Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 24 de setembro de 2021

» Dissidência jovem no coração do sistema

» Ainda não acabou: o mal-estar na pandemia

» Para entender as três crises do Haiti

» Uma cineasta à altura dos desafios de nosso tempo

» 23 de setembro de 2021

» Evergrande: falência e oportunidade na China

» Tecnologia e política para reconstruir mundo em ruínas

» Cinema: Aranha e nossas raízes fascistas

» 22 de setembro de 2021

Rede Social


Edição francesa


» Le vieux monde et la mer

» Émergence de l'Asie sur la scène scientifique

» Singapour, Malaisie, Indonésie : triangle de croissance ou triangle des inégalités ?

» Les rêves déçus et la colère rentrée des harkis

» Conflits d'usages en mer Baltique

» Autocritiques cathodiques en Chine

» L'Australie séduite par la Chine

» Que faisons-nous en Irak ?

» De la mer en partage au partage de la mer

» La Russie à la conquête du Grand Nord


Edição em inglês


» China's post-communist Communist Party

» The Manet effect

» The race to be German chancellor

» September: the longer view

» Meandering through Paraguay

» Don't expect tech giants to build back better

» Long hot nights on the Paraguay river

» Can Pedro Castillo unite Peru?

» Tensions mount over Yemen's contested islands

» Hungary's Fidesz builds a parallel state


Edição portuguesa


» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais

» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena


ÁSIA CENTRAL

A briga dos grandes

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

China, Rússia e Estados Unidos disputam território, riquezas e influência política em uma área estratégica

Vicken Cheterian - (01/02/2005)

Depois de uma década de declínio, os russos estão voltando à Ásia Central, com aumento de presença militar

Durante a inauguração de uma nova base militar no Tadjiquistão, o presidente Vladimir Putin disse: “Nossa presença militar no Tadjiquistão não será apenas uma garantia para nossos investimentos, mas também uma garantia de estabilidade na região” 1. Sem dúvida, ele prometeu um investimento de 2 bilhões de dólares nesse país ao longo dos próximos cinco anos. Depois de uma década de declínio de sua influência, os russos estão voltando à Ásia Central, com aumento de sua presença militar e incremento de investimentos na infra-estrutura e no setor da energia.

No vizinho Quirguistão, Moscou reforçou sua base militar na base aérea de Kant com mil homens adicionais e mais aviões. Kant fica a apenas 20 quilômetros do aeroporto de Manas, perto de Bichkek, onde os EUA têm suas instalações militares. O presidente Putin concordou com a presença americana em seus ex-satélites soviéticos, primeiro, porque não tinha escolha, e segundo, considerou de seu interesse que os EUA destruam o Talibã e grupos militantes similares, como o Movimento Islâmico do Usbequistão (MIU), que estavam ameaçando os aliados da Rússia na região. Além do mais, Moscou declarou oficialmente que a presença militar americana na Ásia Central está condicionada à guerra no Afeganistão e logo que esse país esteja estabilizado as tropas americanas serão retiradas.

Entretanto, parece que as bases americanas no Usbequistão e no Quirguistão não estão ligadas ao atual esforço anti-Talibã no Afeganistão: têm mais a ver com a nova estratégia militar americana. Os EUA vão reduzir seu pessoal militar na Europa em cerca de 70 mil efetivos e transferi-los para algumas novas bases nos Bálcãs, Oriente Médio e Ásia Central, transformando-as em uma força de intervenção rápida, para que as recém-conquistadas bases na Ásia Central tenham um papel estratégico. Essas bases não apenas têm significado militar para a arquitetura de segurança da Ásia Central, mas também significam uma posição de controle estratégica entre o sul da Ásia, Rússia e China.

Chineses em alta

A influência chinesa sobre a Ásia Central está em alta, causando alarme em Moscou e Washington

Considerando a estratégia militar dos EUA compreensível, sua política é muito confusa. Os EUA cortaram verbas de desenvolvimento destinadas ao Usbequistão em 2004 por causa da falta de avanços dos direitos humanos. Ao mesmo tempo, a cooperação militar vai de vento em popa. Tais políticas confundem igualmente amigos e inimigos. Enquanto o apoio que Washington dá aos regimes corruptos e repressivos torna a emergência de qualquer movimento democrático de estilo ocidental impopular, a deposição à força de Saddam Hussein e a deposição pacífica de Edvard Schevardnadze trouxeram suspeitas aos círculos de poder. No Usbequistão todos os projetos apoiados pelos EUA e ONGs foram recentemente fechados por temor de sua influência em período pré-eleitoral. Há uma suspeita crescente nas capitais da Ásia Central a respeito dos planos dos EUA. “A assistência ocidental ao Afeganistão depois da guerra não foi suficiente”, disse Vyacheslav Khamisov, do Instituto Internacional para Estudos Estratégicos em Bichkek, “e agora a iniciativa estratégica ocidental na Ásia Central está perdida”.

Ao contrário do que ocorria no século passado, a influência chinesa sobre a Ásia Central está em alta, causando alarme em Moscou – e Washington. Comerciantes chineses são cada vez mais vistos em Alma Ata ou Bichkek, e uma nova estrada entre Khoroh e Khashgar pretende ligar o Tadjiquistão a Xinjiang. Depois dos vendedores ambulantes, vieram os oficiais chineses interessados em comprar petróleo casaque ou turcomano para satisfazer as necessidades de energia da próspera economia chinesa. Em maio, depois de sete anos de negociações, a China e o Casaquistão concordaram em construir um oleoduto de mil quilômetros, da região central de Karaganda, no Casaquistão, a Xinjiang, na região noroeste da China, até o fim de 2005. A China também está ativa no campo diplomático, por meio da Shanghai Cooperation Organization (SCO), que inclui os cinco Estados da Ásia Central e a Rússia – que é basicamente um fórum de segurança, refletindo interesses de Beijing na estabilidade da Ásia Central de modo que não afete negativamente o separatismo Uygur2 na província de Xinjiang. Com a crescente influência chinesa está também em alta o medo das intenções territoriais daquele país: embora o Casaquistão seja um vasto país, seus 14 milhões de habitantes são apenas 1% dos 1,4 bilhões da China.

(Trad.: Betty Almeida)

1 - Reuters, Duchanbe, 18 de outubro de 2004.
2 - Os Uygurs são o grupo étnico mais populoso da província chinesa de Xinjiang, constituindo 45% da população da região. Culturalmente, são turcos e são adeptos do Islã (N.T.).




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» China
» Estados Unidos
» Geopolítica da Ásia Central
» Rússia

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos