Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Gramsci, un rayonnement planétaire

» L'ENA tentée par la philosophie des affaires

» Éloge du rire sardonique

» L'abstention gagne les classes moyennes

» Qui veut encore financer la presse ?

» L'unité de l'Algérie

» Créatrices et minotaures

» Absence d'enquêtes et bagarres de plateau, les recettes de l'information en continu

» Vive le « risque systémique » !

» Les transformations de l'économie continentale


Edição em inglês


» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger

» Threat to Africa's parks

» Montenegro's ragged coalition


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


EDITORIAL

Populismo à francesa

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Para o conjunto da esquerda a derrota nas eleições presidenciais é decisiva. Marca o fim de uma era. E força a uma indispensável refundação

Ignacio Ramonet - (21/06/2007)

Há algo de fascinante nessa espécie de passo do tigre que, na França, conduziu Nicolas Sarkozy à presidência da República. O inegável gênio político que mostrou ao longo de toda a campanha – uma mistura de voluntarismo, autoridade, personalização, provocação, nacionalismo e liberalismo – conjugado a uma brilhante arte de oratória e uma temível inteligência nas comunicações de massa permitiram-lhe, devido também ao apoio maciço do poder midiático e do poder econômico, impor-se com uma clareza óbvia.

O que também provocou espanto foi a desenvoltura intelectual que levou Sarkozi a transitar sobre as linhas de demarcação que separam a direita e a esquerda. Analistas se interrogavam se essas linhas tinham se movido empurradas pela mundialização liberal. Sarkozy foi claro. E provou, pela composição do seu primeiro governo, que o perímetro da direita inclui, agora, uma boa parte do Partido Socialista, ou sua ala “social-liberal”. A esse respeito, o novo Executivo (do qual não menos de quatro membros – Bernard Kouchner, Eric Besson, Jean-Pierre Jouyet e Martin Hirsch – vêm da esquerda) reflete a “direitização” da sociedade francesa.

Uma direitização paradoxal, já que o sofrimento social não parou de aumentar. Desde 1995, as lutas sociais continuam vivas, num mundo trabalhista duramente golpeado pela precarização, subcontratação, deslocalizações e desemprego. A era do gaulismo termina, substituída pela do sarkozysmo, ou seja, um populismo francês que – sedutor pela ilusão de movimento e abertura qualificada de “moderna”, ou mesmo de “progressista” – propõe reunir em seu seio todas as direitas, dos lepenistas aos sociais-liberais, sem esquecer os centristas. E cujas fontes principais de inspiração são o modelo republicano neoconservador dos Estados Unidos, Silvio Berlusconi na Itália e José María Aznar na Espanha. Três experiências negadas recentemente pelos eleitores de tais países, diga-se de passagem.

A tentativa ridícula de "culpar" a grande mídia

O novo fracasso da esquerda constitui, em primeiro lugar, uma derrota intelectual. Não ter produzido – seja por imobilismo, ruptura com as camadas populares ou incapacidade – uma nova teoria política para a construção da França mais justa, enquanto todas as estruturas da sociedade foram sendo desarrumadas há 15 anos pelo brutal desmoronamento da União Soviética e pelo desenvolvimento devastador da globalização neoliberal, terminou por se revelar suicida. A esquerda perdeu a batalha das idéias, desde que sua experiência governamental a levou a congelar salários, fechar fábricas, suprimir empregos, liquidar os bolsões industriais e privatizar uma parte do setor público. Resumidamente, desde que aceitou a missão histórica, contrária à sua essência, de “adaptar” a França à globalização, “modernizando-a” à custa dos assalariados e em proveito do capital. Aí está a origem da derrota atual.

Despejar sobre a grande mídia – que constitui o aparelho ideológico principal do sistema – a responsabilidade da derrota é uma queixa infantil ou de impotência. Porque a nova hierarquia dos poderes, estabelecida pela mundialização neoliberal, coloca, evidentemente, em primeiro lugar o poder econômico e financeiro, seguido do poder midiático, mercenário do anterior. Esse duo dominante controla o poder político, o qual, nas democracias de opinião e na era da globalização, só se conquista com o consentimento cúmplice das finanças e dos que controlam a economia.

A “esquerda da esquerda” tampouco considerou que, apesar da riqueza das suas propostas, ofereceu apenas um espetáculo desalentador de desunião e egoísmo.

Para o conjunto da esquerda essa derrota é decisiva. Marca o fim de uma era. E força a uma indispensável refundação. Para construir, enfim, como se diz nesses tempos na América Latina, um “socialismo século 21”.

Tradução: Marcelo de Valécio
marlivre@gmail.com




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Eleições
» Declínio da Social-Democracia
» Impasses da Esquerda Institucional

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos