Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Argentina: o que esperar de Fernández e Cristina

» 2019, o ano do Pibinho do Guedes

» Lowy resgata a atualidade de Walter Benjamin

» Como Weintraub devasta e militariza a Educação

» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

Rede Social


Edição francesa


» La pêche, une guerre mondiale ignorée

» L'homme et les robots

» Le crépuscule de la raison

» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour


Edição em inglês


» UK's austerity election

» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


DOSSIÊ HONG KONG / PALAVRAS

"Livre" comércio, velha trampa

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Uma seleção de frases históricas (e reveladoras) sobre os interesses que se escondem por trás da «liberalização» forçada dos mercados

(01/12/2005)

Toda nação que, por meio de tarifas aduaneiras protetoras e restrições sobre a navegação, elevou seu poderio manufatureiro e naval a um grau de desenvolvimento tal que nenhuma outra nação é capaz de sustentar uma concorrência livre com ela, não pode fazer nada de mais judicioso que abandonar as escadas que fizeram a sua grandeza, que pregar às outras nações os benefícios do livre comércio e declarar, com o tom de um penitente, que estava até então perdida nos caminhos do erro e que, agora, pela primeira vez, conseguiu descobrir a verdade”.

Friedrich List, economista, 1840.

Durante séculos, a Inglaterra apoiou-se no protecionismo, praticou-o até seus limites mais extremos, e obteve resultados satisfatórios. Após dois séculos, ela considerou cômodo adotar o livre comércio, pois julga que o protecionismo não tem mais nada a lhe oferecer. Bem, senhores, o conhecimento que eu tenho de nosso país me conduz a pensar que, em menos de duzentos anos, quando a América tiver obtido do protecionismo tudo que ele tem a oferecer, ela adotará o livre comércio”.

Ulysses Grant, presidente dos Estados Unidos de 1868 a 1876.

Os que são prósperos devem colocar em funcionamento as políticas necessárias para reforçar essa prosperidade: menos impostos, menos regulamentação e mais livre comércio”.

George W. Bush, presidente dos Estados Unidos, 19/7/2001.

A liberalização do comércio só interromperá quando os estrangeiros começarem finalmente a pensar como os norte-americanos, a agir como os norte-americanos e, sobretudo, a comprar como os norte-americanos”.

Um funcionário norte-americano da OMC, Londres, 2001).

Os empregadores não têm nenhum remorso em reduzir seus quadros de funcionários e em deslocar suas operações. O êxodo dos empregos modifica o jogo. A importação de bens produzidos no exterior, e mesmo de serviços, em regimes de baixos preços, é o que disciplina melhor os mercados de trabalho local”.

Richard Epstein, professor na Universidade de Chicago, 3/10/2003.

A globalização (...) tem seu próprio elenco de regras econômicas, que necessitam da abertura, da desregulamentação, da privatização… e sua própria cultura dominante, que homogeneiza e difunde a americanização – dos Big Mac aos iMac e ao Mickey Mouse – em escala mundial”.

Thomas Friedmann, editorialista do New York Times, 1999.

É surpreendente e mesmo doloroso que a aldeia global à qual nós consagramos tantos esforços tenha feito tanto para alimentar o desemprego e os baixos salários de nosso povo”.

William Clinton, presidente dos Estados Unidos, 26/12/1993.

(Trad.: Carolina de Paula)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» OMC
» Instituições Globalitárias
» Comércio Internacional

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos