Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Seria a Medicina moderna uma ilusão?

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» A política como arte do impossível

» O enigma da sobrevivência neoliberal

» Violência policial: o problema não está nos soldados

» Eleições na Bolívia: o que está em jogo?

» Chomsky mergulha na estratégia de Trump

» Chico: “A democracia só sobreviverá se reinventada”

Rede Social


Edição francesa


» Les charniers de Franco

» Sabra et Chatila, retour sur un massacre

» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité

» Un milliardaire à l'assaut de la Maison Blanche

» Comment les sociétés multinationales du textile renforcent leur emprise sur le marché mondial

» À la recherche des « disparus » d'Algérie

» Keynes n'était pas keynésien

» Planète des sites « en péril »


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


MARTE

A invenção dos marcianos

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Futuro fundador da Sociedade Astronômica da França, Camille Flammarion publicou, em 1884, ’Terras do céu’ um tratado de planetologia em que são expostos os conhecimentos científicos da época. Ele critica rudemente os "romancistas" que, em nome da essência divina da humanidade, se recusam a aceitar a existência de planetas habitados, ou ao contrário imaginam seus habitantes como semelhantes à humanidade terrestre. Suas considerações sobre as "formas vegetais e animais" de Marte teriam enorme repercussão, alimentando a paixão da época pelo planeta

Camille Flammarion - (01/12/2004)

Visto de Marte e de seus satélites, o céu estrelado é o mesmo que este que cintila sobre nossas cabeças

Assim, sem dúvida, o progresso do pensamento seguiu, tanto em Marte como na Terra, o progresso da astronomia.

Qual é o aspecto do universo, visto dessa estação vizinha? Os habitantes de Marte não habitam mais o céu que nós, e nós não o habitamos como eles, nem mais nem menos. Como vêem eles a Terra?

Visto de Marte e de seus satélites, o céu estrelado é o mesmo que este que cintila sobre nossas cabeças: as mesmas estrelas ali atraem o olhar e o pensamento, as mesmas constelações ali desenham suas misteriosas figuras. Mas se as estrelas são as mesmas, os planetas são diferentes, como acabamos de ver. Júpiter, entre outros, é magnífico para eles: ele parece para eles uma vez e meia maior do que para nós e seus satélites, ali, devem ser facilmente visíveis a olho nu. Saturno é igualmente muito brilhante; suas duas pequenas luas, de fases rápidas e eclipses freqüentes, acrescentam ao céu de Marte um atrativo particular. Às vezes, à noite, é possível admirar, depois de o sol se pôr, uma estrela luminosa que se destaca lentamente dos raios solares para vir reinar soberana no céu.

Os poetas de lá

Os poetas de lá a celebram como uma divindade benéfica e a aclamam como morada de paz, de ciência e de felicidade

Este belo planeta, que lhes oferece os mesmos aspectos que Vênus nos apresenta, e cuja suave luz recebeu também, sem dúvida, muitos olhares de admiração, confidências, muitas juras de amor adolescentes, este belo planeta é a Terra em que estamos. Os poetas de lá a celebram como uma divindade benéfica e a aclamam como morada de paz, de ciência e de felicidade. Os astrônomos terão descoberto nossas fases; talvez tenham medido a altura de nossos Alpes e de nossas Cordilheiras; talvez conheçam exatamente nossa geografia e nossa meteorologia; talvez nos tenham feito sinais há muito tempo, aos quais eles se espantam que não saibamos responder; talvez eles concluam após fazer um longo exame que a Terra é inabitável, porque ela não parece de forma alguma com seu mundo, e declararão que sua pátria é o único local organizado por uma vida agradável, idealista e intelectual... No final, eles talvez tenham razão, pois (entre nós) nossa humanidade presa em bloco não revela ainda por seus atos que ela se elevou ao posto de uma raça verdadeiramente intelectual.

(Trad.: Marcelo de Valécio)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Romance
» Arte e Utopia
» Ciência, Política e Ética
» Crise do Cientificismo e do Desenvolvimentismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos