Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O vírus transparente e os unicórnios invisíveis

» Artimanhas do mercado para socializar prejuízos

» CARF: um tribunal paralelo a serviço dos sonegadores

» Bolsonarismo, manipulação e perversidade

» Pandemia expõe a Era dos Empregos de Merda

» Governo estrangula (ainda mais) Ciência brasileira

» Coronavírus e os limites morais do capitalismo

» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

Rede Social


Edição francesa


» L'Afrique tente de retenir ses médecins

» Du Monténégro au Kosovo, la Serbie défiée

» De l'utopie scientifique au péril sanitaire

» Controverses en Inde autour de l'histoire coloniale

» Le culte d'Internet

» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique


Edição em inglês


» April: the longer view

» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


IMIGRAÇÃO / ALEMANHA

Quem são os “estrangeiros”

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Entre eles estão, segundo as estatísticas e a lei, 1,5 milhão de pessoas nascidas no país... A entrada de “repatriados tardios” e de migrantes não recenseados torna os números ainda mais precários

Albrecht Kieser - (01/06/2006)

O número de 7,3 milhões de estrangeiros recenseados na Alemanha inclui, de maneira absurda, os 1,5 milhões de “estrangeiros” nascidos no país. Somente são considerados alemães os indivíduos de “origem alemã” — ou seja, nascidos de pais alemães. A população da Alemanha Federal compreende, portanto, aproximadamente 9% de não-alemães – dos quais 27% vindos de países da União Européia, 25% da Turquia, 14% da ex-Iugoslávia, 4,5% da Polônia (na época, ainda não membro da União Européia), 1,2% da Romênia, 1,5% dos Estados-Unidos, 1,2% do Vietnã, 1,1% do Marrocos, 1,1% do Irã, etc.

Durante a última década, o número de candidatos a asilo diminuiu rapidamente – 440 mil em 1992, 128 mil em 1995, 36 mil em 2004. Em compensação, os reagrupamentos familiares fizeram com que aumentasse ligeiramente o número total de migrantes. Além disso, o número de trabalhadores imigrantes possuidores de um visto de permanência limitada (missões pontuais e contratos sazonais) aumentou.

As estatísticas sobre os “estrangeiros” ocultam, além de tudo, dois elementos que contribuem, de maneira importante, para dar a impressão de um crescimento da imigração: de um lado, a entrada na Alemanha de migrantes e refugiados não recenseados, cujo número aumentou no mínimo em 500 mil, desde o início dos anos 1990; de outro, a chegada de quase 3 milhões de“alemães de origem” e de “repatriados tardios de origem alemã” que “retornaram” desde 1988.

Nos últimos dez anos, 800 mil pessoas tornaram-se alemãs através da naturalização. A eles acrescentam-se todos os alemães que, após a segunda guerra mundial, tiveram que abandonar os antigos territórios do Leste (em particular a Polônia ou a Tchecoslováquia), para se refugiar na República Federal da Alemanha (RFA: 8,1 milhões) ou na República Democrática Alemã (RDA: 3,6 milhões). Não devemos esquecer, tampouco, os 4,6 milhões de desertores da RDA que passaram, antes de 1989, para a RFA.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos