Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Mudar o mundo sem desprezar o poder

» Seria a Medicina moderna uma ilusão?

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» A política como arte do impossível

» O enigma da sobrevivência neoliberal

» Violência policial: o problema não está nos soldados

» Eleições na Bolívia: o que está em jogo?

Rede Social


Edição francesa


» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran

» Les charniers de Franco

» Sabra et Chatila, retour sur un massacre

» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité

» Un milliardaire à l'assaut de la Maison Blanche

» Comment les sociétés multinationales du textile renforcent leur emprise sur le marché mondial

» À la recherche des « disparus » d'Algérie


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


OCUPAÇÃO DA PALESTINA

Ariel Sharon mandou matar Arafat?

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Revelados em livro recém-publicado, diálogos entre o ex-primeiro-ministro israelense e um amigo íntimo reforçam a hipótese tenebrosa

Amnon Kapeliouk - (16/01/2007)

E lá se vão vinte e cinco meses desde que Yasser Arafat, presidente da Autoridade Palestina e da Organização pela Libertação da Palestina (OLP), faleceu, por razões que os médicos franceses que trataram dele na fase final da doença não conseguiram explicar muito bem. Duas questões essenciais se impõem: se não se trata de morte natural, de que modo ele foi assassinado? E quem foi o responsável?

O primeiro destes dois enigmas ainda está sem resposta. Enquanto isso, o segundo já começa a ser elucidado, graças ao... mais fiel admirador, e talvez o mais íntimo amigo do general Ariel Sharon há cerca de meio século: o jornalista israelense (de direita) Uri Dan.

Os palestinos nunca duvidaram de que o primeiro-ministro Ariel Sharon teria assassinado seu líder. Afinal, ele já não havia declarado várias vezes sua vontade de liquidar o dirigente palestino? Não o havia comparado a Hitler? Mas Uri Dan vai bem mais longe. Uma semana antes da morte de Arafat, em 4 de novembro de 2004, Dan já contava no jornal Maariv que, em 14 de abril, Sharon teria anunciado ao presidente George Bush, na Casa Branca, que ele não se considerava mais comprometido com a promessa feita três anos antes, em março de 2001, de não tocar em Arafat [1].

Num livro publicado recentemente [2], Uri Dan sugere abertamente que seu amigo teria liquidado o raïs. "Logo que Sharon obteve carta branca, depois de um encontro com o presidente Bush, em 14 de abril de 2004, o estado de saúde de Arafat se deteriorou. Transportado em outubro para o hospital militar Percy, em Clamart, faleceu em 11 de novembro. Só retornaria a Ramallah para ser sepultado" (p. 403). E, para colocar os pingos nos is: "Meu artigo para Maariv começa nesses termos: Ariel Sharon figurará nos livros de história como aquele que liqüidou Arafat sem o matar." Estas três últimas palavras fariam alusão ao método utilizado?

George Bush saberia de tudo

Liqüidar um presidente democraticamente eleito necessitaria ao menos um acordo tácito com o presidente norte-americano. E Dan revela que Bush continuou impassível, quando ouviu as declarações de Sharon a respeito de suas intenções em relação a Arafat. "Sem dar a Sharon o sinal verde para liquidar Arafat", escreve, "ele tampouco procura colocar qualquer empecilho" (p. 401).

Mais um detalhe significativo: o tempo passa e Dan pergunta ao primeiro ministro israelense por que ele não faz nada a respeito de Arafat: "Não matamos Arafat, não o expulsamos. Ele goza de imunidade absoluta"? "Deixe-me resolver a coisa ao meu modo!", responde o general. E Dan completa: "Ele bruscamente pôs fim à nossa conversa, fato incomum entre nós." (p. 403).

Leia mais: Sobre o mesmo tema, "Arafat Assassinado?", Le Monde Diplomatique-Brasil, novembro de 2005.

Tradução: Patrícia Andrade
pat.patricia@voila.fr



[1] Ver "Arafat assassinado?", Le Monde Diplomatique-Brasil, novembro de 2005 (Nota da Tradução)

[2] Ariel Sharon — Entretiens intimes avec Uri Dan, Michel Lafon, Paris, 2006.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Israel
» Palestina
» Ocupação da Palestina
» Terrorismo de Estado

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos