Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O vírus transparente e os unicórnios invisíveis

» Artimanhas do mercado para socializar prejuízos

» CARF: um tribunal paralelo a serviço dos sonegadores

» Bolsonarismo, manipulação e perversidade

» Pandemia expõe a Era dos Empregos de Merda

» Governo estrangula (ainda mais) Ciência brasileira

» Coronavírus e os limites morais do capitalismo

» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

Rede Social


Edição francesa


» L'Afrique tente de retenir ses médecins

» Du Monténégro au Kosovo, la Serbie défiée

» De l'utopie scientifique au péril sanitaire

» Controverses en Inde autour de l'histoire coloniale

» Le culte d'Internet

» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique


Edição em inglês


» April: the longer view

» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


CIÊNCIA, CAPITAL E PODER

Os herdeiros do DDT

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A pretexto da luta contra a malária, um pequeno grupo de cientistas, apoiado por transnacionais e à frente de ONGs de mercado, procura reabilitar um inseticida para o qual existem, há muito, alternativas ambientalmente corretas

Philippe Rivière - (01/07/2006)

É a certidão de nascimento do movimento ecológico: já em 1962, o livro Silent Spring [1], da zoóloga Rachel Carson dava o alarme contra os efeitos devastadores do dicloro-difenil-tricloroetano (DDT) sobre a fauna. Levou à proibição do uso do DDT na agricultura, nos Estados Unidos, e à tomada de consciência internacional dos perigos dos poluentes orgânicos persistentes (POP), que se acumulam ao longo da cadeia alimentar.

Com o ressurgimento da malária, alguns acalentam a esperança de uma desforra. Pois embora existam inseticidas biodegradáveis (piretros), o DDT continua a ser o produto mais eficaz e mais barato contra os mosquitos. Pelo menos, na opinião de seus defensores. A discussão ferve nas maiores revistas médicas, onde os debatedores se sucedem para condenar ou apoiar o tratado internacional sobre o uso dos POP [2]. Em seu último thriller, resolutamente anti-ecologista, Etat d’urgence [3], o romancista de sucesso Michael Crichton não hesita em afirmar – por intermédio de um personagem – que a proibição do DDT «matou mais gente que Hitler».

Estranhamente, os libelos publicados na imprensa e os relatórios citados a favor do DDT levam sempre a um pequeno punhado de signatários. Principalmente os senhores Amir Attaran e Roger Bate. O primeiro, um professor universitário com passagem por Harvard, ex-consultor dos Médicos sem Fronteiras tornou-se ... porta-voz das companhias farmacêuticas.O segundo co-dirige a Africa Fighting Malaria (AFM), uma «ONG com sede na África do Sul», militante pró-DDT. «Pela natureza do [seu] trabalho», a AFM é proibida de receber financiamentos «de governos, da indústria química [ou] farmacêutica». Seus patrocinadores incluem a companhia petrolifera ExxonMobil e o grupo de mineração AngloAmerican. Os mesmos pesquisadores-militantes pró-mercado são consultores de ONGs do mesmo quilate, como o Competitive Enterprise Institute, que recebe, com toda a independência, doações da Fprd, Philip Morris, Pfizer...

Tradução: Betty Almeida betty_blues_@hotmail.com



[1] Rachel Carson, Primavera Silenciosa. São Paulo: Melhoramentos, 1965.

[2] Convenção de Estocolmo sobre os poluentes orgânicos persistentes, em vigor a partir de maio de 2004.

[3] Michael Crichton, Etat d’urgence, Robert Laffont, 2006.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos