Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 20 de maio de 2022

» O impasse da democracia e o dilema feminista

» Como o patriarcado engole a democracia

» O modernismo a contrapelo – em exposição e livro

» Argentina: a potência das cooperativas de plataforma

» 19 de maio de 2022

» O mundo à beira da grande crise alimentar

» O que o Brasil pode perder sem a Eletrobras

» A distopia trabalhista da Amazon

» Cinema: A arte de observar a poesia das miudezas

Rede Social


Edição francesa


» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis

» Front de gauche, ou la fin d'une malédiction


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


MEMÓRIA

A esperança viva dos palestinos

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Morto na quinta-feira, 11 de novembro, o presidente Yasser Arafat era o símbolo da aspiração dos palestinos por um Estado Nacional e pela Independência

Alain Gresh - (01/11/2004)

Yasser Arafat conseguiu que a OLP fosse reconhecida como a única representante do povo palestino e fez dessa organização o símbolo da unidade de um povo

Nascido em 24 de agosto de 1929, no Cairo, onde passa a maior parte de sua infância, Yasser Arafat nem por isso deixa de ser palestino e ligado, por parte de seu pai, à poderosa família Al Husseini. Ele abandona a Universidade do Cairo em 1948 para participar dos combates na Palestina. Após a derrota, refugia-se em Gaza e depois retorna ao Cairo, em 1950. Ali retoma seus estudos superiores que farão dele um engenheiro de obras públicas. É no Kuwait, onde trabalha, que funda o Fatah (palavra forjada a partir das iniciais árabes do Movimento de Libertação Nacional). Essa organização declara como objetivo principal dos palestinos a libertação de sua pátria e expõe sua desconfiança em relação aos países árabes. Esta visão de Arafat e de seus companheiros explica as complexas relações que o movimento palestino manteria com as diferentes capitais do Oriente Médio. Aliás, com a derrota do Egito, da Síria e da Jordânia na guerra contra Israel, em junho de 1967, estavam dadas as condições para a afirmação da luta armada palestina independente. Fortalecido com o prestigio dos fedayins, os combatentes palestinos, Yasser Arafat toma a direção do Comitê Executivo da Organização de Libertação Palestina (OLP) que reúne os diferentes grupos palestinos (Frente Popular pela libertação da Palestina de George Habache; Frente democrática de libertação da Palestina, de Nayef Hawatmeh, e a Saika, incrustada na Síria etc)

Sem nos aprofundarmos na biografia do dirigente palestino, é importante lembrar as grandes conquistas do seu combate. Yasser Arafat conseguiu que a OLP fosse reconhecida como a única representante do povo palestino e fez dessa organização o símbolo da unidade de um povo e de seu desejo de independência; conseguiu também recolocar a questão palestina e mantê-la no mapa político do Oriente Médio apesar de todas tentativas de liquidação tanto dos árabes (Setembro negro, em 1970, na Jordânia, intervenção da Síria no Líbano, em 1976) como dos israelenses.

Além disso, Yasser Arafat é o primeiro dirigente palestino a ter registrado e denunciado a situação criada pelo surgimento do Estado de Israel. Depois de ter preconizado, desde 1969, um Estado democrático único onde coabitariam judeus, muçulmanos e cristão, em 1974 ele se pronuncia a favor de um Estado Palestino ao lado do Estado de Israel. E convence a OLP e seu povo da necessidade deste compromisso.

Por uma solução política

A assinatura dos acordos de Oslo, em 13 de setembro de 1993, confirma que Yasser Arafat estava decidido a negociar uma solução política. Ele retorna a Gaza, instala a Autoridade Palestina, da qual foi eleito presidente por sufrágio universal, em fevereiro de 1996. Sua gestão muito criticada, muitas vezes com razão, pelo aparelho governamental e de segurança palestino, nunca se desviou daquilo que era seu objetivo fundamental: obter a retirada das tropas israelenses dos territórios ocupados. Ele tentou, ao longo dos anos, navegar entre a má vontade israelense (a continuação da colonização, atraso na aplicação dos acordos de retirada etc) e a crescente exasperação do seu povo (da qual resulta a maior força do movimento Hamas).

Depois de ter preconizado, desde 1969, um Estado democrático único onde coabitariam judeus, muçulmanos e cristão, em 1974 ele se pronuncia a favor de um Estado palestino

Ao contrário da imagem difundida pela propaganda israelense, Yasser Arafat não recusou, na reunião de cúpula em Camp David, em julho de 2000, “as generosas propostas” do primeiro Ministro Barak. Na realidade, e isto foi confirmado por numerosos observadores, inclusive americanos, presentes nas negociações (ler artigos do Le Monde Diplomatique sobre este assunto), o plano Barak previa que Israel ficasse com 10% da Cisjordânia, o essencial de Jerusalém–árabe e permaneceram mudos sobre a questão dos refugiados. Que Arafat tenha, às vezes, administrado mal a situação criada pelo fracasso do acordo de Camp David é um fato; que ele tenha cometido vários erros de avaliação também é certo, as a maior responsabilidade pelo fracasso do processo de paz é daqueles, israelenses e norte-americanos, que rejeitaram a criação de um Estado palestino na região conjunta da Cisjordânia e de Gaza tendo como capital Jerusalém Leste.

O desencadear da segunda Intifada, no fim de setembro de 2000, testemunha o grau de exasperação da população palestina. A eleição de Ariel Sharon, em fevereiro de 2001, favoreceu a escalada da violência, a destruição de todas as infra-estruturas políticas e civis palestinas, os atentados suicidas etc. Confinado na Mouqataa, Yasser Arafat simbolizou, nestes últimos meses, a recusa dos palestinos em ceder a Ariel Sharon. Ele confirmou o espírito de resistência que anima seu povo, apesar dos terríveis sofrimentos.

O processo de paz poderá ser relançado? Sharon e Bush repetiram de tal forma que Yasser Arafat era o principal obstáculo à paz que se deveria, dentro desta lógica, assistir rapidamente uma solução. Os dois dirigentes têm um compromisso nesse sentido? Seria necessário que eles aceitem a única condição para o estabelecimento de uma paz justa: a criação de um Estado independente palestino em todos os territórios ocupados há mais de trinta e cinco anos.

(Trad.: Celeste Marcondes)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Geopolítica do Oriente Médio
» Palestina
» Ocupação da Palestina
» Mundo Árabe

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos