Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs

» La dilapidation mortelle des ressources


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


MUSEUS

Em vez do Estado, os mecenas

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A começar do Louvre, os museus franceses dependem cada vez mais de financiadores privados

Philippe Pataud Célérier - (12/02/2007)

Ainda que os recursos do ministério da Cultura tenham aumentado 7% em relação a 2006, o orçamento para os 1.200 museus da França e também outros 34 museus nacionais, inclusive o museu do Quai Branly, o Centre Pompidou, a Cité Nationale de l’Histoire de l’Immigration, o Arts Décoratifs, etc... parece muito modesto. Ao todo, o ministério da Cultura repassa 365 milhões de euros a todos os museus. Os valores não são totalmente comparáveis entre si, mas vale ressaltar que o orçamento de funcionamento do Louvre chegou a 186 milhões de euros em 2006. Eram 26 milhões de euros antes de sua renovação em 1989. Mesmo que ainda financiado em grande parte pelo Estado, o museu não pode mais funcionar sem seus recursos próprios (que representam 40% de seu orçamento).

A primeira etapa foi transformar os grandes museus nacionais em estabelecimentos públicos administrativos (EPA): depois do Louvre em 1993, seguiram-se Versalhes em 1995, o Musée d’Orsay e o Musée Guimet em 2004. O Centre Pompidou e o Quai Branly foram estabelecidos desde o início como EPA (respectivamente em 1977 e 2006). Esse novo status jurídico tem como objetivo conceder às instituições certa autonomia de gestão, ainda que sob tutela do Estado. O Louvre foi a primeira instituição cultural a assinar com o Estado um contrato (2003-2005), renovado em 2006 sob o nome de "contrato de desempenho". Com base nele, elabourou-se um documento intitulado "as 14 razões [para os patrocinadores e mecenas] escolherem o Louvre", e que pode ser lido no site do Louvre na Internet. O texto é apresentado como "verdadeira coluna vertebral de seu modelo de gestão orientado por objetivos, que implica indicadores de gestão e a apresentação regular de relatórios de resultados". Esse contrato se estenderá em breve a outros museus.

Tradução: Silas Martí
silas.marti@revistaflan.com




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Artes Plásticas
» Mercantilização da Cultura
» Indústria Cultural

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos