Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Oito teses sobre a Revolução Feminista

» As feridas da Guerra com Paraguai ainda latejam

» A última chance de salvar Julian Assange

» Quando a polícia bandida quer mandar na sociedade

» Zé do Caixão, herói do Cinema Popular Brasileiro

» Poderá Francisco salvar a Economia e o planeta?

» Auschwitz: os portões da memória ainda abertos

» As democracias engolidas e o erro de Piketty

» Eles lutam por todos nós

» Paulo Guedes, o bravateiro velhaco

Rede Social


Edição francesa


» Les échecs de la démocratisation et le lourd héritage de M. Moubarak

» Les paradoxes d'un régime libéré de l'héritage nassérien

» Départ sans gloire pour M. Anthony Blair

» Précurseurs et alliés du nazisme aux Etats-Unis

» Une Internationale… de la santé

» Wal-Mart à l'assaut du monde

» Réalité en quête de fictions

» Émergence d'une voix africaine

» L'astrologie, la gauche et la science

» L'Afrique conteste en rap


Edição em inglês


» Sinn Féin and the Irish elections

» The future of democracy in India

» US ideologues in the ascendant?

» US ideologues in the ascendant?

» Rojava, a fragmented territory

» Australia's angriest summer

» February: the longer view

» African national parks managed by African Parks

» Genetic medicine makes the world less fair

» From apartheid to philanthropy


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


DOSSIÊ HONG KONG / PALAVRAS

"Livre" comércio, velha trampa

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Uma seleção de frases históricas (e reveladoras) sobre os interesses que se escondem por trás da «liberalização» forçada dos mercados

(01/12/2005)

Toda nação que, por meio de tarifas aduaneiras protetoras e restrições sobre a navegação, elevou seu poderio manufatureiro e naval a um grau de desenvolvimento tal que nenhuma outra nação é capaz de sustentar uma concorrência livre com ela, não pode fazer nada de mais judicioso que abandonar as escadas que fizeram a sua grandeza, que pregar às outras nações os benefícios do livre comércio e declarar, com o tom de um penitente, que estava até então perdida nos caminhos do erro e que, agora, pela primeira vez, conseguiu descobrir a verdade”.

Friedrich List, economista, 1840.

Durante séculos, a Inglaterra apoiou-se no protecionismo, praticou-o até seus limites mais extremos, e obteve resultados satisfatórios. Após dois séculos, ela considerou cômodo adotar o livre comércio, pois julga que o protecionismo não tem mais nada a lhe oferecer. Bem, senhores, o conhecimento que eu tenho de nosso país me conduz a pensar que, em menos de duzentos anos, quando a América tiver obtido do protecionismo tudo que ele tem a oferecer, ela adotará o livre comércio”.

Ulysses Grant, presidente dos Estados Unidos de 1868 a 1876.

Os que são prósperos devem colocar em funcionamento as políticas necessárias para reforçar essa prosperidade: menos impostos, menos regulamentação e mais livre comércio”.

George W. Bush, presidente dos Estados Unidos, 19/7/2001.

A liberalização do comércio só interromperá quando os estrangeiros começarem finalmente a pensar como os norte-americanos, a agir como os norte-americanos e, sobretudo, a comprar como os norte-americanos”.

Um funcionário norte-americano da OMC, Londres, 2001).

Os empregadores não têm nenhum remorso em reduzir seus quadros de funcionários e em deslocar suas operações. O êxodo dos empregos modifica o jogo. A importação de bens produzidos no exterior, e mesmo de serviços, em regimes de baixos preços, é o que disciplina melhor os mercados de trabalho local”.

Richard Epstein, professor na Universidade de Chicago, 3/10/2003.

A globalização (...) tem seu próprio elenco de regras econômicas, que necessitam da abertura, da desregulamentação, da privatização… e sua própria cultura dominante, que homogeneiza e difunde a americanização – dos Big Mac aos iMac e ao Mickey Mouse – em escala mundial”.

Thomas Friedmann, editorialista do New York Times, 1999.

É surpreendente e mesmo doloroso que a aldeia global à qual nós consagramos tantos esforços tenha feito tanto para alimentar o desemprego e os baixos salários de nosso povo”.

William Clinton, presidente dos Estados Unidos, 26/12/1993.

(Trad.: Carolina de Paula)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» OMC
» Instituições Globalitárias
» Comércio Internacional

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos