Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma caminhada na cidade dos não-confinados

» O dinheiro que não existia reaparece

» Bolsonaro recuou. Por quê?

» China: as lições da pandemia e o depois

» Brasil: a insanidade vai muito além de Bolsonaro

» Vigilância em tempos de educação à distância

» Todos escrevem ao Presidente

» Mapas do coronavírus: desafios e direções

» Três medidas de emergência contra a crise social

» Shaheen Bagh: muçulmanas contra a xenofobia na Índia

Rede Social


Edição francesa


» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi

» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général

» La citoyenneté au bord du gouffre

» À nos lecteurs


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


COMUNICAÇÃO

A expansão da imprensa alternativa irreverente

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Diante da extinção do pluralismo1 , publicações modestas tentam voltar a dar ao jornalismo algum colorido e alguns valores. Sob as mais variadas formas, os pequenos jornais independentes defendem a ambição de sempre preferir a sátira à reverência

Philippe Descamps - (01/09/2004)

São dezenas de jornalistas, amadores e profissionais, que tentam a aventura da independência, como no jornal de bairro, L’Ami du 20e, que circula desde 1946

“A imprensa mente muito, isso é sabido. É grave. Menos grave, no entanto, do que esse flagelo que atinge milhões de pessoas sem que isso mexa com uma palha no microcosmo parisiense2 .” Semanalmente, em Villeneuve-sur-Lot, Anne Carpentier e seus colegas atormentam, nas páginas de La Feuille, oficiais de justiça, banqueiros, políticos corruptos ou patrões salafrários que impõem essa “taxa sobre a miséria agregada” atingindo operários demitidos, agricultores arruinados e microempresas abandonadas. Desde 1976, esse jornal, com uma circulação de 5 mil exemplares, coloca suas colunas a serviço dos leitores “à beira de um ataque de nervos” numa região tão minada pelas desigualdades quanto tantas outras.

São dezenas de jornalistas, amadores e profissionais, que tentam a aventura da independência3 . Desde um jornal de bairro, como L’Ami du 20e, que circula desde 1946, aos de pequenas comunas ou cantões, como L’Oursaint ou Le CANeTON déchaîné, e aos regionais ou mesmo nacionais, como i ou Liquidation totale, todos eles se entregam a um movimento de espontânea gozação para, afinal, ser possível ler coisas sérias. Muitos deles exploram temas abandonados: La Vache qui lit/i< pretende divulgar romances e filmes policiais de que ninguém fala, Brisons nos chaînes propõe um olhar “dissidente” sobre a televisão, os gozadores de PLPL apuram as tramóias de um partido da imprensa e do dinheiro (Parti de la Presse et de l’Argent), La Décroissance defende uma atitude solidária contra a “propaganda publicitária”. Todos eles deixam de lado matérias sobre esporte ou polícia, exceto quando estas envolvem aspectos sociais.

“Dar a palavra a quem não tem”

As equipes podem ser muito reduzidas, como os dois colaboradores do Mouton fiévreux, de Laval, que publica, seis vezes por ano, um panfleto progressista de trinta e duas páginas numa das regiões mais conservadoras da França. Na região do Auvergne, La Galipote reúne cerca de sessenta colaboradores. E quando propõem um dossiê sobre transgênicos (organismos geneticamente modificados), o leitor dispõe de cerca de trinta textos em quinze páginas, com abordagens e esclarecimentos tanto locais, quanto internacionais.

n te

Os jornalistas dessas publicações têm opiniões variadas, mas não querem fazer uma imprensa editorializada, de comentários. Se concentram nos fatos

“Dar a palavra a indivíduos, ou grupos, que não a têm” é o refrão de La Mée socialiste, de Chateaubriand (departamento de Loire-Atlantique). A equipe pretende dar o direito de expressão às pessoas que têm dificuldade para escrever ou não o podem fazer sem correr o risco de represálias na empresa em que trabalham. Le Ravi é um jornal que nasceu em Marselha, a partir da necessidade de um grupo de sociólogos e de sua frustração diante da pobreza de informações que circulam nas regiões de Provence e Côte d’Azur. “Existe uma incapacidade de explicar por completo algumas questões”, explica Étienne Ballan, mencionando, por exemplo, “os impasses da imprensa local diante do clientelismo”.

Estes leitores insatisfeitos consideram a imprensa muito indulgente para com as instituições e muito indiferente em relação à condição humana. Os jornais independentes nascem devido a uma necessidade de expressão, mas também de informação. Em Montreuil, quando o programa “Enviado Especial”, realizado pela emissora France 2 em junho de 2004, investigava “a escalada do anti-semitismo”, o jornal Le Poivron reuniu depoimentos para demonstrar a “manipulação” e a injusta difamação de um colégio. Em Nantes, a publicação La lettre à Lulu divulgou a coluna “Top 44”, atribuindo uma pontuação aos caciques da região em função do número e do destaque de suas fotos na imprensa local.

Só fatos sociais e locais

Os jornalistas dessas publicações têm opiniões variadas, mas não querem fazer uma imprensa editorializada, de comentários. Sua motivação decorre da capacidade de veicular informações que não podem ser lidas em qualquer outro lugar. “Fatos, só fatos, sociais e locais”, martela François Ruffin. Ao publicar uma reportagem sobre o hospital psiquiátrico de Amiens, o jornal Fakir espera também refletir o estado da psiquiatria na França.

“Fazia falta, e talvez continue fazendo, um jornal polêmico, com informação”, explica Olivier Cyran. A equipe de CQFD considera que discute o movimento social com liberdade total, inclusive mexendo com certos ícones do movimento de contestação da globalização liberal. A publicação, mensal, também teve origem, segundo François Maliet, numa leitura crítica da imprensa militante: “A denúncia da indignação pode se tornar maçante. O mundo já não tem nada de engraçado. Pode se falar do assunto, mas com um certo distanciamento, sem procurar a auto-comiseração.”

A seriedade do humor

“Fazia falta, e talvez continue fazendo, um jornal polêmico, com informação”, explica Olivier Cyran

Quanto mais significativo o assunto, mais dá lugar à ironia. As charges, raras e com pouco espaço nos jornais diários, reencontram sua liberdade na imprensa independente. “Elas sintetizam, numa imagem desconcertante de sentimentos confusos, aquilo que uma torrente de palavras não conseguiria circunscrever. Transformam um simples berro num espetáculo de fogos de artifício”, dizia La Galipote por ocasião de seu 25º aniversário, comemorado com uma edição exclusivamente de desenhos.

“O humor, as charges e a sátira são indissociáveis da seriedade da informação. A passagem à informação deve ser feita graças ao humor”, explica Michel Gairaud, do jornal Ravi. Já Nicolas de la Casinière, de Lettre à Lulu, afirma: “Não existe um comentário subentendido ou um delírio infantil sem uma informação que o sustente. Por outro lado”, acrescenta, “um pouquinho de má fé não prejudica ninguém. Lulu é um jornal mal-comportado, uma espécie de pivete abusado que diz em voz alta coisas que nem sempre são agradáveis de serem ouvidas.”

Prova de fé no jornalismo

Embora todos eles sejam críticos, quando comparados com os profissionais dos jornais comuns, os redatores dessa imprensa diferente e satírica fazem, de maneira geral, uma verdadeira prova de fé no jornalismo. Acreditam, com sinceridade, que a publicação de determinado tipo de informações sólidas representa um progresso para a democracia.

Apesar do crescimento das vendas de Satiricon (5.500 exemplares), Pierre Samson receia não ter energia suficiente para manter o moral de sua equipe por muito tempo. Muitos jornais independentes desaparecem devido ao cansaço, ou por desentendimentos entre o pequeno grupo que o dirige. No entanto, muitas de suas aventuras persistem. O tempo de existência de todas essas publicações é, muitas vezes, maior do que o de muitos jornais ortodoxos que superestimam seu potencial de venda e de anúncios.

“O humor, as charges e a sátira são indissociáveis da seriedade da informação. A passagem à informação deve ser feita graças ao humor”, explica Michel Gairaud

“O trabalho voluntário é uma dificuldade. Mas também é a fonte de nossa força. A força de nossas convicções”, afirma a equipe de La Mée. Trabalhando desde 1972, a redação desse jornal consegue a façanha de editar um semanário de doze a dezesseis páginas, bem informado, sem qualquer remuneração. Todas as noites de sexta-feira, os principais artigos são relidos por seis pessoas. A diagramação e a impressão são feitas nos finais de semana.

Coletivo de voluntários

A imprensa independente baseia-se, fundamentalmente, num coletivo de voluntários. Pesquisando entre cerca de trinta títulos (com uma circulação que varia de 80 a 40 mil exemplares), constata-se que apenas dois são editados por empresas formalmente registradas e menos da metade têm condições de remunerar parte da equipe. Além do mais, a maioria é contratada mediante contratos incentivados pelo governo4 . La Feuille, de Villeneuve-sur-Lot, é o único jornal que dispõe de uma equipe de seis pessoas totalmente assalariadas.

Entretanto, é cada vez maior o número de jornalistas profissionais que se interessa por esse tipo de imprensa. Egresso do prestigioso Centro de Formação de Jornalistas (CFJ), sobre o qual escreveu um livro revelando os bastidores5 , François Ruffin voltou para Amiens, retomando seu trabalho no jornal Fakir. Michel Gairaud acaba de ser contratado pelo jornal Le Ravi após ter estudado no Centro Universitário de Ensino de Jornalismo de Strasbourg e ter vivido uma longa experiência na imprensa nacional (La Croix e Témoignage Chrétien). Após sua formatura, Olivier Cyran trabalhou dez anos no semanário Charlie Hebdo antes de participar do CQFD, onde trabalha atualmente. Lettre à Lulu conta com a participação de correspondentes nacionais. Vários jornalistas da imprensa regional colaboram, abertamente ou de maneira discreta, com os jornais Satiricon, Le Ravi e La Galipote, muitas vezes para divulgarem matérias censuradas ou que suas próprias redações consideram irrelevantes. Outros, como Guy Nanteuil, vindo do Sud-Ouest, gostariam de participar de La Feuille.

Na redação do CQFD, pretendem lutar contra a hierarquia. Não existe editor. Três jornalistas participam, em tempo quase integral (apenas um é remunerado), da Comissão de Redação e têm um mandato de “releitura”. “De qualquer maneira, teríamos que enfrentar o trabalho precário”, explica François Maliet. “Pretendemos, eventualmente, mudar essa situação. Mas somos bastante críticos em relação a salários; uma ajuda de custos seria o suficiente.”

A falta das grandes reportagens

A denúncia da indignação pode se tornar maçante. O mundo já não tem nada de engraçado. Pode-se falar do assunto, sem procurar a auto-comiseração

Michel Gairaud, único jornalista remunerado da redação de Le Ravi, vê alguns limites no modelo associativo: “Nossa liberdade real, do ponto de vista editorial, é freada por nossos compromissos diários, que restringem nosso trabalho de investigação” Etienne Ballan tem a esperança de reunir jornalistas que tenham condições de investir vários meses para levantar uma reportagem, oferecendo-lhes espaço para publicar as matérias mediante remuneração. Bruno Jalabert, um veterano do jornal La Cuvette, de Grenoble, acredita numa “exceção da informação”. Sonha com um estatuto específico para o jornalismo, com o qual fosse permitido aos free lancers lançarem-se a reportagens de fôlego.

As assinaturas (que variam de 5% a 80% das vendas, conforme o jornal) permitem garantir um mínimo de dinheiro em caixa para organizar a redação e a gráfica. Mas, acima de 500 ou mil exemplares, a circulação é feita em bancas de jornal. Para os novatos, a venda em banca, embora indispensável, muitas vezes tem que ser acompanhada pela venda avulsa, em mesas de bar ou durante eventos, que têm que ser acompanhados. Para garantir a maior presença possível, deve se contar com um encalhe alto e saber ganhar no papo os donos das bancas. Também é importante ter visibilidade nas livrarias maiores, que vendem jornais e revistas. O jornal CQFD, por exemplo, que tem circulação nacional, mobilizou seus leitores para verificarem se as pilhas de jornais não ficavam esquecidas em algum canto.

Um jornal também se deve impor um mínimo de disciplina para atender às expectativas de seus leitores. Estar inscrito na Comissão Paritária, que permite tarifas postais preferenciais e diminuição dos encargos fiscais (TVA de 2,1%), assim como recompensar quem publique pelo menos um número por trimestre6 .

Os riscos com a Justiça

O recurso à publicidade continua raro. Os anunciantes, de maneira geral, preferem as publicações insossas. Embora La Feuille tenha conseguido atingir 60% de seu faturamento graças à publicidade, os primeiros resultados verificados com a distribuição demonstraram que perdera seus principais clientes: “Quanto menos publicidade temos, maior é o número de leitores”, garante Anne Carpentier.

n em

Muitos jornais independentes desaparecem devido ao cansaço, ou por desentendimentos entre o pequeno grupo que o dirige, mas suas aventuras persistem

No dia 2 de julho de 2004, despencou a lâmina da guilhotina sobre o jornal Pumpernickel. O tribunal condenou seu redator Antoine Michon por difamação contra o prefeito de Wissembourg, Pierre Bertrand. Em primeira instância, ele fora punido com uma multa de 600 euros (cerca de 2.300 reais) com direito a sursis. Desta vez, entretanto, a multa, os custos por perdas e danos e as despesas judiciais chegaram a 5.350 euros (mais de 20 mil reais), o que equivale às despesas acumuladas do jornal desde sua fundação, há nove anos7 .

Mesmo com uma tiragem tão limitada quanto os 750 exemplares do jornal de Wissembourg, a imprensa alternativa tem que defender freqüentemente sua independência na justiça. O nanico Dauphin libre, com algumas dezenas de leitores, foi condenado por concorrência injustificável pelo gigante Dauphiné libere, com suas centenas de milhares de exemplares. Teve que abrir mão do título, tornando-se Cétacé libre.

Avalanche de processos

Muitos jornais foram, ou estão sendo, processados por difamação (Fakir, Tonic, Le Ravi, La Lettre à Lulu, La Mée, CQFD etc.). Os primeiros processos podem desestabilizar redações pouco acostumadas com ações judiciais. Com apenas um ano de existência, Le Ravi teve que explicar a um juiz, no mês de setembro, por que havia comparado o prefeito de Menton com o ex-prefeito de Cannes8 . Antes das eleições municipais de 1995, o desenhista Pierre Samson quis publicar um jornal para romper com o consenso que prevalecia na cidade de Toulouse. Satiricon deu o azar de criticar o prefeito, Dominique Baudis, que exigiu uma multa de 50 mil francos por um texto que gozava do serviço social da cidade. O jornal foi forçado a continuar existindo para pagar a multa. Existe até hoje e continua tendo que publicar as informações e os trâmites judiciais envolvendo, justamente, aquele serviço social...

Às vezes, as exigências de indenizações e juros são tão grandes que podem levar um jornal ao fechamento. Marc Gentilini, por exemplo, presidente da Cruz Vermelha, reivindica uma indenização de 35 mil euros (mais de 130 mil reais) por parte do “jornal de desempregados” CQFD, embora já tenha manifestado seu direito de resposta9 . “Num processo, quando a gente perde, perde tudo e quando ganha, não ganha nada”, diz François Ruffin, preocupado. O jornalista do Fakir ganhou, em primeira instância, o processo que lhe moveu o chefe da agência local do Courrier Picard, que não gostou de ter sido caricaturado como bajulador e exigia uma indenização de 30 mil euros (115 mil reais) 10 .

A avalanche de processos contra a imprensa independente revela sua capacidade de acertar o alvo e incomodar

A avalanche de processos contra a imprensa independente chama mais a atenção porque as ações judiciais são raras na imprensa regional – e excepcionais, no caso do rádio e televisão. Isso é menos revelador da inexperiência, por parte dos jornais independentes, do que de sua capacidade de acertar o alvo e incomodar. Pois muitos desses processos são ganhos. Os jornalistas que não fazem concessões aprendem mais rapidamente que os outros a verificar e confirmar suas informações. De 1976 até hoje, La Feuille foi processado vinte vezes e seu advogado, Michel Zaoui, ganhou dezoito dessas ações. Leitores do jornal compareceram várias vezes perante o tribunal, em sua defesa. Atualmente, as ações judiciais são mais raras. La Feuille conseguiu se fazer respeitar e impôs seu tipo de jornalismo. “Ao adotar um tom mordaz e pouco respeitos para com as autoridades, devemos estar preparados para todo tipo de ameaças”, conclui Nicolas de la Casinière, de Lettre à Lulu. Seu jornal já ganhou quatro processos.

Isolamento da dissidência

O isolamento da dissidência também se manifesta pelo silêncio dos colegas. As informações da imprensa independente raramente são analisadas pela imprensa regional. “Ninguém discute nossas matérias no âmbito local, o que é uma prova de qualidade”, ironiza Pierre Samson. Com um olhar mais distante, a imprensa nacional mostra-se, às vezes, mais amigável. Os jornalistas da imprensa tradicional, ou empregados do serviço público, ou dos grandes jornais regionais, queixam-se de não terem tempo, nem recursos, para fazer reportagens como aquelas... que produzem os voluntários. Nem sequer procuram verificar informações de interesse geral, quando estas são reveladas por seus colegas “amadores”.

Para romper esse isolamento, vários jornais realizaram um encontro no dia 1º de abril de 2004, em Wissembourg, para dar seu apoio ao Pumpernickel e fazer algumas reivindicações em matéria de direitos de imprensa. Essa primeira reunião, batizada de “Sathiriton”, deverá ter continuidade no ano que vem, em Bayonne. Todos querem demonstrar à sua maneira que é possível fazer um jornal sem capital, sem subvenções, sem “marketing de redação”; exclusivamente por meio da energia de procurar e publicar informações que interessam aos leitores e cidadãos.

“Vida de verdade”

Num momento em que o desencanto se abate com tanta freqüência entre os jornalistas, a independência lhes dá asas: “Curiosamente, não me sinto, de forma alguma, desanimada. Minha cidade não é Paris, minhas reuniões profissionais nunca ocorrem durante as chamadas conferências ‘de imprensa’ – das quais fujo, como da peste, assim como evito qualquer tipo de artigo que envolva a discussão das chamadas questões ‘de imprensa’, que jogo rapidamente no lixo, sem mesmo ler para não sujar os olhos. Coquetéis, inaugurações, lançamentos e discursos não me interessam. O que me interessa? Os bípedes à minha volta. As pessoas de verdade da vida de verdade11 .”

Com 55 anos de idade, Anne Carpentier ainda sabe divertir-se diariamente, em sua pequena cidade da região sudoeste, com seus colegas da Feuille ou com seus leitores. Seu discurso e as inúmeras matérias que apurou e publicou representam uma contribuição mais fértil para novas vocações do que os remorsos do New York Times, as viagens de correspondentes de guerra sem informações ou as matérias fotocopiadas de grandes repórteres a reboque de processos judiciais.

(Trad.: Jô Amado)

1 - No dia 8 de julho de 2004, Serge Dassault tornou-se o novo presidente da Socpresse. Político de direita, ele é dono do grupo Dassault (conhecido também por seus aviões), que já controla Le Figaro e inúmeros jornais regionais, o semanário L’Express, a revista L’Expansion e mais 14 títulos, tornando-se, por meio de sua empresa Socpress, o principal grupo de imprensa diária da França.
2 - Ler, de Anne Carpentier, Petit précis de revolte élémentaire, contre la “taxe sur la misère ajoutée” , ed. Albin Michel, Paris, 2004.
3 - Você poderá encontrar cerca de 30 publicações citadas no site do Monde diplomatique: www.monde-diplomatique.fr A revista Silence atualiza, a cada dois anos, um “anuário da imprensa diferente”, com amplo destaque para os assuntos de cunho ecológico: http://www.revuesilence.net/
4 - Para combater o desemprego, o governo francês incentiva financeiramente empresas e assalariados (algo do tipo do "primeiro emprego" no Brasil), com isenções fiscais.
5 - Ler, de François Ruffin, Les petits soldats du journalisme, ed. Les Arsènes, Paris, 2003.
6 - O site da Direction du Développement des Médias, vinculado ao gabinete do primeiro-ministro, divulga as condições determinadas pela Comissão Paritária das publicações e agências noticiosas (CPPAP): www.ddm.gouv.fr
7 - Leia, na íntegra, as informações sobre o caso no site: pumper.nickel@laposte.net
8 - Leia a edição nº 5 no site: www.leravi.org
9 - A audiência está marcada para o próximo dia 16 de novembro perante a câmara correcional do tribunal de Paris. Os artigos em questão e a resposta de Gentilini poderão ser lidos no site: www.cequilfautdetruire.org
10 - Após a audiência de 9 de junho de 2004, o tribunal de Paris irá julgar o recurso no próximo dia 15 de setembro. Para uma informação detalhada, veja o site: www.fakirpresse.info
11 - Petit précis de révolte élémentaire, op. cit.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Imprensa Contra-hegemônica
» Reinvenção da Democracia
» Resistências ao Neoliberalismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos