Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

» As mentiras da ciência a serviço do mercado

» Anatomia da próxima recessão global

» Passo a passo para frear a devastação da Amazônia

Rede Social


Edição francesa


» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation

» Le piège du 11-Septembre

» Quand la gomme arabique fait tanguer l'Amérique

» Au Kosovo, la « sale guerre » de l'UCK

» L'école publique à l'encan

» Le régime de Khartoum bousculé par la sécession du Sud

» Les apprentis sorciers de la retraite à points

» Hongkong dans l'étau chinois


Edição em inglês


» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model

» Soft power influence in the Arabian Gulf

» Life with bribes and kickbacks


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


GENOCÍDIOS

Vinte anos de guerra sem fim

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Entre os ingredientes do conflito que aterroriza Uganda, uma milícia que recruta à força para impor a Bíblia e as velhas disputas tribais atiçadas pela colonização

André-Michel Essoungou - (27/07/2007)

Cinco, vinte ou cem mil mortes? Em mais de vinte anos, não se tem estimativa confiável do número de vítimas da guerra do norte de Uganda. Desde 1986, com o início da rebelião de Alice Lakwena, a região nunca mais teve paz. Derrotado às portas de Kampala, em novembro de 1987, o Movimento do Espírito Santo (Holy Spirit Movement) foi, rapidamente, substituído pelo Exército de Resistência do Senhor (ERS ou Lord’ s Resistance Army, LRA), dirigido por Joseph Kony, sobrinho de Lakwena. Ambos acreditam que são dirigidos pelo espírito santo e propõem a imposição de um poder baseado nos Dez Mandamentos [1].

O conflito reflete, também, a profunda rivalidade entre o sul do país, detentor do poder, e o norte, que se considera excluído. Essas tensões remontam à colonização britânica, que as intensificou por meio de um jogo de poder regional. O ERS beneficia-se do apoio do povo acholi (norte do Uganda), que se opõe ao presidente Yoweri Museveni, procedente da tribo dos bayankolés (sudoeste do país). Em 1986, o chefe de Estado tomou o poder e derrubou um conselho militar acholi. Até há pouco, o ERS recebia favores do vizinho Sudão. Kartum servia-se da milícia em seu próprio conflito contra os rebeldes sulistas.

Em 1996, frente ao terror promovido pelo ERS no norte de Uganda, o governo decidiu criar “campos protegidos” para a população. Procurou, também, privar os rebeldes de suas fontes de abastecimento. Mas fracassou. Os massacres de civis prosseguem, e certos atos de mutilação lembram os praticados na guerra de Serra Leoa. Entre 25 e 60 mil crianças foram raptadas e transformadas em soldados do ERS. Milhares de pessoas foram obrigadas a deixar os campos à noite para se esconder dos “recrutadores” nas ruas de Gulu e outras cidades do norte do país. Haveria 1,5 milhão de pessoas deslocadas na região acholi — local mais deavstado pelo conflito. O ugandense Michael Odongior, conselheiro jurídico de uma associação local, faz uma constatação desiludida: “aqui as pessoas sobrevivem graças à ajuda humanitária internacional. A presença do governo resume-se ao exército e a algumas estradas construídas há muito tempo”.

Tradução: Marcelo de Valécio
marlivre@gmail.com



[1] Ler Michel Arseneault, “La folle guerre de l’Armée de résistance du Seigneur”, Le Monde diplomatique, edição francesa, fevereiro de 1998.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Guerras Colonialistas
» Uganda
» África
» Genocídios e Massacres

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos