'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Um balanço assustador
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 24 de setembro de 2021

» Dissidência jovem no coração do sistema

» Ainda não acabou: o mal-estar na pandemia

» Para entender as três crises do Haiti

» Uma cineasta à altura dos desafios de nosso tempo

» 23 de setembro de 2021

» Evergrande: falência e oportunidade na China

» Tecnologia e política para reconstruir mundo em ruínas

» Cinema: Aranha e nossas raízes fascistas

» 22 de setembro de 2021

Rede Social


Edição francesa


» Émergence de l'Asie sur la scène scientifique

» Singapour, Malaisie, Indonésie : triangle de croissance ou triangle des inégalités ?

» Les rêves déçus et la colère rentrée des harkis

» Conflits d'usages en mer Baltique

» Autocritiques cathodiques en Chine

» L'Australie séduite par la Chine

» Que faisons-nous en Irak ?

» De la mer en partage au partage de la mer

» La Russie à la conquête du Grand Nord

» Batailles pour le partage de la mer de Chine


Edição em inglês


» China's post-communist Communist Party

» The Manet effect

» The race to be German chancellor

» September: the longer view

» Meandering through Paraguay

» Don't expect tech giants to build back better

» Long hot nights on the Paraguay river

» Can Pedro Castillo unite Peru?

» Tensions mount over Yemen's contested islands

» Hungary's Fidesz builds a parallel state


Edição portuguesa


» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais

» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena


ITÁLIA / BERLUSCONI

Um balanço assustador

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O "contrato com os italianos", que garantiu a vitória do primeiro-ministro, há cinco anos, foi descumprido. Em seu lugar, o país viveu declínio econômico, ataque ao serviço público, atentados à democracia

Pierre Musso - (01/04/2006)

O crescimento do PIB permanece frágil e, desde a chegada de Berlusconi ao poder, a produção industrial recua muito, enquanto a produtividade do trabalho diminui

Um dos principais títulos de glória do berlusconismo no poder é ter batido o recorde de longevidade da história da República. Cerca de 1 800 dias para realizar o famoso "contrato com os italianos", apresentado num canal de televisão durante a campanha eleitoral de 2001. Silvio Berlusconi dizia, na época, buscar cinco objetivos: diminuir a pressão fiscal; reduzir a delinqüência, para melhorar a segurança dos cidadãos; aumentar o valor das aposentadorias, para um mínimo de um milhão de liras (520 euros); diminuir o desemprego, graças à criação de 1,5 milhões de empregos; e realizar 40% de um plano decenal de grandes obras. Se pelo menos quatro dessas promessas não fossem cumpridas, o Cavaliere se comprometeria a não disputar um novo mandato. Chegou a hora do balanço.

Para Francesco Rutelli, líder da coalizão de centro-esquerda em 2001, "o contrato foi traído e as promessas não cumpridas [1]". Luca Ricolfi, sociólogo na Universidade de Turim, estima que mais de 60% dos compromissos do chefe da Força Itália foram realizados [2]. A promessa de diminuição dos impostos teria sido respeitada em mais de 50%; a do aumento das pensões, em 100%; a do aumento dos empregos, em 81%; e a relativa à realização de grandes obras, em 68%. A diminuição dos delitos não pode ser realizada, mesmo com o reforço da polícia local. É claro que o presidente do conselho declara ter realizado todas seus compromissos. Qualificando-se como "governo mais reformador da história", ele reivindica umas trinta grandes reformas. Somente "Napoleão tinha feito mais que eu" chegou a anunciar na televisão.

Estagnação, escândalos, endividamento

Deixando de lado essas polêmicas, um balanço da política econômica e social do governo pode ser traçado. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (ISTAT), o desemprego baixou, passando de 9,2% da população ativa, em julho de 2001, a 7,1% no terceiro trimestre de 2005. Esta diminuição resultaria, no essencial, da regularização, desde fins de 2002, de 640 mil imigrantes que trabalhavam, mas não eram mais considerados nas estatísticas; da saída do mercado de trabalho de pessoas desencorajadas; e do aumento do tempo de trabalho das pessoas acima de 50 anos.

Pretendida pelo premiê, a privatização da RAI (TV pública) não pode ser feita. Um antigo dirigente comunista foi eleito presidente do Conselho Administrativo, por uma comissão parlamentar

O crescimento do produto interno bruto (PIB) permanece frágil [3] e, desde a chegada de Berlusconi ao poder, a produção industrial recua muito, enquanto a produtividade do trabalho diminui. Mesmo Luca Cordero di Montezemolo, presidente da Confindustria, a organização patronal que tinha sustentado o líder da direita em 2001, declarou que "é preciso reconstruir a Itália", considerando que a situação da economia é "dramática [4]".

A Itália tem o terceiro endividamento público do planeta, superior a 1,5 trilhões de euros: este nível da dívida é alarmante, pois ela é superior a 106% do PIB e poderia até mesmo subir a 109% em 2006. Quanto ao déficit público, ele devia ultrapassar os 3,5% do PIB em 2005 e poderia atingir 4% neste ano. A Península sofre, com isso, perda de credibilidade econômica e financeira, agravada pelo escândalo do grupo agro-alimentar Parmalat [5] com contabilidade fraudulenta e pela demissão forçada do diretor do Banco da Itália Antonio Fazio, suspeito de ter apoiado uma contra-OPA em favor de um banco da península.

A degradação das contas públicas é conseqüência, por um lado, do respeito aos compromissos do presidente do conselho: a diminuição dos impostos sobre salários e sobre as empresas, aumento do número de isentos. Também resulta do aumento de algumas despesas sociais, como os custos das aposentadorias e a soma de mil euros pagos para cada recém-nascido. Além disso, a forte evasão fiscal [6]. Os déficits públicos são os danos colaterais de uma política social posta em prática por uma coalizão de direita e de uma política econômica conduzida por dirigente de empresa. Mas essa degradação das contas públicas acompanha a crítica recorrente de Berlusconi contra as despesas do Estado, as instituições públicas, a justiça e os magistrados, em particular. Ele não hesitou em afirmar que "para fazer este trabalho é preciso ser mentalmente afetado e... antropologicamente diferente do resto da raça humana".

A avaliação do berlusconismo de empresa não tem ambigüidade. Depois de sua entrada na política, em 1993, o patrimônio familiar do premiê multiplicou por três, passando a 9,6 bilhões de euros

A grande batalha da comunicação

Esta obsessão antiestatal é a continuação, no campo político, de sua guerra contra a televisão pública. Desde seu retorno ao poder, o Cavaliere bradava seu famoso "anátema búlgaro", contra dois jornalistas da RAI, Enzo Biagi e Michele Santoro e contra o animador Daniele Luttazzi, afirmando que eles faziam um "uso criminoso da televisão pública paga com o dinheiro de todos". Isso era motivado por uma das principais reformas da legislatura: a lei Gasparri, de maio de 2004, que autoriza a privatização e o desmembramento da RAI. Entretanto, como a maioria das privatizações pretendidas pelo Cavaliere, a da televisão pública não pode ser feita. E um antigo dirigente do Partido Comunista Italiano (Cláudio Petruccioli, depois integrante da Democracia de Esquerda) foi eleito, por uma comissão parlamentar de vigilância, presidente do Conselho Administrativo.

Paralelamente, a lei Gasparri reforça a empresa Mediaset da qual Berlusconi é o acionista majoritário, evitando a transferência de seu canal Rede 4 para transmissão via satélite, o que reduziria sua audiência e receita publicitária. Ao oferecer à Mediaset "a possibilidade de crescimento potencial de 1 a 2 bilhões", como admitiu seu presidente, fiel braço direito do príncipe das mídias, esse reforço do poder midiático do Cavaliere provocou múltipla criticas. O Parlamento europeu adotou, por exemplo, um relatório afirmando que "o sistema italiano apresenta uma anomalia que consiste na reunião do poder econômico, político e mediático nas mãos de um só homem" [7].

Se a avaliação do berlusconismo político é objeto de polêmicas, a do berlusconismo de empresa não tem ambigüidade. Depois de sua entrada na política, em 1993, o valor do seu patrimônio familiar multiplicou-se por três, passando de 3,1 para 9,6 bilhões de euros. O valor na bolsa da cadeia de televisão Mediaset quase dobrou, depois de 1996. A venda de apenas 16,6% do seu capital, em 2005, alcançou 2,1 bilhão de euros líquidos. Em 11 anos, os dividendos do grupo Fininvest, propriedade da família Berlusconi, alcançaram, segundo o jornal Reppubblica (9/5/2005), aproximadamente 700 milhões de euros - ou seja, uma renda mensal média de 5,3 milhões de euros. Em 2005, essa renda dobrou para 11, 4 milhões de euros.

Apontado pela revista Forbes como detentor da vigésima maior fortuna do mundo, o Cavaliere, seria segundo o Financial Times, o quarto homem mais poderoso do planeta. Pois ele combina um triplo poder que nenhum outro dirigente detém no Ocidente: político, mediático e econômico. Mas, o "berlusconismo", encarnação desta santa trindade, poderá ainda ser o sonho de uma maioria de italianos, depois de testado durante cinco anos?

(Trad.: Celeste Marcondes)



[1] Citação do jornal "A Republica" de Roma de 20 de janeiro de 2006.

[2] Lucca Ricolfi, Tempo Scadutto, "Contrato con gli italiani" alla prova dei fatti, Il Mulini, Bolonha, 2006.

[3] De acordo com o Banco da Itália, a taxa de crescimento foi de 0,3% em 2002-2003, de 1,2% em 2004, mas ela baixou para 0,3% no primeiro semestre de 2005.

[4] Ver Lucca Cordero de Montezemolo no jornal cotidiano Il Sole 21 Ore do dia 27 de dezembro 2005.

[5] Ver Ignacio Ramonet, "O escândalo da Parmalat" , Le Monde Diplomatique, fevereiro de 2004

[6] De acordo com o Censis, as somas subtraídas da Receita foram estimadas, em 2004, em 200 bilhões, ou seja, 46 euros escondidos para cada 100 declarados.

[7] Relatório da Comissão das liberdades e direitos dos cidadãos, da justiça e do interior "sobre os riscos de violação na União Européia e particularmente na Itália, da liberdade de expressão e de informação". Relatório 2003/ 2237.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Itália
» Eleições
» Autoritarismo Neoliberal

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos