Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» E quando nos levantaremos contra os rentistas?

» “Quem tá na rua nunca tá perdido”

» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

Rede Social


Edição francesa


» Population, subsistance et révolution

» Une nouvelle classe de petits potentats domine les villages

» Vers une « révolution agricole »

» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


Faces da discriminação

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

As famílias judias têm renda média quase duas vezes maior que as árabes

Joseph Algazy - (01/10/2005)

Segundo o último relatório anual do Instituto Nacional de Previdência Social (2004), a pobreza atinge 49,9% das famílias árabes, contra menos de 20% das famílias judias. Pior: ela vitima 420 mil crianças árabes, ou 60% do total. Esta situação catastrófica se relaciona amplamente ao sub-emprego dos árabes. Entre os homens de 45 a 54 anos, 87% dos judeus são ativos, mas apenas 63% dos árabes. O mesmo acontece na faixa de 55-64 anos: 70% dos judeus trabalham, mas apenas 40% dos árabes. Do lado feminino, participam da força de trabalho 54,6% das judias e 23,4% das árabes. A renda média mensal de uma família judia é de 11.022 shekels e a de uma família árabe de 6.737 shekels1.

Mas é no âmbito local que as desigualdades estão mais presentes. Em matéria de saúde: as cidades judias, por exemplo, contam uma clínica para cada 15.500 pessoas, enquanto que nas cidades árabes2 conta-se uma para cada 29.500 pessoas. Acontece o mesmo com a educação: o Estado garante uma média semanal de 1,87 horas aos alunos judeus do primário e 1,51 aos alunos árabes3. E o que dizer do acesso das crianças ao pré-primário? Segundo o órgão central de estatísticas, em 2002, as creches acolheram apenas 3,2% das crianças árabes de dois anos, contra 39,7% das judias; 54,1% das crianças de três anos contra 89,5% das judias; 59,2% das de quatro anos, contra 89,3% das judias, e 93,2% das de cinco anos contra 99,4% das judias…

Para a socióloga Dafna Golan-Agnon, da Universidade de Jerusalém, três fatores tornam a educação discriminatória: primeiro o orçamento, porque o Estado não concede aos setores árabes, como deveria, 20% de suas despesas, o equivalente a 4,4 bilhões de shekels ; depois a ausência de cidadãos árabes nos organismos que determinam a política do ministério da Educação (mesmo nas zonas onde se concentra a população palestina); por fim, o fato de que os programas, mesmo nas escolas árabes, privilegiam os valores judaicos e sionistas, silenciando sobre a cultura, a história e a literatura palestinas.

(Trad.: Fabio de Castro)

1 - 1 euro = 5,6 shekels.
2 - Trata-se evidentemente de cidades árabes reconhecidas: os burgos não reconhecidos – sobretudo na Galiléia e no Neguev – não recebem um só shekel do Estado. Eles nem mesmo aparecem nos mapas rodoviários.
3 - Relatório 2003-2004 de Sikkuy, a Associação para o Progresso da Igualdade Cívica; Kul-alarab, Nazaré, 12 de agosto de 2005.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Israel
» Ocupação da Palestina
» Mundo Árabe
» Oriente Médio

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos