Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 15 de outubro de 2021

» É possível ser flaneur em meio aos escombros?

» O tempo livre e o novo feitiço do capital

» Da guerra no Afeganistão à guerra feminista

» Viagem ao coração das trevas do capitalismo

» As lições da China para erradicar a pobreza

» 14 de outubro de 2021

» A esperança da paz e a permanência das guerras

» Amazônia: a defesa covarde da “soberania”

» Aborto: quando os EUA têm um quê de Talibã

Rede Social


Edição francesa


» Ces « traîtres » qui sauvèrent l'honneur de la France

» A la recherche d'un destin commun en Nouvelle-Calédonie

» L'école algérienne face au piège identitaire

» Envoyés spéciaux de la guerre d'Espagne

» La ballade des prétendus

» Le théorème de la mélancolie

» Sécurité nucléaire, les risques de la dérégulation

» Éloge de la fermière

» Bientôt des robots au chevet des patients japonais

» En Afghanistan, double piège pour les femmes


Edição em inglês


» Taiwan at the heart of the US-China conflict

» October: the longer view

» What do we produce, and why?

» Hunger in France's land of plenty

» In search of a good food deal

» Georgia's love-hate affair with Russia

» Latin America faces tough choices

» Recognising the PRC

» Behind bars: resisting the Turkish state

» Taiwan strengthens ties with the US


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais


FACES DO MACHISMO

Desiguais diante da morte

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Em todo o mundo, a expectativa de vida das mulheres supera a dos homens, por razões genéticas, sócio-culturais e comportamentais. Na Ásia é diferente...

Isabelle Attané - (01/07/2006)

Em quase todos os lugares do mundo, a esperança de vida das mulheres é superior à dos homens, por razões ao mesmo tempo genéticas, sócio-culturais e comportamentais: as mulheres consomem menos álcool e tabaco regularmente, e são menos submetidas a acidentes e estresse.

Em muitos países asiáticos, essa regra não vigora. Na Índia, a diferença de esperança de vida entre os sexos é de menos de um ano. A título de comparação, a vida média é dois anos mais longa para as mulheres na África subsaariana, uma das regiões mais pobres do mundo; três anos no Vietnã; seis anos na Malásia; sete anos no Japão.

Em Bangladesh, homens e mulheres têm uma esperança de vida praticamente equivalente: 58 anos. No Paquistão, os homens vivem em média quatro meses a mais que as mulheres (59,2 anos e 58,9 anos, respectivamente).

Na China, pelo contrário, a regra internacional aplica-se melhor, com uma diferença de esperança de vida de três anos em favor das mulheres. É, contudo, um índice aquém do que se poderia esperar na ausência de desigualdades.

Tradução: Carolina Massuia de Paula carolmpaula@yahoo.com.br




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos