Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Preparados para o mundo pós-petróleo?

» 3 de julho de 2020

» Destrinchamos a nova lei que mercantiliza a água

» Literatura dos Arrabaldes: O decreto e o levante

» As fronteiras cruzadas em Apocalipse Now

» Bolsonaro usa o vírus para reinventar tortura

» 2 de julho de 2020

» Boaventura: A universidade pós-pandêmica

» As miragens de que se vale a ultradireita

» Em filme, Nise, e sua crítica radical à velha psiquiatria

Rede Social


Edição francesa


» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers

» Décollage africain, marasme sénégalais

» BCE, enquête dans le temple de l'euro

» Le procès de M. Barack Obama

» Comment fonctionnent les systèmes de santé dans le monde

» Les nouvelles stratégies pétrolières des Etats et des grandes compagnies

» École et santé en ruines

» La gauche israélienne en déshérence


Edição em inglês


» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water

» A tale of two countries

» Jair Bolsonaro, wannabe dictator

» The culture of health and sickness


Edição portuguesa


» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia

» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças


FORA DA ORDEM

Cronologia Coréia do Norte

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Uma trajetória de idas e vindas, até a primeira explosão nuclear

(10/11/2006)

Outubro 1994: Pyongyang compromete-se a congelar seu programa nuclear militar em troca de reatores civis e de fornecimento de petróleo.

27 de Dezembro 2002: Expulsão dos inspetores da Agencia Internacional de energia atômica ( AIEA).

11 de Janeiro 2003: A Coréia do Norte retira-se do Tratado de não-proliferação nuclear (TNP).

1 de Fevereiro 2004: O “pai” da bomba atômica paquistanesa, Abdul Qadeer Khan confessa transferências ilícitas de tecnologia nuclear para Pyongyang.

19 de Setembro 2005: A Coréia do Norte compromete-se a retomar ao TNP e a abandonar seu arsenal atômico em troca de energia nuclear para fins civis.

5 de Julho 2006: Falha no disparo de sete mísseis, um deles capaz de atingir o Alaska e a costa oeste dos Estados Unidos. Resolução do Conselho de Segurança da ONU contendo medidas “obrigatórias” para Pyongyang (15 de julho).

9 de Outubro: A Coréia do Norte anuncia ter realizado, com sucesso, seu primeiro teste nuclear.

14 de Outubro 2006: O Conselho de Segurança da ONU anuncia medidas de represálias.

Tradução: Celeste Marcondes

- >celmarco@uol.com.br




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Coréia do Norte
» Armas Atômicas e de Urânio Empobrecido
» Limites e Contradições do Poder Imperial
» Ásia

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos