Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Argentina: o que esperar de Fernández e Cristina

» 2019, o ano do Pibinho do Guedes

» Lowy resgata a atualidade de Walter Benjamin

» Como Weintraub devasta e militariza a Educação

» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

Rede Social


Edição francesa


» Le crépuscule de la raison

» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour

» L'offensive libérale contre le monde du travail

» « Donner confiance aux hommes »


Edição em inglês


» UK's austerity election

» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


CHINA

Que fazer com o diploma na parede?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

As incertezas do mercado de trabalho atingem também os universitários. Uma parte consegue ótimos postos de trabalho. Outra se debate entre desemprego, funções que não correspondem a sua capacidade, barreiras regionais contra “forasteiros” e conservadorismo das famílias

Jean Louis Rocca - (19/05/2007)

O jornal semanal Nanfang zhoumo ("O Fim-de-semana do Sul") publicou, na edição de 26 de abril de 2006, uma reportagem dramática sobre a situação de um jovem formado em publicidade pela universidade de Economia e Finanças da província de Anhui. Ele rejeitou um emprego de 1400 Yuans por mês em sua província, pensou que poderia encontrar um melhor em outro lugar, e partiu para o sul. Em Guangzhou, não conseguiu mais do que um salário de 600 por mês e em Shenzhen, apenas remuneração comissionada, sem salário fixo. Enfim, acabou seguindo os passos dos pais, empregados em uma fábrica de sapatos, ganhando 800 Yans por mês.

Os jovens desempregados vivem no que chamam de "pensões de 10 Yuans" (shiyuandian) e passam a maior parte do tempo enviando currículos e passando por entrevistas.

Alguns não ousam voltar para casa porque devem dinheiro à família ou aos amigos e não podem se "desmoralizar" voltando à província. Outros são a esperança da família inteira: é absolutamente inconcebível que um jovem formado em uma universidade de Beijing, mesmo que pequena, não possa encontrar um bom trabalho em uma das metrópoles da costa.

Além do aumento do número de formados, tais dificuldades devem-se a muitos tipos de fenômenos. Para muitos estudantes, um trabalho em uma cidade do Leste é associado a melhores oportunidades de emprego, salários mais altos e, sobretudo, à perspectiva de carreiras mais atraentes. Mesmo os formados em agronomia querem morar nas grandes metrópoles.

A força das barreiras regionais

Alguns graduados gostariam de encontrar trabalho nas cidades do Centro ou do Oeste, mas não sendo originários dessas regiões, não têm chance alguma de encontrar um bom emprego: as vagas são totalmente monopolizadas pelos que têm boas relações nesses lugares.

Muitos estudantes são constrangidos a ir para as metrópoles, onde o mercado de trabalho não depende tanto dessas redes de relacionamento. Além disso, a considerável redução das oportunidades de emprego oferecidas pelo governo ameaça as perspectivas dos estudantes de nível médio ou que têm especialização em áreas pouco apreciadas no mercado de trabalho. Os níveis de aprovação nos concursos públicos estão muito baixos. Os que são aprovados são considerados "heróis dos estudos".

Contudo, o desemprego atinge desigualmente os estudantes. Citada no mesmo número do Nanfang zhoumo, uma outra pesquisa revela que 55% dos estudantes que têm diploma de licenciatura (benkesheng) da universidade de Fudan (Xangai), uma das mais importantes universidades chinesas, encontraram emprego em 2005. Os da universidade de Beijing também estão na mesma situação. Já o número de doutores aumentou — e esses não encontram nenhum problema em conseguir emprego, especialmente em laboratórios de pesquisa, onde a remuneração é muito boa.

Tradução: Patrícia Andrade
pat.patricia@voila.fr

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

Beijing redescobre a questão social
Uma nova lei de incentivo ao emprego chama atenção para o quebra-cabeças em que se transformou o mundo do trabalho na China. A "oficina do mundo" já oferece salários melhores, mas convive ao mesmo tempo com desemprego em massa e informalidade




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» China
» Desemprego
» Juventude
» Precarização do Trabalho

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos