'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: A ebulição libanesa
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

» No cinema, o ser fragmentado dos indígenas

» Seriam os neoliberais terraplanistas?

» Paulo Guedes sonha com seu 18 Brumário

» A hegemonia pentecostal no Brasil

» O que muda (para pior) no financiamento do SUS

» Outra Contrarreforma – dessa vez, Administrativa

Rede Social


Edição francesa


» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour

» L'offensive libérale contre le monde du travail

» « Donner confiance aux hommes »

» Naissance d'un charisme


Edição em inglês


» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker

» DUP no longer kingmaker

» Northern Ireland's deep state

» Law's disorder in Nigeria


Edição portuguesa


» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019


EDITORIAL

A ebulição libanesa

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O assassinato de Rafic Hariri propiciou a Washington um pretexto suplementar para aumentar a pressão sobre Damasco. Teriam seus assassinos consciência de que estavam oferecendo de bandeja, à “comunidade internacional”, o destino de regime sírio?

Ignacio Ramonet - (01/03/2005)

Desde que foi desencadeada a invasão norte-americana do Iraque, Damasco avaliava que um dos principais objetivos dessa guerra era o isolamento da Síria

Seria a Síria culpada pelo assassinato, no dia 14 de fevereiro de 2005, de Rafic Hariri, ex-primeiro-ministro do Líbano? Ainda em estado de choque, uma parte da opinião pública libanesa está convencida disso. E a denúncia do presidente da Síria, Bachar al-Assad, dos “autores deste crime repugnante e seus mandantes” não dissipou – é o mínimo que se pode dizer – as acusações que lhe são feitas. Para a maioria dos meios de comunicação internacionais, a culpa do regime ba’athista parece fora de dúvida. Jornalistas enumeraram vários presumíveis motivos para o assassinato. Em primeiro lugar, o desejo de Damasco de manter o Líbano sob seu controle quando são previstas eleições legislativas para o próximo mês de maio. Também mencionaram as queixas da Síria contra Rafic Hariri, acusado de financiar e tentar organizar uma espécie de frente anti-síria. E, por fim, se acrescentaria uma última reclamação: suspeitava-se que o ex-primeiro-ministro tivesse mobilizado seus amigos (entre os quais, o presidente francês Jacques Chirac) para fazer com que fosse votada em setembro de 2004 pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, com o apoio de Paris e Washington, a resolução 1559 que exige a realização de uma eleição presidencial livre no Líbano e solicita que “se retirem do Líbano todas as forças estrangeiras que ainda ali se encontram [...] e o desarmamento das milícias, libanesas ou não” (ou seja: as milícias do partido xiita Hezbollah, apoiadas pela Síria e pelo Irã, e as milícias palestinas dos campos de refugiados).

Alguns observadores se perguntam se a culpa “demasiado evidente” da Síria não seria, justamente, o objetivo pretendido pelos assassinos de Rafic Hariri

O crime propiciou a Washington um pretexto suplementar para aumentar a pressão sobre Damasco. O embaixador dos Estados Unidos na Síria foi convocado “para consultas urgentes”. E o secretário de Estado adjunto para o Oriente Médio, William Burns, presente em Beirute para o funeral do ex-primeiro-ministro assassinado, aproveitou a oportunidade para declarar à imprensa: “A morte de Rafic Hariri deveria reforçar o esforço por um Líbano livre, independente e soberano. Isto significa a adoção imediata da resolução 1559 do Conselho de Segurança e a retirada total e imediata das forças sírias do Líbano.” Burns parece ter esquecido que, sem mandato da ONU, os Estados Unidos invadiram e ocuparam o Iraque.

Isolamento da Síria

É necessário lembrar que, desde que foi desencadeada a invasão norte-americana do Iraque, Damasco avaliava que um dos principais objetivos dessa guerra era o isolamento da Síria1. O ministro da Defesa norte-americano, Donald Rumsfeld, acusou Damasco de ajudar o exército de Saddam Hussein durante as operações de invasão, assim como de servir de retaguarda aos diversos grupos de resistência que atacam constantemente as tropas de ocupação norte-americanas. Em maio de 2003, o ex-secretário de Estado Colin Powell visitou a Síria e expôs pessoalmente ao presidente Al-Assad essas acusações e outras, mais antigas, tais como a aliança com o Irã e o apoio às milícias do Hezbollah, grupo inscrito pelos Estados Unidos (mas não pela União Européia) na lista das “organizações terroristas”.

n em

É possível construir uma “verdadeira democracia” no Líbano, sem os xiitas, sua principal comunidade e maciçamente aliada a Damasco?

Em tal contexto – a menos que quisesse o suicídio –, o regime sírio não teria interesse algum em agravar sua situação. Por isso, alguns observadores se perguntam se a culpa “demasiado evidente” da Síria não seria, justamente, o objetivo pretendido pelos assassinos de Rafic Hariri. Eyal Zisser, por exemplo, especialista em assuntos da Síria no Instituto Dayan da Universidade de Tel-Aviv, afirma: “É completamente ilógico que a Síria o tenha feito. Teria sido uma decisão imbecil de sua parte. O mundo inteiro está de olho na Síria e ela não teria interesse algum em desestabilizar o Líbano2.”

Manobras obscuras

Após a guerra do Iraque, as grandes manobras se reiniciam simultaneamente contra dois outros objetivos que estão há muito na alça de mira: o Irã e sua aliada, a Síria

Seja como for, é necessário questionar quais são os objetivos que orientam Washington e Paris em relação ao Líbano. Se seu objetivo é o de estabelecer uma “verdadeira democracia” no Líbano, seria possível construí-la sem os xiitas, sua principal comunidade e maciçamente aliada a Damasco? Seria possível garanti-la por meio de partidos de oposição que rejeitam o princípio de “um homem, um voto” e defendem um sistema confessional retrógrado? Se o objetivo é a retirada de tropas do “Líbano ocupado”, teria a comunidade internacional condições de esquecer que, naquela mesma região, a região síria do Golan continua ocupada desde 1967, assim como a Cisjordânia, a Faixa de Gaza – que poderá ser desocupada nos próximos meses – e Jerusalém Oriental, apesar das inúmeras resoluções do Conselho de Segurança? Assistiríamos, uma vez mais, a dois pesos, duas medidas?

Voltam os tempos das manobras obscuras. E parece evidente que, no teatro do Oriente Médio, já passamos ao segundo ato, inclusive com o risco de uma retomada da guerra civil no Líbano, o que não parece comover os defensores desse país. Após a guerra do Iraque – e apesar do desastre da ocupação e da derrota acachapante da lista defendida por Washington nas eleições –, as grandes manobras se reiniciam simultaneamente contra dois outros objetivos que estão há muito na alça de mira: o Irã e sua aliada, a Síria, que constitui o elo mais fraco da corrente. Teriam os assassinos de Rafic Hariri consciência de que estavam oferecendo de bandeja, à “comunidade internacional”, o destino de regime sírio?

(Trad.: Jô Amado)

1 - Ler, de Paul-Marie de La Gorce, “A Síria sob pressão”, Le Monde diplomatique, julho de 2004.
2 - Citado por Jefferson Morley no artigo “Who Killed Rafiq Hariri?”, www.washingtonpost.com, 16 de fevereiro de 2005.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Libano
» Síria

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos