Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 10 de julho de 2020

» A luta decisiva contra o reconhecimento facial

» “Austeridade”, uma concha vazia

» Um vírus que revela nosso dissídio com a Natureza

» (Auto)cuidado – coletivo, político e inadiável

» Por que aproxima-se uma onda de fome no Brasil

» 9 de julho de 2020

» A formação da personalidade autoritária

» A estratégia indígena para enfrentar o vírus

» Brasão da PM: coleção de massacres em nome da elite

Rede Social


Edição francesa


» Primes pour stimuler la production et sanctions contre les pratiques illégales

» Les difficultés de l'économie soviétique ravivent le débat entre traditionalistes et partisans de la réforme

» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers


Edição em inglês


» Cities: the power of the urban

» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


CRISTIANISMO

A virada do concílio Vaticano II

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A grande transformação católica e os valores que incomodam os tradicionalistas

Michel Cool - (12/02/2007)

Para a surpresa de todos, no dia 25 de janeiro de 1959, o papa João XXIII convocou um concílio. O anterior havia sido realizado em 1870. O concílio Vaticano I, traz impressa a marca de Pio IX, o papa do Syllabus [1] e do dogma da infalibilidade pontifícia. Esse tempo deixou a amarga lembrança de um catolicismo no exílio e na defensiva, de uma igreja desdenhosa do mundo. O anúncio de um novo concílio, qualificado de ecumênico e dedicado à conciliação da igreja com "todos os homens de boa vontade", suscitou uma grande esperança.

O concílio Vaticano II teve início no outono de 1962, encerrando-se em dezembro de 1965, já com o papa Paulo VI, que sucedeu João XXIII, consumido por um câncer no estômago, em junho de 1963. O "bom papa João" teve somente tempo de dar o tom da partitura que se executava em Roma. Em sua célebre encíclica Pacem in terris (Paz na terra), ele declara que a igreja não deve, como fez no passado, condenar a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão; ela precisa, ao contrário, apoiar sem reservas os princípios de igualdade, justiça e liberdade promovidos pelo próprio Cristo em seu famoso Sermão da Montanha (Mateus 5-7).

Liberdade religiosa, diálogo ecumênico, crentes iguais

Cerca de 2.500 bispos presentes, vindos dos quatro cantos do mundo, votaram em Roma toda uma bateria de decisões que renovavam profundamente o perfil da Igreja e a prática dos fiéis. Eles proclamaram o direito da pessoa humana à liberdade religiosa. Em um texto surpreendente, reconheceram os valores contidos em outras religiões e chamaram seus fiéis ao diálogo com elas; de forma especial, com o judaísmo, que tanto sofreu com o anti-semitismo cristão. Os bispos não mais definiam a Igreja como uma estrutura hierárquica, mas como um conjunto de crentes iguais entre si. A primazia do papa fica inalterada, mas os bispos, os clérigos e os laicos são convidados a se engajar mais na vida e na missão da Igreja. A colegialidade é representada pela internacionalização da cúria romana, o governo central.

No entanto, o indicador mais visível da mutação católica é mesmo a reforma litúrgica. A relegação do latim, em benefício das línguas vernáculas, desperta a oposição do monsenhor Lefebvre e de uma minoria tradicionalista. Mas estes contestam, na verdade, o espírito de abertura e reforma do concílio. Resultou que este concílio não teve a liberdade de resolver três questões ainda sem resposta: a autoridade papal, o casamento dos sacerdotes e os divorciados que voltam a se casar.

Tradução: Leonardo Abreu
leonardoaabreu@yahoo.com.br



[1] Manifesto contra o pensamento modernista publicado em 1864.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cristianismo
» Teologias de Libertação
» Confrontos contra o “Outro”
» Vaticano

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos