Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Fernando Meirelles vê Dois Papas e igreja em crise

» Em busca da funda de Davi

» Outras Palavras prepara nova travessia

» Argentina: o que esperar de Fernández e Cristina

» 2019, o ano do Pibinho do Guedes

» Lowy resgata a atualidade de Walter Benjamin

» Como Weintraub devasta e militariza a Educação

» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

Rede Social


Edição francesa


» La pêche, une guerre mondiale ignorée

» L'homme et les robots

» Le crépuscule de la raison

» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour


Edição em inglês


» UK's austerity election

» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


Faces da discriminação

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

As famílias judias têm renda média quase duas vezes maior que as árabes

Joseph Algazy - (01/10/2005)

Segundo o último relatório anual do Instituto Nacional de Previdência Social (2004), a pobreza atinge 49,9% das famílias árabes, contra menos de 20% das famílias judias. Pior: ela vitima 420 mil crianças árabes, ou 60% do total. Esta situação catastrófica se relaciona amplamente ao sub-emprego dos árabes. Entre os homens de 45 a 54 anos, 87% dos judeus são ativos, mas apenas 63% dos árabes. O mesmo acontece na faixa de 55-64 anos: 70% dos judeus trabalham, mas apenas 40% dos árabes. Do lado feminino, participam da força de trabalho 54,6% das judias e 23,4% das árabes. A renda média mensal de uma família judia é de 11.022 shekels e a de uma família árabe de 6.737 shekels1.

Mas é no âmbito local que as desigualdades estão mais presentes. Em matéria de saúde: as cidades judias, por exemplo, contam uma clínica para cada 15.500 pessoas, enquanto que nas cidades árabes2 conta-se uma para cada 29.500 pessoas. Acontece o mesmo com a educação: o Estado garante uma média semanal de 1,87 horas aos alunos judeus do primário e 1,51 aos alunos árabes3. E o que dizer do acesso das crianças ao pré-primário? Segundo o órgão central de estatísticas, em 2002, as creches acolheram apenas 3,2% das crianças árabes de dois anos, contra 39,7% das judias; 54,1% das crianças de três anos contra 89,5% das judias; 59,2% das de quatro anos, contra 89,3% das judias, e 93,2% das de cinco anos contra 99,4% das judias…

Para a socióloga Dafna Golan-Agnon, da Universidade de Jerusalém, três fatores tornam a educação discriminatória: primeiro o orçamento, porque o Estado não concede aos setores árabes, como deveria, 20% de suas despesas, o equivalente a 4,4 bilhões de shekels ; depois a ausência de cidadãos árabes nos organismos que determinam a política do ministério da Educação (mesmo nas zonas onde se concentra a população palestina); por fim, o fato de que os programas, mesmo nas escolas árabes, privilegiam os valores judaicos e sionistas, silenciando sobre a cultura, a história e a literatura palestinas.

(Trad.: Fabio de Castro)

1 - 1 euro = 5,6 shekels.
2 - Trata-se evidentemente de cidades árabes reconhecidas: os burgos não reconhecidos – sobretudo na Galiléia e no Neguev – não recebem um só shekel do Estado. Eles nem mesmo aparecem nos mapas rodoviários.
3 - Relatório 2003-2004 de Sikkuy, a Associação para o Progresso da Igualdade Cívica; Kul-alarab, Nazaré, 12 de agosto de 2005.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Israel
» Ocupação da Palestina
» Mundo Árabe
» Oriente Médio

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos