'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Viajar, conhecer e preservar
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

» No cinema, o ser fragmentado dos indígenas

» Seriam os neoliberais terraplanistas?

» Paulo Guedes sonha com seu 18 Brumário

» A hegemonia pentecostal no Brasil

Rede Social


Edição francesa


» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour

» L'offensive libérale contre le monde du travail

» « Donner confiance aux hommes »

» Naissance d'un charisme


Edição em inglês


» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


AMBIENTE

Viajar, conhecer e preservar

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O que é o “turismo comunitário” e como ele permite conhecer novas partes do planeta, mantendo contato com os habitantes do local e participando da preservação de sua cultura e ambiente

Anne Vigna - (01/07/2006)

As organizações indígenas, camponesas e ambientais são as primeiras a se decepcionar com o aviltamento do eco-turismo. Algumas delas viram na idéia de “turismo comunitário” a oportunidade de realizar intercâmbio com os visitantes num contexto diferente. Outras financiam a proteção das terras (contra incêndios e corte ilegal da madeira), guiando os excursionistas. Há mais de 20 anos, com uma grande diversidade de idéias, conceitos e meios, certas comunidades elaboraram projetos de recepção e de acolhimento, auxiliadas por associações e universitários, ou inspiradas nos fóruns dos quais participaram.

Hoje exilado no Canadá porque sua vida está ameaçada pela política do governador do Estado mexicano de Oaxaca [1], Ulises Ruiz, Raul Gatica explicava, em junho de 2005, os motivos da criação de um projeto turístico pelo Conselho Indígena Popular de Oaxaca – Ricardo Flores Magón (CIPO-RFM), uma rede de 22 comunidades: “Lutamos contra o corte ilegal de nossas florestas (realizado com o apoio do governo) e a devastação generalizada de nossas terras. Sofremos uma repressão sem precedentes. Quando se encontram turistas em nossas comunidades, há bem menos paramilitares, bem menos problemas. É também um meio de mostrar nossas condições de vida e nossa luta.” O CIPO não criou cabanas para os visitantes. Eles dormem, vivem e comem com famílias da comunidade e “nas mesmas condições: é um dos pontos principais de nossa proposta. Eles vêm à nossa casa”. Colheita do milho, extração do mel, pesca ou preparação das tortillas, de acordo com a estação do ano e do meio-ambiente, desde as praias do Pacífico até às frias montanhas da Sierra Norte. A rede do CIPO oferece uma maravilhosa viagem ao coração da realidade indígena de Oaxaca.

Na Guatemala, contra as futuras represas previstas pelo Plano Puebla Panamá sobre o rio Usumacinta, prepara-se o mesmo tipo de operação. “O turismo comunitário ajuda, primeiro, devemos encontrar atividades para ficarmos em nossas terras. Além disso, é um excelente meio para chamar a atenção”, explica Augustin Terala, membro da Frente Petenero contra as Represas (FPCR). Ao mostrar a beleza do rio Usumacinta, os membros da Frente querem explicar aos visitantes os estragos ecológicos que provocariam as obras de concreto.

Apresentar a floresta ou vender miçangas?

Na mesma região, a Associação das Comunidades Florestais do Peten (Acofop), reforça sua atividade de turismo comunitário face à ameaça de um outro tipo de turismo no sítio arqueológico do Mirador (leia “Em nome da Natureza”, nesta edição). Há mais de 10 anos, a comunidade da Carmelita [2] propõe descobri-lo em pequenos grupos, durante 5 dias de caminhada na floresta: um verdadeiro turismo de baixo impacto pelas veredas e um momento privilegiado com os que vivem e trabalham nessa floresta. “Sabemos que o projeto de Hansen [arqueólogo norte-americano que elaborou o complexo turístico] propõe que vendamos lembranças, mas preferimos passear pela floresta e mostrar nosso trabalho, explica Freddy Molina. O turismo limitado e administrado pela comunidade é um complemento interessante de nossa atividade florestal que também apresentamos ao visitante.”

Antropóloga do Instituto de Pesquisas Sociais da UNAM (Universidade do México), Luisa Paré pensava a mesma coisa ao criar o primeiro projeto que iria originar a Rede de Eco-Turismo Comunitário dos Tuxtlas (RECT), no Estado de Veracruz, no México. O principal objetivo era enfraquecer a criação brutal da Reserva da Biosfera dos Tuxtlas, em 1998, a qual expropriava os habitantes de suas terras e impunha regulamentos às comunidades locais para impedir o desflorestamento. “A criação da reserva não propunha alternativa econômica”, lembra a antropóloga, “e os habitantes não foram consultados sobre o seu traçado. A prioridade era a biodiversidade e os habitantes deviam adaptar-se. Sabíamos, ao contrário, que, sem a participação da população, a criação de uma reserva nada mudaria em termos de preservação.”

Ao longo dos anos, várias atividades econômicas compatíveis com o ambiente (eco-turismo, artesanato em madeira, agricultura biológica) foram desenvolvidas nas aldeias. Os habitantes aceitaram proteger a floresta e as nascentes de água, graças a um plano de desenvolvimento sustentável, como o desejava a direção da reserva. “Mas, em troca, eles recebem compensações justas e participam do processo de decisão, pois prestam um serviço ambiental. Ou seja, eles trabalham, como a reserva, em prol da proteção dos recursos do planeta.”

O eco-turismo tende a ir neste sentido: obter recursos financeiros e materiais destinados às populações locais para que elas protejam o meio-ambiente e tenham acesso a serviços, tais como a água potável e a eletricidade – aliás, indispensáveis para receber um turista. No meio rural, um turismo limitado e controlado localmente pode ser uma fonte de renda interessante, em particular durante as estações do ano em que a atividade agrícola é fraca. Diante da situação econômica catastrófica na qual se encontra o campo na América Central e no México, o eco-turismo já permitiu evitar a falência de pequenas explorações familiares. E a organização comunitária dessa atividade é essencial: é fundamental que numa aldeia, os problemas do turismo (gestão do lixo, consumo de água e de energia), bem como seus eventuais benefícios (empregos, formação, serviços públicos), sejam objeto de uma gestão cuidadosamente organizada.

Tradução: Marci Helaine marci.helaine@terra.com.br



[1] Desde sua chegada ao poder, em dezembro de 2004, o governador Ulises Ruiz (Partido Revolucionário Institucional) aprisiounou 152 opositores, entre eles os principais animadores das organizações indígenas. Os motivos alegados são tão convincentes como “roubo de dinheiro em ônibus” — acusação atirada a Alejandro Cruz, advogado e presidente da Organização Indígena dos Direitos Humanos de Oaxaca (Oidho).

[2] Para maiores informações sobre esses projetos de turismo solidário (Carmelita, CIPO, Tuxtlas): www.echoway.org


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos