Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

» 16 de setembro de 2021

» Brasil dos Borba Gato aos Bolsonaro

» 60 anos do Centro Popular de Cultura da UNE – e seu legado

» Muhammad Ali e Malcom X, em tempo de indelicadeza

» 15 de setembro de 2021

» Para entender o singular colonialismo israelense

» A tormenta que ameaça a Europa pós-Merkel

» A tormenta que ameaça a Europa pós-Merkel

» Juros, o remédio inadequado contra a inflação

Rede Social


Edição francesa


» Autocritiques cathodiques en Chine

» L'Australie séduite par la Chine

» Que faisons-nous en Irak ?

» De la mer en partage au partage de la mer

» La Russie à la conquête du Grand Nord

» Batailles pour le partage de la mer de Chine

» Pétrole, bases et conflits dans le Golfe

» Ces industries florissantes de la peur permanente

» L'ultime trahison

» Tous américains


Edição em inglês


» China's post-communist Communist Party

» The Manet effect

» The race to be German chancellor

» September: the longer view

» Meandering through Paraguay

» Don't expect tech giants to build back better

» Long hot nights on the Paraguay river

» Can Pedro Castillo unite Peru?

» Tensions mount over Yemen's contested islands

» Hungary's Fidesz builds a parallel state


Edição portuguesa


» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais

» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena


ÁFRICA DO SUL

Desigualdade sem fim

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

As novas leis estabelecem igualdade civil entre negros e brancos. Mas a distribuição de riquezas continuou piorando, mesmo com o fim da política de discriminação e a chegada dos negros à presidência

Johann Roussouw - (06/09/2006)

Entre 1991 e 2002, o índice de desemprego entre os negros mais que dobrou: de 23,3% para 47,8%, enquanto o desemprego entre os brancos passou de 4% para 9,9% [1].

O índice de Gini, que mede as desigualdades de renda, está em 0,72 para os sul-africanos negros (sendo que o valor de alerta está fixado em 0,4), um dos índices mais elevados do mundo. Ele é de menos de 0,6 para brancos e asiáticos, e de 0,64 para mestiços.

Segundo Sampie Terreblanche [2], a participação das famílias mais pobres (40% do total, 50% da população) na renda nacional diminuiu de 5,2%, em 1975, para 3,3%, em 2001. Neste período, a parcela abocanhada pelas famílias mais ricas (20% do total, 16,6% da população) subiu de 70,9% para 72,2%.

A expectativa de vida (47,8 anos, em 2000) regrediu (44,6 anos, em 2004) e o índice de mortalidade infantil avançou, no mesmo período, de 50 para 54 em cada grupo de 1000 crianças nascidas vivas.

Tradução: Patrícia Andrade pat.patricia@voila.fr



[1] Carel van Aardt en Mari Harris, "Ongelykhede binne en tussen die verskillende bevolkingsgroepe in Suid-Afrika", Die Vrye Afrikaan, Johannesburg, 18 de novembro de 2005.

[2] Sampie Terreblanche, A History of Inequality in South Africa 1652 – 2002, University of Natal Press/ Sandton, KMM Review Publishing, Pietermaritzburg, 2002.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» África do Sul
» África
» Desigualdade e Fraturas Sociais

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos