Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Lei Rouanet e a cultura em demolição

» Rebelião em Londres: é o clima ou o sistema?

» A “inteligência caolha” da família Bolsonaro

» Opacidade: o direito de escapar à vigilância total

» O crime de Guarapuava e as elites sem freios

» Boaventura: os EUA flertam com o direito názi

» Argentina: ainda bem que há eleições…

» O bispo que não vai para o céu

» Prisões brasileiras: relato de dentro do inferno

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

Rede Social


Edição francesa


» Rwanda, retour sur un aveuglement international

» La riposte des exclus

» La justice, pilier ou béquille de la démocratie ?

» La canicule, révélateur d'une santé malade

» La caution des scientifiques

» Dans l'enfer blanc de l'amiante

» Fiasco à La Haye

» L'immigration au miroir des échecs de la gauche

» « Faxer » ou périr, une culture de l'urgence

» Comment Sciences-Po et l'ENA deviennent des « business schools »


Edição em inglês


» The making and unmaking of Brazilian democracy

» Mica mining, why watchdogs count

» LMD's New York debates

» Decriminalizing the drug war?

» April: the longer view

» Housing, rubbish, walls and failing infrastructure in East Jerusalem

» Mining profits go to foreign investors

» Combatting climate change: veganism or a Green New Deal?

» Berlin's fight for expropriation

» Afghanistan: the fighting continues


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França


CONSTITUIÇÃO EUROPÉIA

Um persistente déficit democrático

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O que é apontado como grande avanço democrático no Tratado Constitucional não passa de dispositivos formais, anulados pelo modelo econômico ultraliberal

Bernard Cassen - (01/05/2005)

Não se vê como a existência de uma função de representação suscitaria milagrosamente o consenso em relação a uma política comum aos “Vinte e cinco”

Os partidários do "sim" invocam progressos democráticos, dos quais seriam uma prova as disposições contidas na terceira parte do Tratado Constitucional Europeu (TCE). Citam as novas modalidades de cálculo da maioria qualificada (55% do número de Estados que representam pelo menos 65% da população da UE) que são certamente mais simples – porém apenas num pequeno grau – que aquelas do tratado de Nice atualmente em vigor1. Eles se apegam igualmente a duas criações: a de um posto de presidente do Conselho Europeu eleito por dois anos e meio, e do qual se espera que crie, no exterior, um "rosto” para a União Européia, bem como a de um ministro dos Negócios Estrangeiros.

Além de a delimitação (ou a confusão?) de responsabilidades entre essas duas personalidades, e entre elas e o presidente da Comissão, ter rendido boas discussões, não se vê como a existência de uma função de representação suscitaria milagrosamente o consenso em relação a uma política comum aos “Vinte e cinco”. O que poderia ter dito um ministro dos negócios estrangeiros da UE quando do desencadeamento da invasão anglo-americana no Iraque, considerando as posições contraditórias existentes?

Progressos pífios

O modelo econômico ultraliberal está inscrito na maior parte dos 332 artigos da terceira parte de um TCE que compreende o total de 448

Outros cinco "progressos" democráticos do tratado são pontualmente colocados:

- o direito de "alerta precoce": um terço dos parlamentos nacionais (ou 9 em 25), podem, em nome do princípio de subsidiariedade, obrigar a Comissão a reexaminar uma das suas propostas já apresentada ao Conselho, ou ao Conselho e ao Parlamento (protocolo n° 1 anexado ao TCE). O que é menos enfatizado é que a Comissão, instituição não eleita, conserva a última palavra: pode manter, alterar ou retirar sua proposta. Os parlamentos nacionais, mesmo se chegarem a se coligar, permanecerão em sua posição muito subalterna;

- o direito de iniciativa: um milhão de cidadãos da Europa pode convidar a Comissão a apresentar uma proposta de ato jurídico (artigo I-47). Aí, também, apesar do seu interesse simbólico, esse "direito" é mais que limitado: primeiro, a proposta deve entrar no âmbito da Constituição, o que remete ao conteúdo liberal desta última; em seguida, a Comissão, se ela der seqüência, não tem nenhuma obrigação de retomar o conteúdo do convite que lhe é dirigido. Ela permanece sendo o filtro discricionário entre os requerentes e as instituições originadas direta ou indiretamente do sufrágio universal que são o Parlamento e o Conselho;

- o aumento (de 29 a 35, de acordo com o método utilizado para o desconto) do número de domínios dependentes da co-decisão entre o Parlamento e o Conselho – apesar de o Conselho decidir sozinho em 21 domínios, os mais importantes, como por exemplo, o sistema fiscal e o essencial da política social;

- a divulgação das sessões do Conselho (artigo I-24) quando se delibera sobre uma proposta legislativa. Contudo, essa disposição corre o risco de ser bastante formal porque a maior parte das decisões são elaboradas, quando não tomadas oficiosamente, acima das reuniões do Conselho pelo Comitê dos Representantes Permanentes (Coreper) dos Estados que, este, não sedia publicamente;

- a nova possibilidade de um Estado se retirar da UE (artigo I-60).

Uma vez adicionados, todos esses pontos preenchem realmente o "déficit democrático" do funcionamento da UE? Em especial, aquele que induziria a "constitucionalização" do modelo econômico ultraliberal inscrito na maior parte dos 332 artigos da terceira parte de um TCE que compreende o total de 448.

(Trad.: Marcelo de Valécio)

1 - Ler "Este ‘desastroso’ tratado de Nice", Le Monde Diplomatique, fevereiro de 2005.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Neoliberalismo
» Plebiscitos e Referendos
» Crise da Democracia Representativa
» União Européia

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos