Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs

» La dilapidation mortelle des ressources

» Pas de démocratie sans conflit


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


DOSSIÊ ÁGUA

As três irmãs

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

As empresas francesas que dominam o mercado mundial de água se beneficiam de um negócio que envolve bilhões de euros

Marc Laimé - (01/03/2005)

As “Três Irmãs” controlam 40% do mercado mundial da água privatizada em mais de cem países

Entre os quatro líderes mundiais de água, três são franceses: Veolia, ex-Vivendi, sucessora da Générale des Eaux, nascida em 1853; Ondeo, filial da Suez-Lyonnaise, criada em 1880; e a “pequena” Saur, propriedade do grupo Bouygues até novembro de 20041. Em menos de vinte anos, elas conquistaram os primeiros lugares.

A Ondeo é a número 1 em população atendida (125 milhões de habitantes no mundo). A Veolia, que afirma atender 110 milhões de clientes, figura na segunda colocação mundial e lidera na França, com 26 milhões de pessoas atendidas com água potável e 19 milhões em saneamento. O volume de negócios atingia cerca de 11 bilhões de euros em 2003, ou 30% do volume de negócios da Veolia Ambiente, que conta 309 mil funcionários espalhados em mais de 80 países, superando os 2.800 na China, 4 mil na Austrália, 14 mil na Alemanha, cerca de 13 mil no Reino Unido, 12 mil na República Tcheca e 9 mil na Suécia... A Saur também se espalhou no exterior, onde atende 29 milhões de habitantes (são 6 milhões na França).

Atualmente, as “Três Irmãs” controlam 40% do mercado mundial da água privatizada em mais de 100 países. O único rival no setor, que ocupa a terceira posição mundial, é a RWE (gigante da energia na Alemanha) e sua filial britânica, Thames Water, que obteve êxito ao se instalar no mercado americano, via aquisição da líder nacional American Water Works.

(Trad.: Marcelo de Valécio)

1 - Conservando 15% do capital da Saur, o grupo de BTP vendeu, em novembro de 2004, por 1 bilhão de euros, sua filial de água ao fundo de investimento Paribas Negócios Industriais (PAI).




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Água e Saneamento
» Direito à Água
» Privatizações
» Mercantilização da Vida

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos