Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 27 de maio de 2022

» Corbyn: Um apelo à ação carregada de utopia

» Dowbor: Em busca de saídas ao inferno da precarização

» Como socorrer o Brasil que tem fome

» Guerra: a questão do critério e a confusão da esquerda

» 26 de maio de 2022

» Colômbia: como esquerda reavivou esperanças

» Getninjas: o perverso leilão digital de trabalho humano

» Cinema: Em Tantas almas, a contracorrente da guerra suja

» 25 de maio de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Évolution des budgets militaires des pays membres de l'OTAN

» Comment ça marche ? Les structures de fonctionnement de l'OTAN

» L'avancée vers l'est

» Ventes d'armes des États-Unis à leurs partenaires

» Opérations militaires de l'OTAN

» Mario Vargas Llosa, Victor Hugo et « Les Misérables »

» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche


Edição em inglês


» France's new vocation

» Lawfare in the Mediterranean

» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'


Edição portuguesa


» Na morte de MÁRIO MESQUITA (1950-2022)

» Rumos do jornalismo na era da hipérbole

» Transparência e opacidade no jornalismo português

» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong


FACES DO MACHISMO

Desiguais diante da morte

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Em todo o mundo, a expectativa de vida das mulheres supera a dos homens, por razões genéticas, sócio-culturais e comportamentais. Na Ásia é diferente...

Isabelle Attané - (01/07/2006)

Em quase todos os lugares do mundo, a esperança de vida das mulheres é superior à dos homens, por razões ao mesmo tempo genéticas, sócio-culturais e comportamentais: as mulheres consomem menos álcool e tabaco regularmente, e são menos submetidas a acidentes e estresse.

Em muitos países asiáticos, essa regra não vigora. Na Índia, a diferença de esperança de vida entre os sexos é de menos de um ano. A título de comparação, a vida média é dois anos mais longa para as mulheres na África subsaariana, uma das regiões mais pobres do mundo; três anos no Vietnã; seis anos na Malásia; sete anos no Japão.

Em Bangladesh, homens e mulheres têm uma esperança de vida praticamente equivalente: 58 anos. No Paquistão, os homens vivem em média quatro meses a mais que as mulheres (59,2 anos e 58,9 anos, respectivamente).

Na China, pelo contrário, a regra internacional aplica-se melhor, com uma diferença de esperança de vida de três anos em favor das mulheres. É, contudo, um índice aquém do que se poderia esperar na ausência de desigualdades.

Tradução: Carolina Massuia de Paula carolmpaula@yahoo.com.br




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos