Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para entender o fascismo dos impotentes

» Previdência, o retrato de um país desigual — e cruel

» Quando os cientistas enfrentam o sistema

» Moro tenta escapulir em latim

» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

Rede Social


Edição francesa


» Pauvre et femme : la double peine

» M. Sarkozy déjà couronné par les oligarques des médias ?

» La Cisjordanie, nouveau « Far Est » du capitalisme israélien

» Protester avec l'électrochoc de la musique

» Canicule, médias et énergies renouvelables

» Autopsie d'une canicule

» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle


Edição em inglês


» US against Iran: war by other means

» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


TCHETCHNIA II

Quinze anos de confrontos

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Os enfrentamentos ocorridos desde 1994 vitimaram entre 50 e 250 mil pessoas. Mais de 300 mil tchetchnos vivem fora de seus territórios de origem

(01/05/2006)

Superfície: 15.500 km2 (ou 70% da área de Sergipe) População: 1.103.686, segundo recenseamento russo de 2002 (pouco maior que a de Campinas-SP) Presidente: Ali Alkhanov, desde agosto de 2004 PIB per capita: 600 Euros

1o/11/1991: Declaração de independência da Tchetcnia. 11/12/1994: Intervenção das tropas russas e início da primeira guerra. 31/08/1996: O acordo de Khassaviurt, assinado entre Alexandre Lebed (então chefe do Conselho de Segurança russo) e Aslan Maskhadov (chefe dos independentistas), põe fim à guerra. 27/1/1997: Maskhadov torna-se presidente, após eleições organizadas em preesença de observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE). 7/8/1999: Ofensiva sobre dois vilarejos da república vizinha do Daguestão, conduzida pelo chefe islamita tchetchno Chamil Bassaev. 1o/10/1999: As tropas militares russas invadem novamente a Tchetchnia, pelo norte. 30-3/1/2000: Tomada de Grozny, a capital, pelas forças militares russas. Os independentistas recuam para as montanhas do sul. 28/3/2000: Eleição de Vladimir Putin para a presidência da Federação Russa Junho 2000: O presidente russo Vladimir Poutim coloca a Tchetchnia "sob administração presidencial direta". 23-26/10/2002: Em Moscou, um comando tchetchno toma como reféns 700 espectadores no interior do teatro Dubrovka. O resgate pelas forças especiais provoca a morte de 115 pessoas, além de quase todos os seqüestradores. 22 /11/2002: Durante um encontro informal, o presidente George W. Bush e seu homólogo russo renunciam às suas divergências sobre a Tchetchnia em nome da "aliança anti-terrorista". 5/10/2003: Eleição de Ahmad Kadyrov para a presidência da Tchetchnia, com 82,5% dos votos. Ele seria assassinado no estádio Dynamo, em Grozny, em 9 de maio de 2004. 29/8/2004: Eleição do novo presidente, o pró-russo Ali Alkhanov. Razman Kadyrov, filho do antigo presidente, torna-se vice-primeiro ministro. 1o/9/2004: Terroristas tchetchnos tomam centenas de crianças e adultos como reféns numa escola em Beslan, na Ossétia do Norte (Federação Russa). Depois de três dias de cativeiro, as forças especiais russas atacam. Segundo o balanço oficial, houve 344 civis mortos, dos quais 186 eram crianças. 8/3/2005. Assassinato do antigo presidente independentista Aslan Maskhadov pelas forças especiais russas. 3/3/2006. Ramzan Kadyrov torna-se primeiro ministro em substituição a Sergueï Abramov, gravemente ferido em um acidente de trânsito em Moscou.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos