Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Eles lutam por todos nós

» Paulo Guedes, o bravateiro velhaco

» Mídia: a descarada sabotagem a Bernie Sanders

» Cronofagia: o roubo do tempo, sono e ideias

» Economia: o fantasma da crise externa

» Aos pobres, a xepa

» Por que o Brasil precisa de um Estado gastador

» A empregada de Guedes e a cozinheira de Lênin

» Esquerda e governo: ideias e lições históricas (2)

» Evo: Como reconstruir o Socialismo Comunitário

Rede Social


Edição francesa


» Les sondés ne veulent plus parler

» Apolitisme très politique des journaux municipaux

» La force molle de la social-démocratie

» L'enfance, une espèce en danger ?

» Progrès technologique et régression sociale

» La recolonisation du plus pauvre pays de l'hémisphère occidental

» Taïwan, ou l'indépendance dans le brouillard

» Sur les causes de la pauvreté des nations et des hommes dans le monde contemporain

» La criminalité en « col blanc », ou la continuation des affaires…

» Les manœuvres à l'intérieur du parti de M. McGovern diminuent les chances d'un candidat démocrate


Edição em inglês


» US ideologues in the ascendant?

» US ideologues in the ascendant?

» Rojava, a fragmented territory

» Australia's angriest summer

» February: the longer view

» African national parks managed by African Parks

» Genetic medicine makes the world less fair

» From apartheid to philanthropy

» Who is the land for?

» Belarus, the industrious state


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


ÁFRICA DO SUL

Rumo à democracia multirracial?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Cronologia do fim do apartheid e ascensão do Congresso Nacional Africano

Johann Roussouw - (06/09/2006)

Fevereiro de 1990: libertação de Nelson Mandela, depois de vinte e sete anos de prisão e legalização do Congresso Nacional Africano (ANC).

Maio de 1990: reencontro oficial entre o presidente Frederik De Klerk e os representantes do ANC para organizar o fim do apartheid e pôr fim à oposição armada.

Junho de 1991: abolição oficial do apartheid.

20 de dezembro de 1991: conferência multipartite sobre a reforma constitucional.

17 de março de 1992: um referendo – junto aos brancos, os únicos com direito a voto – aprova as negociações com o ANC.

Junho de 1993: adoção, pelos brancos, de uma Constituição interina que prevê um sistema federal e o direito de voto para todos.

Outubro de 1993: formação de um Conselho Executivo transitório. Suspensão das sanções internacionais.

9 de maio de 1994: após as primeiras eleições "multirraciais", Mandela torna-se presidente da República.

1995: implantação da Comissão Verdade e Reconciliação sobre os crimes cometidos por ambos os lados durante o apartheid.

10 de dezembro de 1996: adoção da nova Constituição.

Dezembro de 1997: Mandela deixa a presidência do ANC. Thabo Mbeki o sucede.

2 de junho de 1999: vitória do ANC nas eleições legislativas. Mbeki é eleito presidente da República.

Abril de 2004: vitória do ANC nas eleições legislativas. Reeleição de Mbeki.

1o. de março de 2006: o ANC vence as eleições municipais.

Tradução: Patrícia Andrade pat.patricia@voila.fr




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» África do Sul
» Desigualdades Sociais
» África

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos