Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Devoir de réserve, un effet d'intimidation

» La Pologne s'accroche à son charbon

» Le miasme et la jeune fille

» L'énigme de « La Coubre »

» Au Canada, la fin de la résignation pour les peuples autochtones

» Jean Cavaillès, une pensée explosive

» Au Rwanda, la tradition instrumentalisée

» Les municipalités laissent mourir les centres de santé

» Samsung ou l'empire de la peur

» Main basse sur l'eau des villes


Edição em inglês


» China: its rise and rise

» China leads the 5G race

» South Korea's feminists fight back

» The biosecurity myth

» The Huawei war

» Moscow's Active Citizens

» Greater Moscow's unsure future

» Golden age of coal turns to black dust

» For those in peril on the sea

» China's outlaw fishermen


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


TCHETCHNIA II

Quinze anos de confrontos

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Os enfrentamentos ocorridos desde 1994 vitimaram entre 50 e 250 mil pessoas. Mais de 300 mil tchetchnos vivem fora de seus territórios de origem

(01/05/2006)

Superfície: 15.500 km2 (ou 70% da área de Sergipe) População: 1.103.686, segundo recenseamento russo de 2002 (pouco maior que a de Campinas-SP) Presidente: Ali Alkhanov, desde agosto de 2004 PIB per capita: 600 Euros

1o/11/1991: Declaração de independência da Tchetcnia. 11/12/1994: Intervenção das tropas russas e início da primeira guerra. 31/08/1996: O acordo de Khassaviurt, assinado entre Alexandre Lebed (então chefe do Conselho de Segurança russo) e Aslan Maskhadov (chefe dos independentistas), põe fim à guerra. 27/1/1997: Maskhadov torna-se presidente, após eleições organizadas em preesença de observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE). 7/8/1999: Ofensiva sobre dois vilarejos da república vizinha do Daguestão, conduzida pelo chefe islamita tchetchno Chamil Bassaev. 1o/10/1999: As tropas militares russas invadem novamente a Tchetchnia, pelo norte. 30-3/1/2000: Tomada de Grozny, a capital, pelas forças militares russas. Os independentistas recuam para as montanhas do sul. 28/3/2000: Eleição de Vladimir Putin para a presidência da Federação Russa Junho 2000: O presidente russo Vladimir Poutim coloca a Tchetchnia "sob administração presidencial direta". 23-26/10/2002: Em Moscou, um comando tchetchno toma como reféns 700 espectadores no interior do teatro Dubrovka. O resgate pelas forças especiais provoca a morte de 115 pessoas, além de quase todos os seqüestradores. 22 /11/2002: Durante um encontro informal, o presidente George W. Bush e seu homólogo russo renunciam às suas divergências sobre a Tchetchnia em nome da "aliança anti-terrorista". 5/10/2003: Eleição de Ahmad Kadyrov para a presidência da Tchetchnia, com 82,5% dos votos. Ele seria assassinado no estádio Dynamo, em Grozny, em 9 de maio de 2004. 29/8/2004: Eleição do novo presidente, o pró-russo Ali Alkhanov. Razman Kadyrov, filho do antigo presidente, torna-se vice-primeiro ministro. 1o/9/2004: Terroristas tchetchnos tomam centenas de crianças e adultos como reféns numa escola em Beslan, na Ossétia do Norte (Federação Russa). Depois de três dias de cativeiro, as forças especiais russas atacam. Segundo o balanço oficial, houve 344 civis mortos, dos quais 186 eram crianças. 8/3/2005. Assassinato do antigo presidente independentista Aslan Maskhadov pelas forças especiais russas. 3/3/2006. Ramzan Kadyrov torna-se primeiro ministro em substituição a Sergueï Abramov, gravemente ferido em um acidente de trânsito em Moscou.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos