Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Mudar o mundo sem desprezar o poder

» Seria a Medicina moderna uma ilusão?

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» A política como arte do impossível

» O enigma da sobrevivência neoliberal

» Violência policial: o problema não está nos soldados

» Eleições na Bolívia: o que está em jogo?

Rede Social


Edição francesa


» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran

» Les charniers de Franco

» Sabra et Chatila, retour sur un massacre

» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité

» Un milliardaire à l'assaut de la Maison Blanche

» Comment les sociétés multinationales du textile renforcent leur emprise sur le marché mondial

» À la recherche des « disparus » d'Algérie


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


DESIGUALDADES

Diante da tragédia, indiferença

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A degradação dos serviços de saúde africanos é alimentada pelos “ajustes fiscais” que o FMI determina e pelo descompromisso da “comunidade internacional”, mesmo em relação aos Objetivos do Milênio

Karl Blanchet , Regina Keith - (21/12/2006)

O continente negro possui apenas 3% do pessoal de saúde do mundo [1] quando sua população representa sozinha 25% da taxa mundial de pessoas atingidas por alguma enfermidade [2]. Essa crise maior é resultado de anos de negligência e falta de investimento dos governos africanos e da "comunidade internacional". Há ainda as draconianas imposições orçamentárias e fiscais do FMI. Os setores da saúde e educação são os primeiros a sofrer com essas medidas.

As despesas em saúde e em recursos humanos dos governos e credores dos fundos internacionais não foram suficientes. Somente 13 dos 55 países do continente gastam mais de 30 dólares por ano por cada pessoa, enquanto uma soma mínima de 34 dólares é recomendada pela OMS. Por outro lado, a comunidade internacional nunca investiu os 22 bilhões que, de acordo com a OMS [3], permitiriam o continente negro atingir os objetivos do “milênio para o desenvolvimento” das Nações Unidas.

Tradução: Leonardo Abreu
leonardoaabreu@yahoo.com.br



[1] Lugina Helen Igobeko, “Que mudanças de políticas na África e no Ocidente podem ir ao encontro dos atuais desafios da África”, apresentado na conferência “Mobilizando os profissionais de saúde africanos na diáspora e recursos para a construção de um sistema na África”, Londres, 22 de março de 2006.

[2] A taxa de morbidade indica o número de pessoas atingidas por uma doença por unidade de população. É expressa em geral no número de pessoas acometidas por 10 mil ou 100 mil habitantes.

[3] Save the Children, “Um mal desnecessário? Taxas de uso do serviço de saúde pública em países de baixa renda”, Londres 2005.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Medicina
» Saúde
» Ajuda Humanitária
» África
» Desigualdade e Fraturas Sociais

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos