Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Decifrando Bolsonaro

» Pós-materialismo: por uma política não-cartesiana

» Greta Thunberg e a escola do século XXI

» A Classe de Davos e como vencê-la

» Prepare-se para o ano Bernie Sanders

» Orientalismo: por que não enxergamos o Irã

» 1917: Mergulho no horror e dilemas da técnica

» As ideias perigosas que eles temem

» Polícia Militar, nascida para reprimir greves

» Roteiro para reinventar as cidades brasileiras

Rede Social


Edição francesa


» Ce que la génétique doit à l'eugénisme

» À la recherche de l'enfant parfait

» Au temps du terrorisme anarchiste

» Population kurde dans le monde

» Un grand peuple sans État

» Contestation à consommer pour classes cultivées

» Raymond Soubie, une éminence grise au service de la « réforme »

» Retour de la mal-vie dans le monde du travail

» Dialogue avorté entre Téhéran et Washington

» La tentation de l'apartheid génétique


Edição em inglês


» Ben Bella: ‘It protected us from hatred'

» Hicham Yezza on what went wrong for the UK's Labour Party

» The US and Iran: a long and bitter war

» As Australia's right tacks left on climate, the course is set

» The two souls of veganism

» January: the longer view

» Iranians united

» Luxembourg's multilingual geography

» Controlled by Ritalin

» The hero of Petliura Street


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?


GENOCÍDIOS

Vinte anos de guerra sem fim

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Entre os ingredientes do conflito que aterroriza Uganda, uma milícia que recruta à força para impor a Bíblia e as velhas disputas tribais atiçadas pela colonização

André-Michel Essoungou - (27/07/2007)

Cinco, vinte ou cem mil mortes? Em mais de vinte anos, não se tem estimativa confiável do número de vítimas da guerra do norte de Uganda. Desde 1986, com o início da rebelião de Alice Lakwena, a região nunca mais teve paz. Derrotado às portas de Kampala, em novembro de 1987, o Movimento do Espírito Santo (Holy Spirit Movement) foi, rapidamente, substituído pelo Exército de Resistência do Senhor (ERS ou Lord’ s Resistance Army, LRA), dirigido por Joseph Kony, sobrinho de Lakwena. Ambos acreditam que são dirigidos pelo espírito santo e propõem a imposição de um poder baseado nos Dez Mandamentos [1].

O conflito reflete, também, a profunda rivalidade entre o sul do país, detentor do poder, e o norte, que se considera excluído. Essas tensões remontam à colonização britânica, que as intensificou por meio de um jogo de poder regional. O ERS beneficia-se do apoio do povo acholi (norte do Uganda), que se opõe ao presidente Yoweri Museveni, procedente da tribo dos bayankolés (sudoeste do país). Em 1986, o chefe de Estado tomou o poder e derrubou um conselho militar acholi. Até há pouco, o ERS recebia favores do vizinho Sudão. Kartum servia-se da milícia em seu próprio conflito contra os rebeldes sulistas.

Em 1996, frente ao terror promovido pelo ERS no norte de Uganda, o governo decidiu criar “campos protegidos” para a população. Procurou, também, privar os rebeldes de suas fontes de abastecimento. Mas fracassou. Os massacres de civis prosseguem, e certos atos de mutilação lembram os praticados na guerra de Serra Leoa. Entre 25 e 60 mil crianças foram raptadas e transformadas em soldados do ERS. Milhares de pessoas foram obrigadas a deixar os campos à noite para se esconder dos “recrutadores” nas ruas de Gulu e outras cidades do norte do país. Haveria 1,5 milhão de pessoas deslocadas na região acholi — local mais deavstado pelo conflito. O ugandense Michael Odongior, conselheiro jurídico de uma associação local, faz uma constatação desiludida: “aqui as pessoas sobrevivem graças à ajuda humanitária internacional. A presença do governo resume-se ao exército e a algumas estradas construídas há muito tempo”.

Tradução: Marcelo de Valécio
marlivre@gmail.com



[1] Ler Michel Arseneault, “La folle guerre de l’Armée de résistance du Seigneur”, Le Monde diplomatique, edição francesa, fevereiro de 1998.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Guerras Colonialistas
» Uganda
» África
» Genocídios e Massacres

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos