Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

Rede Social


Edição francesa


» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


FORA DA ORDEM

Cronologia Coréia do Norte

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Uma trajetória de idas e vindas, até a primeira explosão nuclear

(10/11/2006)

Outubro 1994: Pyongyang compromete-se a congelar seu programa nuclear militar em troca de reatores civis e de fornecimento de petróleo.

27 de Dezembro 2002: Expulsão dos inspetores da Agencia Internacional de energia atômica ( AIEA).

11 de Janeiro 2003: A Coréia do Norte retira-se do Tratado de não-proliferação nuclear (TNP).

1 de Fevereiro 2004: O “pai” da bomba atômica paquistanesa, Abdul Qadeer Khan confessa transferências ilícitas de tecnologia nuclear para Pyongyang.

19 de Setembro 2005: A Coréia do Norte compromete-se a retomar ao TNP e a abandonar seu arsenal atômico em troca de energia nuclear para fins civis.

5 de Julho 2006: Falha no disparo de sete mísseis, um deles capaz de atingir o Alaska e a costa oeste dos Estados Unidos. Resolução do Conselho de Segurança da ONU contendo medidas “obrigatórias” para Pyongyang (15 de julho).

9 de Outubro: A Coréia do Norte anuncia ter realizado, com sucesso, seu primeiro teste nuclear.

14 de Outubro 2006: O Conselho de Segurança da ONU anuncia medidas de represálias.

Tradução: Celeste Marcondes

- >celmarco@uol.com.br




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Coréia do Norte
» Armas Atômicas e de Urânio Empobrecido
» Limites e Contradições do Poder Imperial
» Ásia

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos