Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O vírus transparente e os unicórnios invisíveis

» Artimanhas do mercado para socializar prejuízos

» CARF: um tribunal paralelo a serviço dos sonegadores

» Bolsonarismo, manipulação e perversidade

» Pandemia expõe a Era dos Empregos de Merda

» Governo estrangula (ainda mais) Ciência brasileira

» Coronavírus e os limites morais do capitalismo

» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

Rede Social


Edição francesa


» L'Afrique tente de retenir ses médecins

» Du Monténégro au Kosovo, la Serbie défiée

» De l'utopie scientifique au péril sanitaire

» Controverses en Inde autour de l'histoire coloniale

» Le culte d'Internet

» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique


Edição em inglês


» April: the longer view

» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?



Irã, hipocrisia e interesses

Ilustração: Yili Rojas

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Por que a Casa Branca (e a mídia) querem transformar o Irã na “bola da vez”. Que medidas poderiam abrir caminho para um desarmamento nuclear completo

Antonio Martins - (23/05/2006)

“Produza a matéria, que eu produzirei a guerra”, teria dito William Randolph Hearst, magnata da mídia norte-americana, a um repórter enviado por ele para “cobrir”, em 1897, o “conflito” (até então inexistente) que levaria à anexação de Cuba pelos EUA. Uma lógica semelhante parece orientar o bombardeio midiático lançado, nas últimas semanas, contra o Irã. Se a opinião pública for convencida de que o país está disposto a produzir armas atômicas, e ameaçar com elas o Ocidente, então será possível defender um ataque militar.

Menos de três anos se passaram desde que os conglomerados de comunicação com alcance mundial endossaram as mentiras sobre “armas de destruição em massa” difundidas pela Casa Branca a respeito do Iraque. Esta insistência em repetir sem crítica os argumentos do poder é um sinal do quanto falta para assegurar o direito à informação, e de como a mídia pode ser convertida em instrumento de anestesia social e ameaça à paz. Mas vale a pena ir além. Que interesses estariam movendo a nova campanha de Washington? Ou, igualmente importante: como satisfazer o desejo legítimo das sociedades por proteção contra as armas nucleares?

Alguns textos publicados por Le Monde Diplomatique nos últimos anos ajudam a aprofundar a informação e o debate sobre estes temas cruciais. Um deles é “Quando os Estados Unidos provocam um confronto”, redigido em janeiro de 2005 por Walid Charara, jornalista especializado em assuntos árabes. O autor vê o Irã como grande obstáculo a um dos objetivos estratégicos centrais dos EUA: assegurar o controle do Oriente Médio e suas riquezas naturais – se possível, promovendo a chamada “remodelagem” da região.

Por sua população numerosa (70 milhões), sua localização estratégica e seu poder econômico não-desprezível, explica Charara, o Irã é o que se chama de “potência regional média”. Isso o transforma em possível parceiro do que o próprio Pentágono qualifica como futuros “concorrentes de mesmo nível” — ou seja, adversários (China, União Européia, Rússia e Índia) com potencial para desafiar, a médio prazo, o poder unilateral dos EUA. Para compreender melhor os objetivos geopolíticos que Washington adotou sob Bush, vale a pena ler também “A nova doutrina militar norte-americana”, de Paul-Marie de la Gorce.

O oligopólio das potências atômicas

Um amplo exame do dispositivo de direito internacional agora usado contra o Irã (o Tratado de Não-Proliferação Nuclear-TNP) foi o tema central da edição de novembro de 2005 do Le Monde Diplomatique. Em Sessenta anos de armas nucleares, Georges Le Guelte aponta a desigualdade flagrante como causa essencial da debilidade do TNP. Firmado em 1968, a partir de iniciativa dos cinco países que então possuíam armas atômicas [1], o acordo estabelece um oligopólio de potências nucleares. Autoriza os então detentores de artefatos atômicos a mantê-las; e procura obrigar todos os outros países a não desenvolvê-las...

Na mesma edição, Cyrus Safdari (O direito à tecnologia) descreve em detalhes as negociações mantidas entre o Irã e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) antes do início da crise atual. Sua impressão é de que, a cada concessão do Irã, a AIEA apresentava novas exigências. Além disso, as acusações atuais a Teerã teriam um sentido quase kafkiano: o país estaria sendo intimado a demonstrar que não desenvolve tecnologia que ’poderia’ ser usada, no futuro, para produzir armas atômicas... A mesma AIEA, contudo, teria adotado atitude inteiramente diversa em relação ao Egito e Coréia do Sul – dois grandes aliados dos EUA. Suas experiências nucleares secretas, muito semelhantes às desenvolvidas pelo Irã, foram descobertas pela agência, que, no entanto, contentou-se com uma “pequena repreensão”.

É admissível que um assunto gravidade tão grande quanto a difusão de armas nucleares seja tratado em meio a hipocrisia e interesses menores? Há quem julgue que não. Desde 1980, está em atividade uma ONG internacional denominada Médicos do Mundo para a Prevenção das Guerras Nucleares (IPPNW). Fundada por dois renomados cardiologistas (Bernard Lown, dos EUA, e Evgueni Chazov, da então URSS) e agraciada com o Prêmio Nobel da Paz em 1985, ela defende a abolição incondicional de todas as armas atômicas. Reúne 200 mil membros, espalhados por mais de 60 países. Não se limita a lançar propostas de longo prazo e demorada execução. Em seu site, é possivel encontrar, por exemplo, uma alternativa muito concreta para a crise iraniana. Assinado pela IPPNW e por diversas organizações e personalidades internacionais, um manifesto pede que o secretário-geral das Nações Unidas, Koffi Annan, intervenha no debate. Sugere-se até detalhes: constituir, tão logo quanto possível, uma “comissão de mediação da ONU, composta de personalidades de internacionalmente conhecidas” e encarregada de “encontrar saídas pacíficas num prazo de seis meses”.

Última pergunta: o público que assiste aos noticiários da TV não teria o direito de conhecer fatos como este?

Nosso dossiê:

> No Le Monde Diplomatique

Quando os Estados Unidos provocam um confronto, Walid Charara, janeiro de 2005

A nova doutrina militar norte-americana, Paul-Marie de La Gorce, março de 2002

Sessenta anos de armas nucleares, Georges La Guelte, novembro de 2005

O direito à tecnologia, Cyrus Safdar, novembro de 2005

> Outras Fontes

Médicos do Mundo para a Prevenção das Guerras Nucleares (IPPNW)



[1] Estados Unidos, União Soviética, França, Reino Unido e China.

Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos