Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Três medidas de emergência contra a crise social

» Shaheen Bagh: muçulmanas contra a xenofobia na Índia

» Crise estrutural no ocaso do capitalismo

» Quatro ameaças à Humanidade e uma saída

» A Renda Cidadã e a reinvenção do dinheiro

» Coronavírus: já tínhamos sido avisados

» Ou desaceleramos ou morremos todos

» Pandemia desnuda a Saúde falida nos EUA

» Assim Guimarães Rosa viu nossas águas e gente

» Sopram novos ventos de revolta contra o Uber

Rede Social


Edição francesa


» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général

» La citoyenneté au bord du gouffre

» À nos lecteurs

» Voyage en terres d'utopie

» Revenu minimum ou « deuxième chèque » ?

» Sur les voies du partage

» La télévision, les films et la conjoncture

» Mutation technologique, stagnation de la pensée


Edição em inglês


» The world rediscovers Cuban medical internationalism

» Iran in the time of corona

» Covid-19: a London diary

» When viruses become pandemics

» Bringing the state back in during Covid-19

» ‘LMD' on your tablet

» February 2020

» March 2020

» Lessons for the UK deployment to Mali

» Find LMD


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


DOSSIÊ TRANSGÊNICOS / FANTASIAS

"Plantas-remédios": desnecessárias e perigosas

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A manipulação genética é utilizada há um quarto de século para produzir, em laboratório, insulina, vacinas e outros medicamentos. Cultivar as plantas na natureza não traz nenhum benefício novo, e introduz o risco de contaminação

Christian Vélot - (01/04/2006)

"Plantas-medicamento" são plantas geneticamente modificadas (PGM) nas quais é introduzido um gene, com o fim de se produzir uma proteína de interesse farmacêutico. Há um quarto de século, a tecnologia de manipulação genética é utilizada em laboratório para a produção de diversas proteínas com fins terapêuticos (insulina, hormônio de crescimento, vacinas, etc.), empregando células em cultura (bactérias, levedos) e também células de insetos, de ovários de hamster e de vegetais, em fermentadores fechados.

Dois argumentos sem consistência

Os argumentos utilizados para justificar a súbita "necessidade" de se recorrer a plantas cultivadas em campo são de duas ordens: técnica e econômica. O argumento técnico sustenta que, freqüentemente, as proteínas só são funcionais após modificações químicas (como a adição de açúcares), que as plantas seriam mais aptas a realizar. Ocorre que o levedo, por exemplo, tem um resultado tão bom, ou até melhor, que a planta. Mesmo que os vegetais constituíssem o sistema ideal, as culturas de células de plantas geneticamente modificadas poderiam ser feitas em em espaço confinado - como já é o caso de 23 proteínas medicamentosas. O desempenho das culturas de células vegetais independe de clima, solo e estações do ano, além de eliminar qualquer risco de contaminação do medicamento por pesticidas.

Por outro lado, o argumento econômico, de que a cultura em campo requereria menor investimento, não considera os custos ambientais e sociais que uma contaminação por produção em campo acarretaria. Aliás, com células de raízes, a proteína produzida é freqüentemente excretada no meio de cultura. Cultivar tais plantas geneticamente modificadas em campo provoca risco de consumo descontrolado, tanto por animais quanto por humanos, de moléculas cujo consumo exigiria prescrição médica. Por sinal, em 2004, a Academia Norte-americana de Ciências emitiu um parecer crítico sobre essas PGM (Biological confinement of genetically engineered organisms). Por que não nos serve, neste caso, o exemplo dos EUA, ao jamais deixamos de nos referir?

(Trad.: Julien Bonnin)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Agronegócio
» Indústria Farmacêutica
» Ciência, Política e Ética
» Transgênicos

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos