Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 11 de agosto de 2020

» Na cozinha, convite à imaginação pós-capitalista

» Por um Programa de Salvação Nacional

» A nova fase do poder imperial na América Latina

» 10 de agosto de 2020

» O trabalho feminino gratuito enfrenta a pandemia

» Fala um líder da República de Paraisópolis

» Não vale enfrentar Bolsonaro e esquecer neoliberalismo

» Quem ganha com a explosão de Beirute

» 7 de agostos de 2020

Rede Social


Edição francesa


» Victor Hugo peintre

» La mémoire meurtrie de Mahabad

» L'hostilité et la haine, ici, chaque jour...

» Contestation sonore en Angola

» Contre la concurrence, l'émulation

» Fascination pour les pôles

» Ignorance toxique

» L'Etat utopique ou la haine de l'histoire

» Tunisie : du protectorat à l'autonomie interne

» Algérie : Les réformes de 1947 et l'intégration


Edição em inglês


» Violence spreads in Nigeria

» US-Iran: an election showdown?

» August: the longer view

» Hagia Sophia in Turkey's culture wars

» Pilgrimage routes

» Bolivia's shrinking glaciers

» It's the healthcare system, stupid

» The Twenty Years' war

» Government by the worst

» The eternal Johann Sebastian


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2020

» Prisioneiros do paradigma

» A guerra dos vinte anos?

» Offshores: paraíso para alguns, inferno para todos

» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago


BANANAS III

Como age a OMC

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Cronologia das decisões que desfizeram os acordos entre países europeus e do Caribe, e permitiram às transnacionais bananeiras controlar o mercado

Phillippe Revelli - (01/05/2006)

1993. Na Organização Comum do Mercado da Banana (OCMB), a União Européia estabelece cotas para proteger a si e aos países ACP (antigas colônias de países europeus situados na África, no Caribe e no Pacífico, signatárias do Acordo de Cotonou junto à UE) da concorrência sul-americana.

1994. Os governos de cinco países da América Latina - Colômbia, Costa Rica, Nicarágua, Venezuela e Guatemala – apresentam queixa perante a Organização Mundial do Comércio (OMC) contra o regime europeu da banana.

1996. Em defesa de suas multinacionais estabelecidas na América Latina (Chiquita, Dole, Del Monte), os Estados Unidos, apesar de não terem uma produção significativa de bananas, ameaçam empreender retaliações comerciais contra a Comissão Européia.

1997. O órgão de resolução de controvérsias da OMC condena a OCMB.

1998. Em 8 de janeiro, o mediador da OMC estabelece que a UE se conforme às condições impostas pela OMC até 1º de janeiro de 1999.

1999. A UE lavra uma versão revisada da OCMB que não satisfaz aos estadunidenses.

2001. No dia 11 de abril, é firmado um acordo entre europeus e norte-americanos.

1º/1/2006. A União Européia aplica um novo regime de importação em conformidade com as exigências da OMC. O sistema de cotas é substituído por uma tarifa aduaneira única de 176 euros por tonelada.

Tradução: Julien Bonnin julienbonnin@gmail.com




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Equador
» Agronegócio
» OMC
» Instituições Globalitárias
» Livre Comércio e Desigualdade
» Precarização do Trabalho
» América Latina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos