Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Offensive sur l'or noir africain

» Un Syrien sur cinq a quitté son pays

» Gramsci, un rayonnement planétaire

» L'ENA tentée par la philosophie des affaires

» Éloge du rire sardonique

» L'abstention gagne les classes moyennes

» Qui veut encore financer la presse ?

» L'unité de l'Algérie

» Créatrices et minotaures

» Absence d'enquêtes et bagarres de plateau, les recettes de l'information en continu


Edição em inglês


» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger

» Threat to Africa's parks


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


EDITORIAL

O labirinto caucasiano

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Por trás do pesadelo de Beslan, está a força mais importante da história moderna: o nacionalismo. O islamismo radical e suas novas e detestáveis formas de terrorismo são apenas instrumentos de várias lutas de libertação nacional

Ignacio Ramonet - (01/10/2004)

Entre todas as energias políticas, o nacionalismo aparece como a mais forte, a mais resistente. É, sem dúvida, a força mais importante da história moderna

Para a Rússia, a partir de agora, há um antes e um depois de Beslan. Como houve, para os Estados Unidos, um antes e um depois do 11 de setembro. O seqüestro maciço de reféns civis do último dia 3 de setembro transformou-se num pesadelo e na matança de cerca de 370 pessoas, entre as quais, umas 160 crianças. Esse novo massacre de inocentes petrificou de horror o mundo que assistiu, estarrecido, à intervenção desastrada e brutal das forças de segurança russas.

Considerando a incrível falha no sistema de segurança e a dimensão delirante da violência desencadeada pelos seqüestradores, Beslan passou a significar, sem dúvida, um marco nas guerras do Cáucaso (leia, nesta edição, o artigo de Jean Radvanyi). É a crise de maiores proporções que enfrenta Vladimir Putin desde que foi eleito presidente. Não se sabe, no entanto, se ele avalia suas dimensões corretamente. No dia seguinte à carnificina, por exemplo, declarou: “Temos que admitir que não compreendemos a complexidade e o perigo dos processos que ocorrem em nosso próprio país e no mundo”. Uma maneira de afirmar que a Rússia, como outros países do planeta, enfrenta um adversário comum, o “terrorismo internacional”, ou, em outras palavras, o islamismo radical, ou ainda, como dizem alguns comentaristas, o “jihad [guerra santa] islâmico mundial”.

A força do nacionalismo

As autoridades russas recusam-se a admitir que o terrorismo e o islamismo que enfrentam não passam de instrumentos do nacionalismo

Trata-se de um erro da mesma natureza, trágica, daquele cometido pelo presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em março de 2003, quando decidiu invadir o Iraque sob o pretexto de combater o terrorismo da al-Qaida. A Rússia, por sua vez, se declara “em guerra”, sugere a volta a um “Estado forte”, precipita-se em tumultuar o sistema político1, reforça os recursos do exército e dos serviços secretos e até fala em “ataques preventivos para liquidar as bases terroristas em qualquer ponto do mundo2”.

As autoridades russas recusam-se a admitir que o terrorismo e o islamismo que enfrentam atualmente, no Cáucaso, não passam de instrumentos, uma vez que o principal problema daquela região é o nacionalismo.

Entre todas as energias políticas, o nacionalismo aparece como a mais forte, a mais resistente. É, sem dúvida, a força mais importante da história moderna – o que pode ser comprovado pela resistência dos palestinos. Nem o colonialismo, nem o imperialismo, nem os totalitarismos conseguiram acabar com ele. A corrente nacionalista não hesita em estabelecer as alianças mais impensáveis para atingir seus fins. Isso é bastante evidente no Afeganistão ou no Iraque, por exemplo, onde o nacionalismo e o islamismo radical se unem para conduzir, por meio de novas formas – particularmente detestáveis – de terrorismo, uma luta de libertação nacional.

Potência sitiada

Uma nova derrota militar russa diante da nebulosa islamita na Tchetchênia poderia ser um rastilho de pólvora no Cáucaso

O mesmo ocorre na Tchetchênia. Ninguém opôs maior resistência à conquista do Cáucaso pelos russos do que os tchetchenos. Essa corajosa luta de oposição data de 1818. E, por ocasião da implosão da União Soviética, em 1991, eles se auto-proclamaram independentes. Isso resultou numa primeira guerra com a Rússia que terminou, em agosto de 1996, com a vitória de uma Tchetchênia exaurida.

Em represália a uma onda de atentados, em outubro de 1999, o exército russo voltou a atacar a Tchetchênia. Esse segundo conflito acabou por arruinar um país já devastado. Moscou organizou eleições locais, colocando, nos postos-chave, personalidades aliadas à sua política. Mas a resistência tchetchena não depôs as armas, os atentados continuaram e a repressão russa continuou feroz3.

O contexto geopolítico em nada facilita as coisas. As autoridades russas se irritam com os vínculos cada vez mais estreitos – econômicos e até militares – que ligam os Estados Unidos a dois países da Transcaucásia, a Geórgia e o Azerbaijão, ambos com fronteiras com a Tchetchênia. E associam esse fato com a recente decisão do presidente George W. Bush de reestruturar as forças armadas norte-americanas, deslocando-as da Alemanha para mais perto da Rússia – Bulgária, Romênia, Polônia e Hungria. Isso reforça, em Moscou, o sentimento de ser uma potência sitiada.

O “segundo Afeganistão”

A recusa a qualquer negociação e a brutalidade da repressão aos tchechenos fabrica terroristas dispostos às loucuras mais criminosas

Em represália, Vladimir Putin manteve, contra o desejo dos governos locais, suas bases militares na Geórgia e no Azerbaijão, reforçou sua aliança com a Armênia, que continua ocupando ilegalmente parte do território do Azerbaijão, e apóia os movimentos separatistas na Abcásia e na Ossétia do Sul.

Incapazes de vencer a Tchetchênia pelas armas, os russos querem mostrar que, na região do Cáucaso, nada pode ser feito sem eles. Continuam obcecados pelo espectro de um “segundo Afeganistão”. Uma nova derrota militar diante da nebulosa islamita na Tchetchênia seria ainda mais humilhante (a população tchetchena não chega a um milhão); isso poderia ser um rastilho de pólvora no Cáucaso e transformar-se em nova desagregação territorial. Daí a recusa em aceitar qualquer tipo de negociação ou o reconhecimento do direito à autodeterminação. E a brutalidade da repressão, por sua vez, fabrica terroristas dispostos às loucuras mais criminosas.

(Trad.: Jô Amado)

1 - Putin anunciou a suspensão de eleições por sufrágio universal dos governadores das 89 regiões da Rússia, que serão designados pelos Parlamentos locais de acordo com sugestões feitas pelo presidente da Federação.
2 - International Herald Tribune, 9 de setembro de 2004.
3 - Ler, de Anna Politkovskaia, Tchétchénie, le déshonneur russe, ed. Buchet-Chastel, Paris, 2004.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Fundamentalismo
» Islamismo
» Terrorismo
» Rússia
» Tchetchnia

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos