Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como a Estônia concretizou o passe livre

» Marielle Vive! contra a lógica do condomínio

» Quando os ditadores despencaram da parede

» Dois caminhos para as Novas Ciências

» Paulo Guedes pego na mentira

» Depois do senhor Guedes e de seu capitão

» Amazônia: caminho para o pós-Bolsonaro

» Tarifa Zero, a experiência europeia

» Marielles na Amazônia: apontar, fogo!

» Na África do Sul, a xenofobia não tem cor

Rede Social


Edição francesa


» Match démographique : Uruguay-Paraguay

» Chaos postsoviétique

» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour


Edição em inglês


» An end to Mediterranean standoffs?

» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


PRECARIZAÇÃO

O preço do trabalho na França

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O mito de que os assalariados europeus são bem-remunerados não resiste à análise dos números

Michel Husson - (29/04/2007)

Em 2002, a metade dos assalariados (com exceção dos assalariados do Estado) ganhava um salário médio de menos de 1.220 euros por mês.

• Esse salário líquido mediano era de 1.360 euros por mês para os homens e 1.054 euros para as mulheres, com uma diferença de 22,5%.

• Um terço dos assalariados ganhava menos que o salário-mínimo (SMIC [1]) mensal líquido (936 euros).

• 10% dos assalariados ganhavam menos de 182 euros por mês.

• 20%, menos de 512 euros.

• 30%, menos de 869 euros.

• 40%, menos de 1.064 euros.

Em 2005, o custo do trabalho na indústria foi um pouco mais baixo na França que no Reino Unido (–4%) e na Bélgica (–2%). Porém, mais elevado que na Holanda (+2 %) e na Alemanha (+4%). Os salários franceses situam-se em patamar próximo ao dos países europeus cujo nível de desenvolvimento é comparável.

Fontes: Conselho do Emprego, da Renda e da Coesão Social (CERC), La France en transition 1993-2005, La Documentation française, Paris, 2006; Agência Estatística das Comunidades Européias – Eurostat.

Tradução: Leonardo Teixeira da Rocha leorocha2003@yahoo.com.br

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

Trabalhar mais, para ganhar menos Um balanço da políticas neoliberais "de emprego" na França revela: além de rebaixarem salários, elas ampliaram as diferenças de rendimento entre homens e mulheres, a precariedade e a necessidade de trabalhos complementares. Que mais será preciso para uma mudança de rumos?

Estamos condenados aos salários? Um documentário catalão explora, além da crítica à mercantilização do trabalho, alternativas para um mundo em que se consuma de forma consciente e se reserve tempo e energia para o que de fato vale a pena...



[1] SMIC é a sigla, na França, de Salário Mínimo Interprofissional de Crescimento), reajustado todos os anos, em 1º de julho. O valor atual bruto do SMIC é 8,27 euros por hora. Numa jornada de 35 horas por semana, equivale a 1.254,28 euros mensais brutos. (Nota da edição brasileira)


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Neoliberalismo
» Precarização do Trabalho
» União Européia

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos