Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Lei Rouanet e a cultura em demolição

» Rebelião em Londres: é o clima ou o sistema?

» A “inteligência caolha” da família Bolsonaro

» Opacidade: o direito de escapar à vigilância total

» O crime de Guarapuava e as elites sem freios

» Boaventura: os EUA flertam com o direito názi

» Argentina: ainda bem que há eleições…

» O bispo que não vai para o céu

» Prisões brasileiras: relato de dentro do inferno

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

Rede Social


Edição francesa


» Rwanda, retour sur un aveuglement international

» La riposte des exclus

» La justice, pilier ou béquille de la démocratie ?

» La canicule, révélateur d'une santé malade

» La caution des scientifiques

» Dans l'enfer blanc de l'amiante

» Fiasco à La Haye

» L'immigration au miroir des échecs de la gauche

» « Faxer » ou périr, une culture de l'urgence

» Comment Sciences-Po et l'ENA deviennent des « business schools »


Edição em inglês


» The making and unmaking of Brazilian democracy

» Mica mining, why watchdogs count

» LMD's New York debates

» Decriminalizing the drug war?

» April: the longer view

» Housing, rubbish, walls and failing infrastructure in East Jerusalem

» Mining profits go to foreign investors

» Combatting climate change: veganism or a Green New Deal?

» Berlin's fight for expropriation

» Afghanistan: the fighting continues


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França


EMPRESA-SÍMBOLO

Um publicitário chamado Ronald Reagan

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Nos anos 1950, um ator de Hollywood e futuro presidente dos EUA cruzou várias vezes o país para construir uma imagem positiva da GE entre as famílias norte-americanas e os próprios funcionários da empresa

Serge Halimi - (10/11/2006)

Em 1952, a vida do ator Ronald Reagan torna-se mais estável quando ele se casa com Nancy Davis, e mais enriquecedora quando a General Electric concede-lhe um contrato faustoso: 125 mil dólares de luvas, mais 150 mil dólares por ano. Ralph J. Cordiner, o executivo-chefe da GE, procura então alguém para dar um rosto e uma voz à "empresa cidadã" (corporate citizen), que ele acaba de descentralizar. "Cordiner", explicaria Reagan em 1980, "havia concebido a idéia de um programa de televisão apresentado pelo porta-voz da companhia. Ele faria também uma turnê pelas fábricas. Os empregados, espalhados de um lado a outro do país, saberiam que a sede central não ignorava sua existência, já que lhes enviava este sujeito que eles haviam visto na televisão no domingo à noite [1]".

No início, Ronald Reagan sentia alguma resistência em relação à televisão, temendo que ela arruinasse Hollywood. Mas ele precisava de dinheiro... Iria ganhar tanto (incluindo a promoção, feita semanalmente na televisão, de uma geladeira ou de um aparelho de TV produzido pela empresa [2]) que suas opiniões polítcias, democratas e com tendências progressistas até o início dos anos 50, mudariam. O imposto de renda – que podia então chegar a 91% na faixa mais alta – torna-se sua obsessão: "Ele nos transforma numa nação de mentirosos e de trapaceiros", dispara Reagan, num programa de rádio, em 1957.

Durante oito anos que dedica, a partir de setembro de 1954, ao programa de televisão de domingo à noite, GE Theater, e às viagens promocionais da empresa – ele afirmava ter pronunciado até 14 discursos por dia, ter encontrado 250 mil trabalhadores e passado o equivalente a dois anos completos nas estradas – Ronald Reagan refina sua arte oratória, ao mesmo tempo em que aprimora sua resistência de futuro candidato. Ele se tornaria o defensor feroz das grandes empresas privadas e o perseguidor de um Estado que, segundo ele, as estrangula.

Quando Richard Nixon, em favor de quem Reagan se engajou bastante, foi derrotado em 1960 por John Kennedy, a General Electric, sempre ávida das boas graças da Casa Branca, esperou o fim do contrato de seu porta-voz, em 1962, para se separar dele. Quatro anos mais tarde, ele seria eleito governador da Califórnia. Para começar...



[1] Citado por Lou Cannon, Reagan, Perigee Books, Nova York, 1984, p. 93.

[2] Num anúncio, Ronald Reagan abre um móvel. Um aparelho de televisão está no interior. Nancy Reagan exclama: “Na nossa nova casa, se queremos distração…” Ronald Reagan completa: “Temos apenas que apertar um botão: a eletricidade a trás para nós. É uma das maneiras de viver melhor graças à eletricidade”.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» DOSSIÊ EUA
» Papel das corporações transnacionais

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos