Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O cineasta em sua fauna

» A revolução do Emprego Garantido

» Segurança pública: hora de trazer a pauta para a esquerda

» Segurança pública: hora de trazer a pauta para a esquerda

» Para entender a crise de Itaipu

» “Não esqueçam Julian Assange”

» Índia ocupa a Caxemira muçulmana

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» E quando nos levantaremos contra os rentistas?

Rede Social


Edição francesa


» Comment fut liquidée toute une génération d'opposants

» Eldridge Cleaver : le retour de l'enfant prodigue

» Population, subsistance et révolution

» Une nouvelle classe de petits potentats domine les villages

» Vers une « révolution agricole »

» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?


Edição em inglês


» On ‘la pensée unique'

» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


PAQUISTÃO

O general-presidente também é biógrafo

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Lançada como sucesso nos Estados Unidos, a autobiografia de Pervez Musharraf tem atmosfera de mistério. Talvez para combinar com as ambigüidades do personagem...

Jean-Luc Racine - (21/03/2007)

Lançada em setembro de 2006, nos Estados Unidos, entre a Assembléia Geral das Nações Unidas e o encontro na Casa Branca com o presidente George W. Bush, a autobiografia do general Pervez Musharraf, In the Line of Fire, é um sucesso nas livrarias. Estruturada em 32 curtos capítulos, ela inicia com ares de romance policial, narrando o atentado feito contra ele em 14 de dezembro de 2003. No segundo seguinte, o narrador avança 11 dias no tempo. O cenário está montado: o general-presidente, alvo dos terroristas...

Nascido em 1943, em Délhi, o pequeno Pervez deixa a Índia com sua família, em 1947, durante a Partição [1]. Ele passará parte da sua infância na Turquia, onde seu pai trabalha na embaixada paquistanesa. A figura de Ataturk lhe será marcante. A criança levada acaba por entrar para o exército, onde sua coragem compensa uma compreensão moderada de hierarquia. Musharraf usa essa dualidade a seu favor, como se pode perceber no comentário feito por seus superiores: "Um líder excepcional mas também um oficial sem papas na língua e indisciplinado". Um certo culto do eu, revestido de (falsa) modéstia, e a benevolência de Deus levam o velho comandante ao auge de sua carreira.

Ele é nomeado chefe das forças armadas em outubro de 1998. Inicia-se, então, a biografia política. Essa visa legitimar e fazer entrar para a história tudo o que ele fez na guerra de Kargil, em 1999, que permitiu a internacionalização da questão da Caxemira; o "anti-golpe de estado" conduzido por seu estado-maior contra o primeiro ministro Nawaz Sharif (o depõe sem aviso e quer proibir a aterrissagem de um vôo comercial vindo do exterior no qual ele está); o fracasso da reuniao de cúpula de Agra em 2001 sobre a Caxemira, atribuído ao Bharatiya Janaty Party (BJP, partido nacionalista hindu) que impôs sua vontade ao primeiro-ministro indiano, Atal Bihari Vajpayee (esse estaria pronto a assinar uma declaração conjunta). Depois, veio o 11 de setembro e a decisão de deixar os talibans escaparem para salvar o Paquistão da ira estadunidense.

Um ataque aos governos civis do Paquistão

Como era esperado, o general Musharraf denuncia, como fizeram seus antecessores golpistas Ayub Khan e Zia ul Haq, a negligência dos políticos civis que o antecederam. Põe em prática seu próprio método para "recolocar o sistema em funcionamento". Gaba-se da "revolução silenciosa" das eleições locais de 2000; pede uma "democracia verdadeira"; fala do estatuto das mulheres; e toma para si o ideal de um Paquistão "islâmico, moderado e progressista" e possuindo o espaço que o país merece entre as nações.

A obra suscitou polêmica na Índia, no Paquistão e mesmo nos Estados Unidos. Richard Armitage, o número dois da Secretaria de Estado (EUA), o desmentiu e afirmou que nunca ameaçou levar o Paquistão de volta "à idade da pedra", se o presidente paquistanês tomasse uma decisão que desagradasse a Casa Branca após o 11 de setembro.

É uma biografia à imagem de seu autor: deixa no ar um certo mistério. Musharraf, que nunca proclamou a lei marcial, não é um Zia ul Haq (antigo ditador). E está mais distante ainda de um Augusto Pinochet. "Exímio estrategista, com um fortíssimo senso tático", utiliza sua experiência militar no seio do poder paquistanês e contra as pressões internacionais. Alguns de seus críticos duvidam da estratégia. Outros a aprovam, mas temem que as manobras táticas do general o prejudiquem. Nesse sentido, tanto a autobiografia quanto a política do general Musharraf ilustram perfeitamente as ambigüidades do Paquistão de hoje em dia.

Tradução: Márcia Macedo
marcinhamacedo@gmail.com



[1] A independência da Índia Britânica, consumada em 1947, após longa luta anti-colonial, resultou na criação de dois Estados: Índia (de maioria induísta) e Paquistão (majoritariamente muçulmano). Esta cisão, não desejada por líderes do movimento independentista como Mahatma Gandhi, provocou o deslocamento de cerca de 15 milhões de pessoas, e é chamada de Partição. Há um ótimo verbete na Wikipedia, em inglês (Nota da edição brasileira)


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» História
» Paquistão
» Geopolítica do Subcontinente Indiano

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos