Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como dialogar — de verdade — com quem vota num fascista

» No Alerta de Ipanema, retratos do fascismo quotidiano

» O cinema e as lições da história

» Vídeo: Garantir o segundo turno. E depois?

» Crônica de uma eleição bizarra

» O ódio, o voto e a pulsão de morte

» “Cada um de vocês é Bolsonaro”

» Reflexões à beira do segundo turno

» O Pré-Sal e o desenho do golpe

» Polêmica: duas formas do mesmo poder

Rede Social


Edição francesa


» De la valeur ignorée des métiers

» Vladivostok gagnée par la fièvre sociale

» A Tijuana, la mauvaise fortune des « maquiladoras »

» Déjà compromises par la pollution, les ressources en eau pourraient devenir insuffisantes dans près d'un siècle

» La politique agricole commune vidée de son contenu

» Délocalisés de l'intérieur

» A Gladstone, l'emploi contre l'environnement

» Les diables du Diable

» Les boissons non alcoolisées à la conquête du monde

» Face au pouvoir militaire, les révolutionnaires brésiliens ont adopté une stratégie originale


Edição em inglês


» A letter to Elizabeth Warren

» Netanyahu's flirtation with the far right

» Paul Mason: two years on, it's still two fingers to the elites

» Hating Muslims in the age of Trump

» Trump's reality-TV trade deal

» The October war: who was Ashraf Marwan?

» NATO goes on growing

» The royal touch

» Unsung anniversary of the Union for the Mediterranean

» Israel and Iran exploit regional conflicts


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2018

» A crise da regulação

» Da democracia na América

» Edição de Setembro de 2018

» Trabalho e civilização

» Liberais contra populistas, uma clivagem enganadora

» Por quem o sininho dobra no Eurogrupo?

» Uma aliança das civilizações

» Dirigir a ONU, um trabalho estranho

» Liquidação florestal em França


CIÊNCIA

A impostura do Nobel de economia

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O prêmio instituído pelo Banco da Suécia nada tem a ver com o Nobel e servem para endeusar economistas americanos da Escola de Chicago

Hazel Henderson - (01/02/2005)

Nunca, na correspondência de Alfred Nobel, foi achada a menor menção relacionada a um prêmio em economia

Um protesto nada comum abalou o ambiente seleto da entrega dos prêmios Nobel. A voz de Peter Nobel, um dos herdeiros de Alfred Nobel, somou-se à sinfonia de protestos dos numerosos cientistas contra a confusão que envolvia o “prêmio do Banco da Suécia para as ciências econômicas, em memória de Alfred Nobel”. Depois de ter sido criado pelo Banco Central sueco, em 1969, esse prêmio de 1 milhão de dólares confunde-se com o verdadeiro Prêmio Nobel a ponto de ser designado, muitas vezes, como “o prêmio Nobel de economia” (em inglês, Nobel Memorial Prize).

O jornal sueco Dagens Nyheter, do dia 10 de dezembro de 2004, publicou uma matéria assinada pelo matemático sueco Peter Jager, membro da Academia Real de Ciências e pelo antigo ministro do Meio-Ambiente Mans Lonnroth, economista e antigo membro do Parlamento sueco. O artigo mostra, com detalhes, como certos economistas, entre os quais vários contemplados com o prêmio do Banco da Suécia, tinham feito mau uso da matemática ao criar modelos de dinâmicas sociais irrealistas.

“Nunca, na correspondência de Alfred Nobel, foi achada a menor menção relacionada a um prêmio em economia”, declara Peter Nobel, em uma entrevista exclusiva. “O Banco Real da Suécia colocou seu ovo no ninho de outro passarinho, muito respeitável, e transgrediu ‘a marca registrada’ Nobel. Dois terços dos prêmios do Banco da Suécia contemplaram economistas americanos da Escola de Chicago, cujos modelos matemáticos servem para especular nos mercados de ações e de opções, em oposição às intenções de Alfred Nobel, que pretendia melhorar as condições humanas.”

Os deuses da independência do BC

Em 2004, o prêmio consagrou dois economistas americanos que “demonstraram”, a partir de um modelo matemático, que os bancos centrais devem ser independentes

A escolha dos premiados de 2004 talvez tenha sido a gota d’água. Mais uma vez o prêmio consagrou dois economistas americanos. Os senhores E. Kydland e Edward C. Prescott, que, em um artigo de 1977, tinham “demonstrado”, a partir de um modelo matemático, que os bancos centrais deveriam ser independentes de todas as pressões dos políticos, inclusive em uma democracia. A apresentação dos laureados pelo prêmio do Banco da Suécia glorificava seus artigos de 1977 e “seu grande impacto nas reformas feitas em numerosos países, entre os quais a Nova Zelândia, Suécia, Inglaterra e Comunidade Européia, que confiaram as decisões da política monetária aos bancos centrais independentes”.

Ora, tais “reformas” colocam um problema nas democracias onde há preocupação com a transparência das decisões públicas. A política monetária determina a repartição das riquezas entre o credor e o devedor, a política de salários e da igualdade de oportunidades. Muito rigorosa, penaliza os assalariados, provocando desemprego, encarece o pagamento dos empréstimos em proveito das organizações de crédito e dos detentores do capital.

Os preconceitos ideológicos dos economistas neoclássicos estão estabelecidos1 da mesma forma que o irrealismo de muitos dos seus postulados. Mas um novo grupo de cientistas – em áreas tão variadas quanto a física, matemática, neurociência ou ecologia –quer, por sua vez, que o prêmio do Banco da Suécia para as ciências econômicas seja ampliado, corretamente atribuído, sem nenhuma ligação com o Prêmio Nobel; ou simplesmente abolido.

Erros fundamentais

A economia neoclássica se compara a uma crença religiosa, principalmente na sua fé na “mão invisível” dos mercados

Essas objeções provêem dos pesquisadores em ciências “duras”, que estudam o mundo natural, cujas descobertas são submetidas a verificação e a refutação. O prêmio de economia desvaloriza, na opinião deles, os verdadeiros Prêmios Nobel. Depois da obra clássica de Nicholas Georgescu- Roegen2, a economia recebe uma artilharia de críticas vinda de ecologistas, biologistas, especialistas em recursos naturais, engenheiros, especialistas em termodinâmica. O uso de um método multissetorial – economia ecológica, economia de recursos naturais etc. – não soluciona os erros fundamentais da economia neoclássica, que alguns comparam a uma crença religiosa, principalmente na sua fé na “mão invisível” dos mercados.

A velha questão de saber se a economia é uma ciência ou uma profissão volta à tona. A maioria dos seus “princípios” não sendo testáveis, como o são as leis da física, graças às quais pode-se enviar um foguete para a Lua, a economia seria antes uma profissão. Pode-se, por exemplo, demonstrar que o “principio” da optimalidade de Pareto3 ignora a questão da distribuição prévia das riquezas, do poder e da informação, levando assim a resultados sociais injustos.

A apresentação de dados matemáticos que envolvem estes conceitos serve, na maioria das vezes, para mascarar a ideologia subjacente. E também para colocar fora de alcance a compreensão do público e mesmo dos políticos, posto que os problemas costumam ser apresentados como muito “técnicos” para eles. Assim, não apenas os economistas ganham influência junto às poderosas instituições que os empregam, como também raramente são submetidos aos critérios de avaliação como em outras profissões. Um médico é processado se comete uma falta no tratamento de um doente. Os maus conselhos de um economista podem deixar um país doente e ele continuará a gozar de total impunidade.

Ciência revisitada

Novas descobertas dos pesquisadores em neurociência e cientistas do comportamento tocam a ferida constante dos economistas neoclássicos

As novas descobertas dos pesquisadores em neurociência, dos bioquímicos e cientistas do comportamento tocam a ferida constante dos economistas neoclássicos: a assimilação da “natureza humana” a um cálculo de um agente economista racional, obcecado pela preocupação de maximizar seu próprio interesse. Baseado no medo e na raridade, esse modelo é o do cérebro do réptil e com o caráter estreitamente territorial do nosso passado primitivo. Pesquisador em neurociência na Universidade de Claremont, Paul Zak demonstrou, ao contrário, que há uma relação entre a confiança que impulsiona os humanos a se reagruparem para cooperar entre si e um hormônio reprodutivo chamado ocitocina.

Por outro lado, David Loe revisitou os escritos de Charles Darwin e mostrou que, ao contrário do que se diz habitualmente, Darwin não se concentrou na “sobrevivência do mais apto” e na competição como um dos grandes fatores da evolução humana4 . Mais interessado na capacidade dos humanos em construir laços de confiança e usufruí-los, ele via no altruísmo um fator de sucesso coletivo. Outros trabalhos, retomando a teoria dos jogos, chegam a conclusões similares5 . Além disso, talvez seja o caso de nos perguntarmos como os humanos teriam passado do estágio de grupos nômades caçadores e colhedores ao de construtores de cidades, de empresas ou entidades internacionais como a União Européia ou as Nações Unidas.

Novo homem racional

A controvérsia sobre o “Prêmio do Banco da Suécia em ciências econômicas” fez ressurgir o questionamento sobre se essa profissão é uma ciência

Ao contrário do que postula a economia usuária da matemática, as pessoas não se comportam como átomos, bolas de golfe ou porcos da Índia. Longe do “homem econômico racional” imaginado nos livros teóricos, os humanos têm uma “racionalidade” sem relação com o sentido que os economistas dão a essa palavra. Complexas, suas motivações incluem o cuidado dos outros, a divisão e a cooperação, muitas vezes dentro de um contexto beneficente. As simulações informatizadas baseadas em grupos de agentes farão talvez a economia mais ”científica” no futuro. Atualmente, as hipóteses fundamentais da economia são patriarcais – o que abre um interessante campo de pesquisa para uma “economia feminista”.

A controvérsia sobre o “Prêmio do Banco da Suécia em ciências econômicas”, cujo objetivo era conferir a essa profissão a áurea de ciência, fez reaparecer todas essas questões importantes. Uma impostura científica é questionada. Se essa controvérsia não tem oportunidade de figurar no menu das elites reunidas em Davos, na Suíça, coberta de neve, ela merecia estar na agenda do Fórum Social Mundial.

(Trad.: Celeste Marcondes)

1 - Ler “Politics of the Solar Age”,1981, Toes Book, Nova york.
2 - Ler “The Entropy Law and The Economic Process”, 1971, reeditado 1999, Universe Lincoln (Nebraska).
3 - A idéia que a alocação de recursos em uma economia é tal que a partir de um certo momento não se pode melhorar a situação de alguém sem destruir a de outra pessoa.
4 - David Loye em “Darwin’s Lost Theory of love” (Excel 2000)
5 - Ver Robert Axebrod, “The Evolution of Cooperation”, basic Books, New York 1985 e também Robert Wright (2000) e Riane Eisler, “The Power of Partnership”, ew World Library (2003)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Economia
» Neoliberalismo
» Prêmio Nobel

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos