Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O vírus transparente e os unicórnios invisíveis

» Artimanhas do mercado para socializar prejuízos

» CARF: um tribunal paralelo a serviço dos sonegadores

» Bolsonarismo, manipulação e perversidade

» Pandemia expõe a Era dos Empregos de Merda

» Governo estrangula (ainda mais) Ciência brasileira

» Coronavírus e os limites morais do capitalismo

» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

Rede Social


Edição francesa


» L'Afrique tente de retenir ses médecins

» Du Monténégro au Kosovo, la Serbie défiée

» De l'utopie scientifique au péril sanitaire

» Controverses en Inde autour de l'histoire coloniale

» Le culte d'Internet

» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique


Edição em inglês


» April: the longer view

» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


HISTÓRIA

O interminável Sétimo Dia

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Cronologia dos conflitos provocados pela ocupação da palestina. Por ter mantido e aprofundado a opressão sobre eles, a Guerra dos Seis Dias acabou deflagrando uma série de choques, que se arrasta até hoje

Bassma Kodmani - (21/06/2007)

1970

Setembro: As tropas do rei Hussein, da Jordânia, esmagam a resistência palestina. Expulsa do país, ela instala-se no ano seguinte, no Líbano.

1973

Outubro: Ofensiva das tropas egípcias e sírias contra Israel, cujo exército — no início pressionado — termina por detê-la.

1975

Abril: Início da guerra civil libanesa, que durou até o acordo de Taëf (1989) e fez (oficialmente) 150 mil mortos.

1978

Março: Israel invade o sul do Líbano e cria uma "zona de segurança".

1980

Setembro: O exército iraquiano ataca o Irã. Começa uma longa guerra, que terminou em 1988 e deixou dois milhões de mortos.

1982

Junho: Início da invasão israelense no sul do Líbano. O país só se retirou em 2000.

1987

Dezembro: Início da primeira Intifada em Gaza e, depois, na Cisjordânia. Prolongada até 1991, provocou a morte de 1.300 palestinos e 250 israelenses.

1990

Agosto: Invasão iraquina do Kuait.

1991

Janeiro-março: Primeira Guerra do Golfo (150 mil iraquianos mortos, 470 da coalizão internacional).

1994

Maio-julho: Guerra civil no Iêmen.

1996

Abril: Operação israelense “Vinhas da Ira” contra o Líbano.

Setembro:Confrontos no Curdistão iraquiano. Intervenção do exército iraquiano e bombardeios norte-americanos.

2000

Setembro:Início da segunda Intifada. Prolongando-se até 2005, fez mil israelenses e 4.500 palestinos mortos.

2001

Setembro-outubro:Atentados ao World Trade Center (NY) e ao Pentágono (Washington) pelo grupo Al-Qaeda. O ataque foi seguido pelo início da Guerra do Afeganistão.

2002

Março-junho: Operação “Rempart”: Israel reconquistou militarmente o conjunto da Cisjordânia.

2003

Março-abril: Guerra anglo-americana contra o Iraque.

2006

Julho-agosto:Guerra israelense contra o Líbano (1.300 libaneses e 160 israelenses mortos).

Tradução: Carolina Gutierrez
carol@diplo.org.br

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

A batalha que incendiou o Oriente Médio
Quarenta anos depois, um retorno “Guerra dos Seis Dias” revela: o conflito que envenenou as relações entre Israel e Palestina não teve como origem a disputa entre os dois povos. Seria um sinal de que a paz é possível?

Sob o signo da frustração
A derrota no conflito de 1967 transtornou o mundo árabe. É a partir dos traumas associados a ela que crescem a influência da religião, a tentação da violência, o conservadorismo moral como forma de “purificação” e os governos cada vez mais afastados de seus povos

Como a ocupação invadiu Israel
Após seu triunfo retumbante contra os três maiores exércitos árabes, o país encheu-se de orgulho, dinheiro e ilusão. Quarenta anos depois, a sociedade está mais frágil, atemorizada e desigual. Há quem tema por suas chances de sobrevivência

Dinastias, golpes e... insurreições
Desde a constituição de seus Estados nacionais, o mundo árabe tem sido marcado por governos que se eternizam (muitas vezes apoiados por potências estrangeiras) e por fortes sobressaltos políticos. O período pós-67 manteve esta tendência




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Israel
» Guerras
» Palestina
» Ocupação da Palestina
» Oriente Médio

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos