Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Pós-materialismo: por uma política não-cartesiana

» Greta Thunberg e a escola do século XXI

» A Classe de Davos e como vencê-la

» Prepare-se para o ano Bernie Sanders

» Orientalismo: por que não enxergamos o Irã

» 1917: Mergulho no horror e dilemas da técnica

» As ideias perigosas que eles temem

» Polícia Militar, nascida para reprimir greves

» Roteiro para reinventar as cidades brasileiras

» OCDE: o Brasil em busca do selo de vira-lata

Rede Social


Edição francesa


» À la recherche de l'enfant parfait

» Au temps du terrorisme anarchiste

» Population kurde dans le monde

» Un grand peuple sans État

» Contestation à consommer pour classes cultivées

» Raymond Soubie, une éminence grise au service de la « réforme »

» Retour de la mal-vie dans le monde du travail

» Dialogue avorté entre Téhéran et Washington

» La tentation de l'apartheid génétique

» La Colombie est un pays jeune qui a besoin de renouveler ses structures


Edição em inglês


» Ben Bella: ‘It protected us from hatred'

» Hicham Yezza on what went wrong for the UK's Labour Party

» The US and Iran: a long and bitter war

» As Australia's right tacks left on climate, the course is set

» The two souls of veganism

» January: the longer view

» Iranians united

» Luxembourg's multilingual geography

» Controlled by Ritalin

» The hero of Petliura Street


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?


HISTÓRIA

Num livro, a verdade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Foi apenas nos anos 1970, e graças à pesquisa de uma dupla de jornalistas, que se esclareceu a responsabilidade pelo bombardeio em massa de Guernica — e se soube como a cidade viveu suas últimas horas

Lionel Richard - (29/04/2007)

Uma das maiores fraudes midiáticas do século 20 deu origem à destruição da pequena cidade basca de Guernica. Ela foi devastada pela aviação alemã a serviço do general Francisco Franco Franco durante a Guerra Ciivil espanhola, em 27 de abril de 1937. A falsificação é comparável, em sentido oposto, à tramada pelos soviéticos no massacre de Katyn, onde cerca de 20 mil membros da elite polonesa foram executados na primavera de 1940. Em princípio, o extermínio foi atribuído ao exército alemão. Tempos depois, Mikhail Gorbatchev admitiu a culpa da NKDV, polícia política soviética, que agiu segundo ordens de Stálin.

Os franquistas imputaram o crime de guerra de Guernica aos republicanos. Essa teoria foi largamente difundida em todo o mundo pela mídia anticomunista da época. A polêmica confundiu muitas pessoas. Elas começaram a duvidar de tudo e a se perguntar em quem deviam crer.

Para acabar com as controvérsias, uma grande publicação norte-americana encomendou uma reconstituiição — minuto a minuto — das últimas horas de Guernica [1]. O jornalista investigativo britânico Gordon Thomas (autor de duas notáveis pesquisas: As armas secretas da CIA e a História secreta do Mossad) e Max Morgan-Witts foram incumbidos de fazê-la.

Livro reportagem reconstitui as últimas horas

Eles não hesitaram em percorrer o mundo em busca de sobreviventes espanhóis e alemães. Redesenharam a cadeia de decisões militares e a narrativa verídica, histórica e indiscutível da tragédia. Explicitaram como o chefe do Estado maior alemão, Wolfram Von Richthofen, em total acordo com o general franquista Juan Vigón, pôs em marcha sua “estratégia do terror”. Em um movimentado dia, a pequena cidade basca de 7 mil habitantes foi devastada por bombas incendiárias. Desconsiderou-se a população civil.

Na história da guerra, Guernica teve um triste privilégio: foi a primeira cidade do mundo a ser destruída por um ataque aéreo. A técnica do “tapete de bombas” foi posta em prática. Durante a segunda guerra, essa técnica seria usada, pela Luftwaffe (força aérea alemã), para semear o terror por toda a Europa.

A apaixonante pesquisa resultou em uma formidável obra, que se lê como se fosse um suspense. Com razão, a imprensa norte-americana a considera “um dos grandes livros do século consagrado à guerra”.

Tradução: Leonardo Abreu
leonardoaabreu@yahoo.com.br

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

Guernica, agonia de uma guerra Completam-se em 26 de abril setenta anos do massacre de Guernica por tropas da direita espanhola apoiadas por soldados nazistas. Durante quatro décadas, a autoria do crime foi ocultada: só a obra-prima de Picasso serviu como testemunha



[1] Les Dernières heures de Guernica (traduzido do inglês por Marianne Véron), Nouveau Monde, Paris, 2007, 320 páginas, 22 euros.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Espanha
» História
» Guerras civis

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos