'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: O general-presidente também é biógrafo
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Poderá Francisco salvar a Economia e o planeta?

» Auschwitz: os portões da memória ainda abertos

» As democracias engolidas e o erro de Piketty

» Eles lutam por todos nós

» Paulo Guedes, o bravateiro velhaco

» Mídia: a descarada sabotagem a Bernie Sanders

» Cronofagia: o roubo do tempo, sono e ideias

» Economia: o fantasma da crise externa

» Aos pobres, a xepa

» Por que o Brasil precisa de um Estado gastador

Rede Social


Edição francesa


» L'Afrique conteste en rap

» Les sondés ne veulent plus parler

» Apolitisme très politique des journaux municipaux

» La force molle de la social-démocratie

» L'enfance, une espèce en danger ?

» Progrès technologique et régression sociale

» La recolonisation du plus pauvre pays de l'hémisphère occidental

» Taïwan, ou l'indépendance dans le brouillard

» Sur les causes de la pauvreté des nations et des hommes dans le monde contemporain

» La criminalité en « col blanc », ou la continuation des affaires…


Edição em inglês


» US ideologues in the ascendant?

» US ideologues in the ascendant?

» Rojava, a fragmented territory

» Australia's angriest summer

» February: the longer view

» African national parks managed by African Parks

» Genetic medicine makes the world less fair

» From apartheid to philanthropy

» Who is the land for?

» Belarus, the industrious state


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


PAQUISTÃO

O general-presidente também é biógrafo

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Lançada como sucesso nos Estados Unidos, a autobiografia de Pervez Musharraf tem atmosfera de mistério. Talvez para combinar com as ambigüidades do personagem...

Jean-Luc Racine - (21/03/2007)

Lançada em setembro de 2006, nos Estados Unidos, entre a Assembléia Geral das Nações Unidas e o encontro na Casa Branca com o presidente George W. Bush, a autobiografia do general Pervez Musharraf, In the Line of Fire, é um sucesso nas livrarias. Estruturada em 32 curtos capítulos, ela inicia com ares de romance policial, narrando o atentado feito contra ele em 14 de dezembro de 2003. No segundo seguinte, o narrador avança 11 dias no tempo. O cenário está montado: o general-presidente, alvo dos terroristas...

Nascido em 1943, em Délhi, o pequeno Pervez deixa a Índia com sua família, em 1947, durante a Partição [1]. Ele passará parte da sua infância na Turquia, onde seu pai trabalha na embaixada paquistanesa. A figura de Ataturk lhe será marcante. A criança levada acaba por entrar para o exército, onde sua coragem compensa uma compreensão moderada de hierarquia. Musharraf usa essa dualidade a seu favor, como se pode perceber no comentário feito por seus superiores: "Um líder excepcional mas também um oficial sem papas na língua e indisciplinado". Um certo culto do eu, revestido de (falsa) modéstia, e a benevolência de Deus levam o velho comandante ao auge de sua carreira.

Ele é nomeado chefe das forças armadas em outubro de 1998. Inicia-se, então, a biografia política. Essa visa legitimar e fazer entrar para a história tudo o que ele fez na guerra de Kargil, em 1999, que permitiu a internacionalização da questão da Caxemira; o "anti-golpe de estado" conduzido por seu estado-maior contra o primeiro ministro Nawaz Sharif (o depõe sem aviso e quer proibir a aterrissagem de um vôo comercial vindo do exterior no qual ele está); o fracasso da reuniao de cúpula de Agra em 2001 sobre a Caxemira, atribuído ao Bharatiya Janaty Party (BJP, partido nacionalista hindu) que impôs sua vontade ao primeiro-ministro indiano, Atal Bihari Vajpayee (esse estaria pronto a assinar uma declaração conjunta). Depois, veio o 11 de setembro e a decisão de deixar os talibans escaparem para salvar o Paquistão da ira estadunidense.

Um ataque aos governos civis do Paquistão

Como era esperado, o general Musharraf denuncia, como fizeram seus antecessores golpistas Ayub Khan e Zia ul Haq, a negligência dos políticos civis que o antecederam. Põe em prática seu próprio método para "recolocar o sistema em funcionamento". Gaba-se da "revolução silenciosa" das eleições locais de 2000; pede uma "democracia verdadeira"; fala do estatuto das mulheres; e toma para si o ideal de um Paquistão "islâmico, moderado e progressista" e possuindo o espaço que o país merece entre as nações.

A obra suscitou polêmica na Índia, no Paquistão e mesmo nos Estados Unidos. Richard Armitage, o número dois da Secretaria de Estado (EUA), o desmentiu e afirmou que nunca ameaçou levar o Paquistão de volta "à idade da pedra", se o presidente paquistanês tomasse uma decisão que desagradasse a Casa Branca após o 11 de setembro.

É uma biografia à imagem de seu autor: deixa no ar um certo mistério. Musharraf, que nunca proclamou a lei marcial, não é um Zia ul Haq (antigo ditador). E está mais distante ainda de um Augusto Pinochet. "Exímio estrategista, com um fortíssimo senso tático", utiliza sua experiência militar no seio do poder paquistanês e contra as pressões internacionais. Alguns de seus críticos duvidam da estratégia. Outros a aprovam, mas temem que as manobras táticas do general o prejudiquem. Nesse sentido, tanto a autobiografia quanto a política do general Musharraf ilustram perfeitamente as ambigüidades do Paquistão de hoje em dia.

Tradução: Márcia Macedo
marcinhamacedo@gmail.com



[1] A independência da Índia Britânica, consumada em 1947, após longa luta anti-colonial, resultou na criação de dois Estados: Índia (de maioria induísta) e Paquistão (majoritariamente muçulmano). Esta cisão, não desejada por líderes do movimento independentista como Mahatma Gandhi, provocou o deslocamento de cerca de 15 milhões de pessoas, e é chamada de Partição. Há um ótimo verbete na Wikipedia, em inglês (Nota da edição brasileira)


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» História
» Paquistão
» Geopolítica do Subcontinente Indiano

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos