Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» “Não esqueçam Julian Assange”

» Índia ocupa a Caxemira muçulmana

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» E quando nos levantaremos contra os rentistas?

» “Quem tá na rua nunca tá perdido”

» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

Rede Social


Edição francesa


» Population, subsistance et révolution

» Une nouvelle classe de petits potentats domine les villages

» Vers une « révolution agricole »

» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie


Edição em inglês


» On ‘la pensée unique'

» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


GLOBALIZAÇÃO

Dos confins ao centro da galáxia

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O sistema de funcionamento linguístico galáctico não caiu do céu: é o resultado histórico do curso do poder, de guerras, invasões, migrações, colonizações

Bernard Cassen - (01/02/2005)

Estima-se que atualmente há cerca de 6 mil línguas; destas, 90% são faladas por menos de 5% da população mundial e são chamadas de “periféricas”

Os trabalhos do lingüístico holandês Abram de Swaan1, revisados e complementados pelos do francês Louis-Jean Calvet2, sugerem um modelo de funcionamento do sistema lingüístico mundial, denominado de “gravitacional” ou “galáctico”, no qual o centro é ocupado pelo inglês. Esse sistema não caiu do céu: é o resultado histórico do curso do poder, de guerras, invasões, migrações, colonizações etc. Nos últimos tempos, há também de se considerar as forças econômicas e, principalmente, as ideológicas: a conquista de idéias é muito mais importante que a dos territórios.

Estima-se que atualmente há cerca de 6 mil línguas; destas, 90% são faladas por menos de 5% da população mundial e são chamadas de “periféricas”. Calcula-se que 500 línguas são faladas por menos de cem pessoas. Em um mesmo país, pode-se às vezes encontrar centenas de línguas; o recorde é a Papua-Nova-Guiné (850 línguas), seguida pela Indonésia (670), Nigéria (410) e Índia (380). A fim de não se isolar completamente, uma comunidade lingüística pode estabelecer conexões horizontais com a comunidade vizinha, por meio de interlocutores bilingües. Este, porém, é um caso raro: geralmente, os membros desses grupos se comunicam através de uma língua em comum de nível imediatamente superior - como o quéchua na América do Sul, o wolof, o lingala e o bambara na África -, o que a caracterizará como língua central.

As línguas centrais, em torno das quais gravitam várias dezenas de línguas periféricas, contam aproximadamente cem. Esses idiomas são oficiais ou nacionais, aqueles da administração, do sistema legal, da escrita geral e também da comunicação eletrônica. Todas as línguas européias são centrais quando consideramos as línguas regionais ou ‘minoritárias’ de um território nacional: o holandês em relação ao frison; o finlandês ao saami; o dinamarquês ao feroiano; o inglês ao cornualho, ao escocês, ao gaulês e ao irlandês; o francês ao alsaciano, ao basco, ao bretão, ao corsa e ao ocitane.

Locutores bilíngües

As línguas supercentrais são aquelas da comunicação em um espaço regional ou internacional, mesmo que às vezes sejam herança da colonização

Algumas destas línguas, mesmo sendo todas elas centrais dentro de um mesmo país, são mais centrais que outras porque estão também situadas no ‘coração de constelações’, agrupando outras línguas centrais estrangeiras, e assim são denominadas de supercentrais. Abram de Swaan identificou doze línguas supercentrais: o alemão, o árabe, o chinês, o inglês, o espanhol, o francês, o hindu, o japonês, o malaio, o português, o russo e o swahili. Por outro lado, Louis-Jean Calvet considera que o alemão e o japonês, apesar de manter um grande número de outras línguas orbitando ao seu redor e mais de 100 milhões de locutores, não desempenham um papel supercentral. As línguas supercentrais são aquelas da comunicação em um espaço regional ou internacional, mesmo que às vezes sejam herança da colonização (por exemplo inglês, espanhol, francês, português).

Porém, quando um chinês e um russo se encontram - a menos que os dois tenham vivido em Cuba, o que lhes permitirá de se comunicarem em espanhol –, há poucas chances de um deles falar ou compreender a língua do outro. Eles provavelmente utilizarão, se puderem, a língua de conexão das línguas supercentrais: o inglês, a língua hipercentral. Observa-se pois que, da menor língua amerindiana ou africana ao inglês, existem várias cadeias de locutores bilíngües ou multilíngues que, trazidos para línguas superiores por escalas sucessivas, asseguram a comunicação entre as línguas periféricas e centrais.

(Trad.: Andréa Curiacos Bertolini)

1 - Abram de Swaan, Words of the World, Polity Press, Cambrige, 2001. A obra inclui uma extensa bibliografia na qual são citados trabalhos anteriores do autor.
2 - Louis-Jean Calvet, Pour une écologie des langues du monde, Plon, Paris, 1999. Esse livro também apresenta uma completa bibliografia.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Direito à Diversidade Cultural e à Transculturalidade
» Direitos Humanos
» Poder Imperial dos EUA

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos