Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Le devoir de paresse

» Ainsi nos jours sont comptés

» Au Brésil, des collectionneurs d'art très courtisés

» Fantômes russes dans l'isoloir ukrainien

» Bernard Madoff, à la barbe des régulateurs de la finance

» Les famines coloniales, génocide oublié

» LTCM, un fonds au-dessus de tout soupçon

» Récalcitrante Ukraine

» Europe de l'Est : un bilan positif sur le plan social mais négatif dans le domaine des droits politiques

» La crise russo-ukrainienne accouchera-t-elle d'un nouvel ordre européen ?


Edição em inglês


» Rojava's suspended future

» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger


Edição portuguesa


» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021


DOSSIÊ ÁGUA

As três irmãs

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

As empresas francesas que dominam o mercado mundial de água se beneficiam de um negócio que envolve bilhões de euros

Marc Laimé - (01/03/2005)

As “Três Irmãs” controlam 40% do mercado mundial da água privatizada em mais de cem países

Entre os quatro líderes mundiais de água, três são franceses: Veolia, ex-Vivendi, sucessora da Générale des Eaux, nascida em 1853; Ondeo, filial da Suez-Lyonnaise, criada em 1880; e a “pequena” Saur, propriedade do grupo Bouygues até novembro de 20041. Em menos de vinte anos, elas conquistaram os primeiros lugares.

A Ondeo é a número 1 em população atendida (125 milhões de habitantes no mundo). A Veolia, que afirma atender 110 milhões de clientes, figura na segunda colocação mundial e lidera na França, com 26 milhões de pessoas atendidas com água potável e 19 milhões em saneamento. O volume de negócios atingia cerca de 11 bilhões de euros em 2003, ou 30% do volume de negócios da Veolia Ambiente, que conta 309 mil funcionários espalhados em mais de 80 países, superando os 2.800 na China, 4 mil na Austrália, 14 mil na Alemanha, cerca de 13 mil no Reino Unido, 12 mil na República Tcheca e 9 mil na Suécia... A Saur também se espalhou no exterior, onde atende 29 milhões de habitantes (são 6 milhões na França).

Atualmente, as “Três Irmãs” controlam 40% do mercado mundial da água privatizada em mais de 100 países. O único rival no setor, que ocupa a terceira posição mundial, é a RWE (gigante da energia na Alemanha) e sua filial britânica, Thames Water, que obteve êxito ao se instalar no mercado americano, via aquisição da líder nacional American Water Works.

(Trad.: Marcelo de Valécio)

1 - Conservando 15% do capital da Saur, o grupo de BTP vendeu, em novembro de 2004, por 1 bilhão de euros, sua filial de água ao fundo de investimento Paribas Negócios Industriais (PAI).




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Água e Saneamento
» Direito à Água
» Privatizações
» Mercantilização da Vida

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos