Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


FACES DO MACHISMO

Desiguais diante da morte

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Em todo o mundo, a expectativa de vida das mulheres supera a dos homens, por razões genéticas, sócio-culturais e comportamentais. Na Ásia é diferente...

Isabelle Attané - (01/07/2006)

Em quase todos os lugares do mundo, a esperança de vida das mulheres é superior à dos homens, por razões ao mesmo tempo genéticas, sócio-culturais e comportamentais: as mulheres consomem menos álcool e tabaco regularmente, e são menos submetidas a acidentes e estresse.

Em muitos países asiáticos, essa regra não vigora. Na Índia, a diferença de esperança de vida entre os sexos é de menos de um ano. A título de comparação, a vida média é dois anos mais longa para as mulheres na África subsaariana, uma das regiões mais pobres do mundo; três anos no Vietnã; seis anos na Malásia; sete anos no Japão.

Em Bangladesh, homens e mulheres têm uma esperança de vida praticamente equivalente: 58 anos. No Paquistão, os homens vivem em média quatro meses a mais que as mulheres (59,2 anos e 58,9 anos, respectivamente).

Na China, pelo contrário, a regra internacional aplica-se melhor, com uma diferença de esperança de vida de três anos em favor das mulheres. É, contudo, um índice aquém do que se poderia esperar na ausência de desigualdades.

Tradução: Carolina Massuia de Paula carolmpaula@yahoo.com.br




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos