Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma semana contra o Capitalismo de Desastre

» Na Argentina, algo além de Macri começa a cair

» Transportes: a atualidade da Tarifa Zero

» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

Rede Social


Edição francesa


» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour

» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil

» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation


Edição em inglês


» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


GLOBALIZAÇÕES

A metamorfose da propriedade da terra

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Desde a colonização francesa e apesar da nova legislação fundiária, aprovada em 2001, as leis e as práticas em relação à terra impedem os pobres do Camboja de terem acesso de fato à propriedade jurídica, mantendo sua vulnerabilidade à expulsões

Sébastien de Dianous - (01/10/2004)

Os franceses introduziram a propriedade privada no fim do século XIX e se apoderaram de maneira arbitrária de grandes domínios agrícolas e florestais

Antes da colonização francesa, a terra no Camboja pertencia somente ao rei. Os camponeses tinham o direito reconhecido de uso e de usufruto da propriedade que beneficiava qualquer um que cultivasse o solo. Esta propriedade não podia ser tirada de quem a explorava. A abundância de terras cultiváveis e uma pequena população desencadeavam raros conflitos de terra.

Os franceses introduziram a propriedade privada no fim do século XIX e se apoderaram de amaneira arbitrária de grandes domínios agrícolas e florestais. Este estatuto da propriedade da terra foi mantido depois da independência, sob o reinado, e a especulação continuou mas sem provocar tensão. A população nunca ultrapassou os 7 milhões de habitantes e as terras continuavam sempre disponíveis em abundância1.

Com o Khmer Vermelho no poder, entre 1975 e 1979, qualquer forma de propriedade da terra deixa de existir. Os deslocamentos maciços e contínuos da população, os massacres perpetrados contra os “inimigos” provocaram uma desorganização social dramática na região rural.

O modelo vietnamita

O regime comunista vietnamita instalado no poder em 1979 não fez justiça aos antigos proprietários: foram, é verdade, distribuídas terras aos camponeses mas de acordo com o modelo coletivista importado do Vietnã. O único proprietário da terra era o Estado que exercia seu poder através da comunidade local erigida a condição de kolkhoze. Cada camponês recebia uma parte igual da terra da aldeia para criar uma cultura coletiva. Três extensas regiões agrícolas e florestais foram classificadas como propriedade do Estado.

O regime comunista vietnamita instalado no poder em 1979 não fez justiça aos antigos proprietários: foram, é verdade, distribuídas terras aos camponeses mas no modelo coletivista

A propriedade privada foi restabelecida em 1989, mas a Lei da terra de 1992 confirma a “mão leve” do Estado sobre a posse legal do solo. Segundo o especialista americano, George Cooper, que trabalha para a Agencia governamental de Cooperação técnica alemã (GTZ) “desde 1884 até a Lei de 2001, as leis e as práticas em relação a terra impedem os pobres de terem acesso de fato à propriedade jurídica. A vulnerabilidade à expulsão, fatalmente, aumentou”.

A propriedade privada, plena e total, da terra teve, portanto, que esperar a nova Lei da Terra de agosto de 2001. Os principais avanços do texto visam facilitar o acesso à propriedade residencial e rural, permitir a criação de um cadastro que garanta os direitos sobre a terra, esclarecer a gestão das terras do Estado2. Entretanto, três anos depois o entusiasmo diminuiu: das 16 emendas que colocam as exigências para a aplicação da Lei, apenas 4 foram votadas. A Lei exigia principalmente que fossem revistas as condições nas quais foram definidas as posses das grandes propriedades de terra que estão nas mãos dos militares e ex-dignitários Khmers Vermelhos. Por razões políticas evidentes este ponto não foi abordado.

(Trad.: Celeste Marcondes)

1 - Sobre a ausência de uma aristocracia rural na história do Camboja, ler Jean-Claude Pomonti e Serge Thion, Des courtisans aux partisans (De cortesões à guerrilheiros), Galimard, Paris, 1971, págs. 28-31.
2 - Ler Sar Sovann, Cambodia: Case Study of Land Policy Reform, Regional Workshop on Land Issues- Ásia, Phnom Penh, junho de 2002, 38 págs.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Camboja
» Reconversão dos países “socialistas”
» Soberania Alimentar

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos