capacidade para 800 prisioneiros. Abrigava 2.200, quase três vezes mais, quando ali se iniciou um incêndio, no último 17 de maio. Nesse dia, 103 detentos, dos quais a maioria pertence à Mara Salvatrucha, morreram em condições atrozes. Vários sobreviventes acusaram as autoridades de não os terem socorrido e de os terem mantido fechados quando o sinistro se desencadeou. Esses depoimentos foram confirmados pelo bispo auxiliar de San Pedro Sula, D. Romulo Emiliani, que afirma ter recebido informações: “Durante mais de uma hora, os prisioneiros suplicaram que lhes abrissem as portas das células2.” Sem resultado.

(Trad.: Iraci D. Poleti)

1 - Segundo a ONG Casa Alianza, 59 jovens de menos de 23 anos de idade foram assassinados em centros de detenção, entre maio de 2002 e março de 2004.
1 - BBC, Londres, 19 de maio de 2004.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Honduras
» Tortura
» Terrorismo de Estado
» América Latina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos