Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Maquiavel explica o novo ministro da educação

» 10 de julho de 2020

» A luta decisiva contra o reconhecimento facial

» “Austeridade”, uma concha vazia

» Um vírus que revela nosso dissídio com a Natureza

» (Auto)cuidado – coletivo, político e inadiável

» Por que aproxima-se uma onda de fome no Brasil

» 9 de julho de 2020

» A formação da personalidade autoritária

» A estratégia indígena para enfrentar o vírus

Rede Social


Edição francesa


» Aux bons soins d'une société sécuritaire

» La police, la gauche et le changement

» Primes pour stimuler la production et sanctions contre les pratiques illégales

» Les difficultés de l'économie soviétique ravivent le débat entre traditionalistes et partisans de la réforme

» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social


Edição em inglês


» Meanwhile in Minneapolis

» Cities: the power of the urban

» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


DOSSIÊ ISLÃ / "AFFAIRE" DINAMARQUÊS

Há algo de podre...

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A Dinamarca é tudo, menos um Estado laico. Há uma religião oficial: o protestantismo luterano. Os padres são funcionários; os cursos de cristianismo, obrigatórios na escola

Alain Gresh - (01/03/2006)

Uma nação européia, pequena e valente, defendendo a liberdade de expressão. Um povo amável e tolerante surpreendido pela barbárie. Uma sociedade consternada pela irrupção do religioso na esfera política. Estes e tantos outros clichês sobre a Dinamarca pontuaram as polêmicas das últimas semanas, em torno das caricaturas do profeta Maomé.

É preciso, no entanto, raspar esse verniz para descobrir um quadro bem diferente dessas imagens bucólicas. A Dinamarca, recordemo-nos, é tudo - menos um Estado laico. Não apenas a igreja não é separada do Estado como existe uma religião de Estado, o protestantismo luterano. Os padres são funcionários, os cursos de cristianismo são obrigatórios na escola, etc.

A tolerância está seriamente comprometida num país onde a maioria de centro-direita só se sustenta graças a um partido de extrema-direita, o Partido do Povo Dinamarquês, que não deixa nada a dever para o Front Nacional francês.

As mídias devem desafiar tabus. Esperamos então as caricaturas - e os artigos - que ataquem os patrões da imprensa...

Hostilidade a tudo o que é muçulmano

Como ressalta o jornalista Martin Burchart: "Nós, dinamarqueses, tornamo-nos cada vez mais xenófobos. A publicação das caricaturas tem pouco a ver com a vontade de ver surgir um debate sobre a autocensura e a liberdade de expressão. Só pode ser compreendida dentro do clima de hostilidade velada a tudo o que seja muçulmano em nós.

O jornal Jyllands-Posten,que publicou as caricaturas de Maomé, havia se recusado há alguns anos a publicar uma caricatura que mostrava Cristo com uma coroa de espinhos transformados em bombas, investindo contra clínicas de aborto.

A liberdade de imprensa merece ser defendida. É inadmissível saquear consulados ou embaixadas - mais ainda, incendiá-las. Sim, as mídias devem desafiar tabus, mesmo se provamos ter mais coragem para contestar os tabus de nossa própria sociedade que os de outras. Esperamos então as caricaturas - e os artigos - que ataquem, na França, os patrões da imprensa que são Dassault, Bouygues ou Lagardère...

(Trad.: Patrícia Andrade)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Dinamarca
» Cristianismo
» Fundamentalismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos