Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

» As mentiras da ciência a serviço do mercado

» Anatomia da próxima recessão global

» Passo a passo para frear a devastação da Amazônia

Rede Social


Edição francesa


» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil

» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation

» Le piège du 11-Septembre

» Quand la gomme arabique fait tanguer l'Amérique

» Au Kosovo, la « sale guerre » de l'UCK

» L'école publique à l'encan

» Le régime de Khartoum bousculé par la sécession du Sud


Edição em inglês


» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model

» Soft power influence in the Arabian Gulf

» Life with bribes and kickbacks


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


CONGO

O difícil caminho para a paz

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Após a independência, e o assassinato de Patrice Lumumba, uma sucessão de ditadores e guerras. Com a União Nacional e a Constituição, haverá, agora, esperança?

(01/07/2006)

Junho de 1960: Independência da colônia belga com o nome de República do Congo.

17 de janeiro de 1961: Assassinato do primeiro ministro Patrice Lumumba.

1965: Golpe de Estado de Joseph Mobutu.

1971: O país passa a chamar-se Zaire.

1991: A transição democrática é iniciada em uma Conferência Nacional. Acontecem saques e revoltas na capital Kinshasa.

Maio de 1997: As tropas da Aliança das Forças Democráticas para a Libertação (AFDL) derrubam o presidente. Fim da primeira guerra do Congo. Laurent-Désiré Kabila proclama-se presidente da República Democrática do Congo (RDC).

2 de agosto de 1998: Militares banyamulenge (congoleses tutsis de origem ruandesa) lançam um movimento de rebelião no Kivu. Segunda guerra do Congo.

24 de fevereiro de 2000: A ONU envia 5.537 capacetes azuis para garantir o cessar fogo.

16 de janeiro de 2001: Laurent-Désiré Kabila, assassinado, é substituído por seu filho Joseph.

Fevereiro de 2002 a abril de 2003: Diálogo intercongolês em Sun City (África do Sul) entre o governo, os rebeldes, a sociedade civil e a classe política.

Julho a setembro de 2002: Acordos de paz entre a RDC, Ruanda e Angola.

4 de abril de 2003: Promulgação da Constituição de Transição.

30 de junho de 2003: Formação de um governo de transição chamado de União Nacional, composto pelo presidente Joseph Kabila e de quatro vice-presidentes de diferentes tendências políticas do país.

18 de fevereiro de 2006: O projeto de Constituição é aprovado por um referendo.

30 de julho de 2006: Eleições presidenciais, legislativas e provinciais previstas.

Tradução: Sílvia Pedrosa silvia@zeapinc.com




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos