Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» No Equador, a insurreição tem rosto indígena

» A instigante experiência da “comuna” originária

» Alcântara, acordo indigno

» Marxismo cultural, hora de um resgate

» Conheci Santa Dulce dos Pobres

» Finanças: antes da tempestade, o mormaço

» O amargo sabor da fruticultura brasileira

» O Mugica que era padre

» O flerte do “lugar de fala” com a brutalidade israelense

» Equador: os componentes da rebeldia andina

Rede Social


Edição francesa


» Gauche latino-américaine, version Uruguay

» Fascisme, islam et grossiers amalgames

» Intellectuels est-allemands sur la sellette

» Le malheur kurde

» La Turquie dans le grand jeu

» Fiasco américain au Proche-Orient

» Le paradis sur terre des intellos précaires

» Ces territoires méconnus de l'économie sociale et solidaire

» Ces visages multiples de l'islamisme

» La santé, malade de l'argent


Edição em inglês


» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities

» Value chains: who takes the profits?


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019


VIOLÊNCIA

Como os EUA cultivam a impunidade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

No trecho abaixo, extraído de Dining with Terrorists, Phil Rees destaca a ação da Casa Branca para livrar os soldados norte-americanos do Tribunal Penal Internacional, que julga crimes de guerra

Phil Rees - (21/05/2007)

“Em 1998, os representantes dos países-membros da ONU reuniram-se em Roma e adotaram um tratado que estabelece uma jurisdição mundial para julgar os crimes de guerra, os contra a humanidade e os genocídios. Apenas um governo importante recusou-se a ratificar o tratado: os Estados Unidos. A legislação (o American Service-Members’ Protection Act de 2001) impede os norte-americanos de colaborarem com o tribunal e autoriza o presidente a “recorrer a todos os meios necessários e apropriados para obter a libertação de membros dos Estados Unidos, ou assimilados, detidos contra sua vontade pelo Tribunal Penal Internacional”. Os EUA privaram de qualquer ajuda dezenas de países que recusaram admitir a imunidade dos soldados norte-americanos acusados de crimes de guerra. E por outro lado, Washington assinou acordos bilaterais com aproximadamente uma centena de governos que isentam de perseguição os soldados americanos e assimilados.

"A ’guerra contra o terrorismo’ modificou a paisagem jurídica internacional e tornou legítimo recorrer aos tribunais militares para se fazer justiça, ao invés dos tribunais civis de vocação internacional. Agora, não temos mais relações com a uma guarda internacional encarregada de fazer reinar a justiça, mas com um exército ‘mundial’ dirigido pela América do Norte que se bate contra o Mal".

(Dining with Terrorists, página 176.

Tradução: Elisa Buzzo
elisabuzzo@gmail.com

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

O Bem, o Mal e o Terrorismo
Quatro livros recém-lançados examinam o recurso à violência pessoal, a pretexto de obter reivindicações políticas. Entre os debates necessários, uma pergunta incômoda: que distingue o terror dos "inimigos" do que é praticado pelos "aliados"?

Quem são os recutas da Al-Qaeda
Entre sua origem, nos anos 1990, e hoje, a rede terrorista mudou o perfil de seus adeptos, revela Laurence Wright neste trecho de O vulto das Torres

As novas obras sobre o terrorismo




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Guerras
» Terrorismo de Estado
» Oriente Médio

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos