Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Argentina: o que esperar de Fernández e Cristina

» 2019, o ano do Pibinho do Guedes

» Lowy resgata a atualidade de Walter Benjamin

» Como Weintraub devasta e militariza a Educação

» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

Rede Social


Edição francesa


» Le crépuscule de la raison

» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour

» L'offensive libérale contre le monde du travail

» « Donner confiance aux hommes »


Edição em inglês


» UK's austerity election

» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


IRAQUE

O imperador quer surfar no atoleiro

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Como Bush descartou as propostas para uma saída diplomática no Oriente Médio e investiu num plano semi-messiânico, que ameaça incendiar a região e pode humilhar os EUA

Ibrahim Warde - (29/04/2007)

Um relatório terá engolido o outro? Em 10 de janeiro de 2007, o presidente dos Estados Unidos anunciou uma política de escalada militar, inspirada por uma análise do American Enterprise Institute, um think tank neoconservador. Ao invés de concordar com uma retirada, recomendada pelo Relatório Baker, de dezembro do ano passado, mais 21,5 mil soldados serão enviados como reforço ao Iraque. Mas o Congresso reage. O presidente da maioria democrata no Senado, Harry Reid, avaliou em 18 de fevereiro, em entrevista à CNN, que esta aventura militar constitui um erro ainda mais grave que o do Vietnã, ambos marcadas por um procedimento do tipo "nova derrota, nova escalada".

Apenas alguns meses antes, anunciava-se o retorno dos "realistas" ao poder. No momento em que o Iraque mergulhava na guerra civil, os neoconservadores mais visíveis — Paul Wolfowitz, Richard Perle, Douglas Feith, Lewis Libby, John Bolton — tinham sumido da cena [1]. Tanto o unilateralismo quanto o militarismo pareciam fora de moda [2].

Fracasso tremendo para a Casa Branca, as eleições de 7 de novembro resultaram na tomada das duas casas do Congresso pela oposição democrata. Bush reconheceu ter sofrido uma "lavada" e prometeu adotar uma "nova visão" no Iraque. Donald Rumsfeld foi substituído, no posto de secretário da Defesa, por Robert Gates. Antigo colaborador do ex-presidente George H. Bush, Gates foi também membro do Grupo de Estudos sobre o Iraque, uma comissão de dez especialistas (cinco democratas e cinco republicanos), dirigida pelo antigo secretário de Estado James Baker e por Lee Hamilton, antigo presidente democrata da comissão de Assuntos Externos da Câmara dos Representantes. Seu relatório prometia oferecer uma saída honrosa ao presidente dos EUA.

O descarte não-declarado da saída diplomática

Intitulado "O caminho a seguir: uma nova visão", o documento continha duas partes. A primeira destinava-se a abrir caminho para uma transição "responsável", indicando que as tropas de combate deveriam estar fora do Iraque antes do primeiro trimestre de 2008. Também se pronunciava contra a manutenção de bases militares permanentes no país. A segunda parte tratava de uma "nova ofensiva diplomática global". Partindo do princípio de que não poderia haver solução militar para o conflito, preconizava uma política oposta à visão neoconservadora. Não se falava mais de "propagar a democracia no Oriente Médio". Os EUA eram chamados a iniciar diálogos com a Síria e o Irã mas, além disso, a "se envolver de maneira firme" no esforço por um acordo entre os países árabes e Israel, fundado no princípio de "paz em troca de territórios".

O relatório foi bem acolhido, tanto pela nova maioria democrata quanto por uma parcela dos republicanos. De público, o presidente Bush disse ver nele aspectos interessantes, mas deixou claro que esperava ouvir outras opiniões, antes de anunciar sua nova estratégia. Em privado, sua opinião foi menos amena. Teria qualificado o texto como "merda" [3]. Quem quiser entender as bases da atual "fuga para frente" militar da Casa Branca deve recorrer às fontes políticas, religiosas e edipianas [4]] da presidência de Bush.

Quando lhe perguntaram, há alguns anos, se havia consultado seu pai, antes de lançar a guerra contra o Iraque, o atual presidente teria respondido: "Não é a meu pai que me dirijo para encontrar forças. É ao Altíssimo que apelo em tais momentos [5]". Como em toda dinastia, as relações entre pai e filho não são desprovidas de ambigüidades. Na condução de sua política externa, o herdeiro quis marcar uma ruptura radical.

O Bush pai era um apaixonado por política externa, Desprezando a idéia de "visão", ele se pretendia acima de tudo realista e pragmático. Seu principal feito militar foi desalojar as tropas do Iraque do Kuait, em 1991. James Baker, seu secretário de Estado, conseguiu então reunir uma coalizão de 34 países, muitos dos quais integrantes do mundo árabe. Obteve do Conselho de Segurança da ONU o devido mandato e garantiu que a guerra fosse financiada pelos aliados dos EUA [6].

A religião preside a política, e o imperador pensa ser um semi-deus

Ao contrário de seu pai, Bush não tinha nenhuma experiência em política externa ao chegar à presidência. Herdou, contudo, uma impressionante equipe de conselheiros, entre os quais a acadêmica Condollezza Rice, que lhe serviu como preceptora [7]. Teve também outras influências... Em 1998, quando era governador do Texas, o futuro presidente, que até então havia viajado muito pouco, passou por Israel. Ariel Sharon, então ministro das Relações Exteriores, deu-lhe as primeiras lições de estratégia militar, explicando-lhe por que o princípio "paz por meio da força" era melhor que "paz em troca de territórios". Além disso, o embaixador Peter Galbraith revela que em janeiro de 2003, dois meses antes da invasão do Iraque, o presidente dos EUA ainda ignorava tudo sobre as divisões entre sunitas e xiitas [8].

Menos de nove meses após sua ascensão ao poder, a promessa de uma política externa "modesta", formulada durante a campanha presidencial, estava esquecida. Em 13 de setembro de 2001, durante um serviço religioso celebrado na catedral nacional de Washington, em homenagem às vítimas dos atentados ocorridos três dias antes, o presidente Bush anunciava sua intenção de "livrar o mundo do Mal". Segundo diversas testemunhas, ele parecia ter encontrado seu caminho e via em sua presença na Casa Branca um sinal da Providência.

A introdução da dimensão religiosa, moral e metafísica no debate justificou todos os amálgamas. Estávamos longe não apenas do realismo clássico mas também do próprio princípio de realidade observável. Como relatou um dos principais conselheiros de Bush (provavelmente seu estrategista Karl Rove), ao jornalista Ron Suskind, "as regras do jogo mudaram. Somos hoje um império e quando agimos criamos nossa própria realidade [9]".

Analisados como um fracasso das políticas anteriores, julgadas exageradamente conciliadoras, os atentados do 11 de setembro desembocaram em uma visão unilateral, fundada no princípio da "prevenção". A invasão do Iraque foi vista como necessária para reformar em profundidade o mundo árabe-muçulmano e redesenhar o mapa do Oriente Médio. Pensava-se que, como não cansou de repetir Bernard Lewis, um especialista em Idade Média que se tornou a referência suprema nos círculos do poder, "os árabes só compreendem a linguagem da força".

Um homem sempre dominado pelos neoconservadores

A partir de tais postulados, os thint tanks e os comentaristas mais influentes dispararam uma argumentação baseada numa cadeia de raciocínio duvidosa, mas que tinha desde o início a adesão de um público ávido por soluções-milagres. Os norte-americanos seriam acolhidos como libertadores; surgiria no Iraque uma democracia liberal. O país assinaria um acordo de paz com Israel e serviria de laboratório e vitrine para o mundo muçulmano. Num efeito-dominó, as "mudanças de regime" se propagariam pela região. Eleições livres terminariam, em toda parte, com a vitória dos moderados. O conflito do Oriente Médio estaria resolvido [10]. Ao invés de abrir os olhos, o presidente dos Estados Unidos obstina-se hoje a acreditar neste milagre, aparentemente persuadido de que o cumprimento de seu sonho foi apenas adiado.

Os neoconservadores seduziram incessantemente o ocupante da Casa Branca. Fizeram dele um personagem churchiliano, investido de uma missão histórica ou divina [11]. A escalada que sugeriram terá certamente efeitos desastrosos, mas traduz a obstinação do presidente, que, diante das demandas pela retirada das tropas, asseugurou que manteria o rumo contra todos, "mesmo que tenha apenas o apoio de Laura e Barney" (sua mulher e seu cão) [12]. Claro, o tom é mais conciliador. Bush pede "dar uma chance" à nova estratégia conservadora e sublinha que o envio de mais solados deveria permitir a Bagdad recuperar sua segurança e obter o respeito necessário para fortalecer o processo de reconciliação nacional.

A escalada permitiu sobretudo ao presidente — que não cessou de repetir "quem decide sou eu" — retomasse a iniciativa. Diante de um Congresso majoritariamente democrata, e confrontado com a hostilidade da opinião pública e o ceticismo dos militares, o presidente queixava-se de se sentir marginalizado. Ora, desde 11 de outubro de 2002, em virude de suas prerrogativas constitucionais de comandante-em-chefe do exército, ele tem as mãos livres. O Congresso (única instituição autorizada a declarar a guerra) acabava de autorizá-lo, após debates apenas formais, a utilizar a força "como julgar necessário para defender a segurança nacional, contra a ameaça contínua representada pelo Iraque". O apoio foi maciço e sem ambigüidade: 296 membros da Câmara de Representantes contra 133; 77 a 23, no Senado.

As tentações de um ataque ao Irã e as reações do Congresso

Esta delegação de poder, que não é reversível, embaraça mais de um parlamentar. Uma maioria de democratas havia apoiado a guerra (incluindo presidenciáveis como John Kerry, John Edwards e Hillary Clinton). O clima mudou completamente e tal voto seria inconcebível para iniciar uma guerra contra o Irã. A escalada pode oferecer um pretexto dos sonhos para um confronto contra o regime de Teerã, iniciativa à qual se opõem, no momento, a população norte-americana, o Congresso e a maior parte dos chefes militares. Mas se for capaz de imputar mortes norte-americanas às ingerências iranianas (liberação de armas ou outros atos), o presidente sinalizará tanto ao Congresso quanto ao resto do mundo que uma nova autorização de guerra seria desnecessária. As represálias militares seriam classificadas como legítima defesa.

Face à escalada, o Congresso seria reduzido ou a votar moções de desconfiança simbólicas e sem efeito, ou a tomar medidas potencialmente muito impopulares, como cortar o fornecimento de víveres às tropas, com o risco de ser acusado de "abandonar nossos soldados e colocar suas vidas em perigo".

Em 16 de fevereiro, depois de quatro dias de debates, a Câmara dos Representantes votou, por 246 contra 182, uma moção que indicava tanto sua oposição ao envio de reforços quanto seu apoio às forças armadas. Dezessete republicanos uniram-se à maioria democrata, enquanto apenas dois democratas se opuseram à resolução. No dia seguinte, no Senado, uma maioria de 56 membros (entre eles, 7 republicanos) contra 34 pronunciou-se contra a escalada. Mas devido às regras particulares dessa casa, que permitem a uma minoria paralisar os trabalhos parlamentares, teriam sido necessários 60 votos para que a resolução abrisse um debate.

A batalha entre o Executivo e o Legislativo está longe de terminar. Continua, nestes dias, o exame da linha de créditos orçamentários destinada a financiar a nova estratégia. Passando pente fino sobre as despesas e impondo restrições inéditas que relacionem a votação dos créditos com o estado de preparação das tropas (ao prescrever, por exemplo, que os soldados disponham de um ano de descanso entre cada deslocamento), o Congresso, que controla os cordões do Tesouro, poderia obrigar Bussh a conceber o impensável: um repatriamento progressivo das tropas. Antes que a "missão", declarada "cumprida" há quatro anos e que terá sido a decisão principal de seu governo, termine por em um fracasso absoluto.

Tradução: Antonio Martins
antonio@diplo.org.br

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

Ora, a democracia
Publicado em dezembro, o Manual de Contra-insurgência dos EUA para o Iraque flerta com a tentação de “liquidar” a guerra por meio de uma nova onda de violência

O conto da "reconstrução
Fotografia de um imenso desperdício. Dezenas de bilhões de dólares supostamentes destinados a reerguer o Iraque são torrados em projetos inviáveis, equipamentos inúteis e favorecimento aos “amigos” da Casa Branca



[1] No entanto, os neoconservadores estão longe de ter desaparecido. O novo número 2 do Conselho Nacional de Segurança, Elliott Abrams, principal arquiteto da política para o Oriente Médio, é um neoconservador de carteirinha. Além disso, o movimento continua bem representado na entourage do vice-presidente Robert Cheney

[2] Cf Mike Allen e Romesh Ratnesar, "The end of cowboy diplomacy", Time, Nova York, 10/7/2006

[3] Sidney Blumenthal, "Shuttle without diplomacy", www.salon.com, 11/1/2007

[4] Para um retrato psicanalítico do presidente Bush, ler, de Justin A. Frank, Bush in the Couch: Inside the mind of the President, Regan Books, Nova York, 2004. O livro [Bush no divã: Por dentro da mente do presidente não está traduzido em português, mas a Folha de S.Paulo fez interessante entrevista com seu autor.

[5] Segundo Bob Woodward, Plan of Attack, Simon & Schuster, Nova York, 2004, pg. 421

[6] Ler, sobre este assunto, de James Baker (com Thomas M. DeFrank), The Politics of Diplomacy: Revolution, War and Peace, 1989-1992, G.P. Putnam’s Sons, Nova York, 1995

[7] James Mann, Rise of the Vulcans: the History of Bush’s War Cabinet, Penguim Books, Nova York, 2004

[8] Peter W. Galbraith, The End of Iraq: How American Incompetence Created a War Without End, Simon & Schuster, Nova York, 2006, pg. 83

[9] Rom Suskind, "Without a doubt", The New York Times Magazine, 17/10/2004.

[10] D.L. O’huallachain e J. Forrest Sharpe, Neo-Conned! Just War Principles: A Condamnation of War in Iraq, Lights in the Darkness Publications, Vienna (Virgínia), 2005 e D.L. O’Huallachain e J. Forrest Sharpe, Neo-Conned Again! Hypocrisy, Lawlessness and the Rape of Iraq, Lights in the Darkness Publications, Viena (Virgína), 2005

[11] Exemplo desta literatura hagiográfica: David Frum, The Right Man: an Insade account of the Bush White House, Ramsom House, Nova York, 2005

[12] Bob Woodward, State of Denial: Bush at War, part III, Simon & Schuster, Nova York, 2000


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Iraque
» Guerra contra o Iraque
» Neoconservadores
» Oriente Médio
» Limites e Contradições do Poder Imperial

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos