Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Os bilionários voltam ao bunker de Davos

» Para entender (e influir) na disputa crucial pela internet

» Diário: em SP, a direita tenta voltar às ruas

» Por dentro do coração da Índia rebelde

» Suas senhas também foram devassadas?

» O impasse do Podemos e os limites da “nova política”

» Gastronomia através da História: o caso italiano (1)

» Viagem didática ao mundo da vigilância

» Temporada: nas telas, um Brasil real

» Diário: As táticas da polícia e as do MPL

Rede Social


Edição francesa


» Un robot m'a volé mon Pulitzer

» Mort et résurrection du photojournalisme

» Les petites voix de la dissidence

» Les médias, les intellectuels et Pierre Bourdieu

» Limiter les dégâts des médias

» Journalisme et morale

» Médias, une critique nécessaire

» Des thoniers sous escorte paramilitaire

» Quand Emmanuel Macron s'inspire de Ken Loach

» Ces Israéliens qui ont faim


Edição em inglês


» A planet in crisis

» Vannevar Bush, prophet of high tech

» January: the longer view

» Akram Belkaid on North Africa's leadership crisis

» Erdogan's war on workers

» Argentina swings into financial crisis

» The road beyond Wigan Pier

» Kazakhstan invests in theatre

» Once we searched Google. Now it searches us

» China's rewards and punishments


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2019

» Os irmãos escolhem-se

» Quando tudo vem ao de cima

» Edição de Dezembro de 2018

» A justiça social e os seus responsáveis

» Para Julian Assange

» Jantar de Apoio

» Economia Social e Solidária: outro modo de criar futuro sustentável

» Edição de Novembro de 2018

» «Eleitoralismo» e democracia sem povo


8 DE MAIO

Aquelas corajosas mulheres da Rosenstrasse

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

As centenas de alemãs que protestaram em Berlim, em 1943, para exigir a libertação de seus maridos judeus, conseguiram o que era visto como impossível: o recuo do governo nazista

Dominique Vidal - (01/05/2005)

Nem a presença dos SS, o fechamento da estação de metrô vizinha, ou os terríveis bombardeios aéreos britânicos impedem as mulheres de desafiar o regime

Naquele 27 de fevereiro de 1943, ao amanhecer, os SS da Leibstandarte Hitler, encarregados da segurança pessoal do Führer, tomaram seus lugares nos caminhões cobertos de lona que partiam para os quatro cantos de Berlim1. Sua missão: prender, em casa ou no trabalho, com a ajuda da Gestapo e da polícia municipal, os últimos judeus da capital do III Reich. Alguns trabalhavam em fábricas vitais para a Wermacht; outros, casados com uma cônjuge alemã, escapavam das leis de Nuremberg de 1935. Ministro da Propaganda e gauleiter (chefe regional) do Partido Nacional Socialista, Joseph Goebbels, que sonhava há dez anos em extirpar os judeus de sua cidade, pôde, afinal, acabar com essas exceções.

À noite, cerca de 5 mil pessoas já tinham sido capturadas, entre as quais 1 700 maridos de alemãs. Alguns já estão a caminho dos campos da morte. Outros esperam a deportação, amontoados em duas prisões improvisadas. Uma delas se encontra nos números 2-4 da Rosenstrasse (Rua das Rosas, N.T.), onde funcionava um escritório de assistência social da comunidade judaica. Desde a tarde, dezenas de mulheres, preocupadas por não verem seus maridos voltarem para casa, apertam-se na rua: logo contam-se 200 delas. Algumas passam a noite ali...

No dia seguinte, são duas vezes mais... e mais decididas. O fato de que o serviço de assuntos judaicos da Gestapo tem sua sede a dois passos, na Burgstrasse, não as impede de gritar em coro: “Devolvam-nos nossos maridos!”. Nem a presença dos SS, nem o fechamento de Börse, estação de metrô vizinha, nem mesmo os terríveis bombardeios aéreos britânicos da noite as impedem de desafiar o regime. O historiador David Bankier conta2, com a ajuda de testemunhas, como várias mulheres brigam com agentes da Gestapo e “ousam dizer-lhes que eles mesmos é que deveriam ir para a frente ocidental e deixar os velhos judeus em paz” – mas “a maior parte dos passantes”, acrescenta, “olha a cena com total indiferença”.

Esperança e coragem

Algumas mulheres, encorajadas pela força do seu movimento, atrevem-se até a pedir à Gestapo notícias de seus esposos

No seu diário, na data de 2 de março, Goebbels escreve: “Estamos expulsando definitivamente os judeus de Berlim. Apanhamos todos na rede domingo passado e vamos mandá-los para o Leste sem demora.” Mas ele não contava com a multidão que aumentava na Rosenstrasse. Quando os SS ameaçam atirar, as mulheres refugiam-se debaixo das marquises ou de um viaduto próximo e depois voltam: “Queremos nossos maridos”, exigem, em uma só voz.

No dia 5 de março, o regime tenta manobras extremas de intimidação. A Gestapo desaloja à força dezenas de manifestantes. Depois um jipe ocupado por quatro SS uniformizados usando capacetes de aço, empunhando metralhadoras, parte para cima da multidão, atirando. As mulheres se dispersam, correndo, antes de se reunirem diante da prisão. Algumas, encorajadas pela força do seu movimento, atrevem-se até a pedir à Gestapo notícias de seus esposos. Outras conseguem até entrar no prédio da Rosenstrasse. “Continuávamos com esperança de que nossos maridos voltassem para casa e não fossem deportados”, testemunha uma manifestante.

O mais incrível é que elas não estavam enganadas. No dia 6 de março, não somente a ditadura põe fim às prisões e deportações que continuavam até ali, mas ordena a libertação de todos os judeus casados com alemãs – irá até mesmo procurar em Auschwitz 25 deles, que poderão voltar para suas casas. Quase todos, aliás, sobreviverão à guerra. Oficialmente, a Gestapo de Berlim simplesmente cometeu um abuso de poder prendendo e deportando judeus casados com alemãs – e o poder, naturalmente, colocou tudo em ordem.

Fábula do erro

O mesmo Goebbels que ordenou a prisão em massa, depois de um encontro com Hitler, no dia 3 de março, suspendeu-a

A realidade nada tem a ver com esta fábula do “erro” burocrático retificado. Foi o mesmo Goebbels que ordenou a prisão em massa e que, depois de um encontro com Adolf Hitler, no dia 3 de março, em seu Wolfschanze (covil do lobo), suspendeu-a. Por quê? A resposta está relacionada sem dúvida ao período durante o qual o caso se passou: logo depois da derrota de Stalingrado. O moral dos alemães estava lá embaixo. Os dirigentes nazistas têm nesse momento uma única obsessão: temem que a “frente interior”, como em 1917, caia, sob o ataque do Exército Vermelho e os bombardeios anglo-americanos. A resistência corajosa, mas relativamente apolítica, das mulheres da Rosenstrasse ameaça espalhar-se como uma mancha de óleo: e se outras manifestações vierem perturbar as deportações em massa de judeus, que ocorrem então em muitas cidades da Alemanha?

“Em Berlim”, interpreta o historiador Peter Longerich3, “internava-se temporariamente centenas de judeus casados com não-judias nos dois prédios da comunidade judaica para poder trocá-los por trabalhadores da comunidade que seriam deportados. O protesto público espontâneo de membros desse grupo reunidos diante do prédio da Rosenstrasse, por mais notável que fosse essa ação, não foi entretanto a causa da libertação dos homens presos, pois uma deportação de judeus vivendo como ‘casal misto’ não era regulamentada na época.”

Leopold Gutterer, assessor do Ministro da Propaganda, contradiz essa apreciação: “Goebbels libertou os judeus para eliminar definitivamente os protestos.(...) Para evitar que outros aprendessem com essa manifestação e a tomassem como exemplo, era preciso eliminar qualquer motivo de protesto.” Em seu livro exemplar, Destruction des juifs d’Europe4, Raul Hilberg vai na mesma direção, escrevendo que os maridos judeus de mulheres alemãs “foram finalmente libertados, pois percebeu-se, em última análise, que sua deportação ameaçava comprometer todo o processo de destruição”.

Versões questionáveis

Essa vitória é antes de mais nada uma resposta a todos os que justificaram sua passividade assegurando que “nada se podia fazer” contra o regime nazista

Com o recuo histórico, a vitória das mulheres da Rosenstrasse questiona o historiador. Essa vitória é antes de mais nada uma resposta contundente a todos os que justificaram sua passividade assegurando que “nada se podia fazer” contra o regime nazista. Mais: prova que a ação, longe de ser puramente simbólica, podia fazer o regime recuar. Para além do contexto muito particular do inverno de 1943, incita inclusive a reavaliar as relações que a ditadura mantinha com seu povo: a primeira não temeria as reações do segundo muito mais do que a historiografia tradicional afirma?

Eis o que explicaria, entre outras coisas, o segredo com o qual os dirigentes nazistas procuraram cercar o genocídio, mas também os esforços consideráveis que empregaram – como mostra no mesmo dossiê Götz Aly – para “comprar” os alemães. Pena que só houve uma Rosenstrasse...

(Trad.: Betty Almeida)

1 - Um único livro em francês trata exaustivamente desse caso: Nathan Stoltzfus, La résistance des coeurs. La révolte des femmes allemandes mariées à des juifs, Phébus, Paris, 2002. Este artigo apóia-se amplamente nas informações que o livro contém.
2 - Die Öffentliche Meinung im Hitlerstaat, Berlin Verlag, Berlin, 1995, p. 187.
3 - Politik der Vernichtung, Piper, Munich, 1998, p. 187.
4 - Fayard, Paris, 1998, p. 369.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Anti-Semitismo
» Guerras
» Segunda Guerra Mundial
» Lutas contra o Autoritarismo
» Feminismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos